Conexão Subterrânea

Citation
Conexão Subterrânea

Material Information

Title:
Conexão Subterrânea
Series Title:
Conexão Subterrânea
Creator:
Redespeleo (Brazil)
Publisher:
Redespeleo (Brazil)
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Subjects / Keywords:
Regional Speleology ( local )
Genre:
serial ( sobekcm )
Location:
Brazil

Notes

General Note:
Bulletin of Redespeleo Brazil.
Restriction:
Open Access
Original Version:
No. 58 (2007)
General Note:
See Extended description for more information.

Record Information

Source Institution:
University of South Florida Library
Holding Location:
University of South Florida
Rights Management:
All applicable rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier:
K26-01190 ( USFLDC DOI )
k26.1190 ( USFLDC Handle )
12581 ( karstportal - original NodeID )
1981-1594 ( ISSN )

USFLDC Membership

Aggregations:
Added automatically
Karst Information Portal

Postcard Information

Format:
serial

Downloads

This item has the following downloads:


Full Text

PAGE 1

Nmero 58, 19 de dezembro de 2007Entre os dias 19 e 22 de novembro, foi realizada a segunda expedio de mapeamento caverna Paraso, situada no municpio de Aveiro, aproximadamente a 250 km ao sul de Santarm, no Par. Na ltima expedio, realizada em 2005, a caverna havia sido mapeada em aproximadamente 500 m, e muitos condutos tinham ficado em aberto. A expedio deste ano contou com a participao de trs espelelogos e tinha como objetivo terminar a topografia da caverna. Aps 4 dias de intensos trabalhos, a equipe chegou marca dos 1600 m, fazendo da caverna Paraso a maior gruta da Amaznia. Apesar dos esforos, no foi possvel terminar a topografia, pois novos sales e condutos foram descobertos, ampliando a estimativa inicial de desen-A Caverna Paraso, no Par, atualmente a maior da Amaznia volvimento da caverna que deve ultrapassar os 2,5 km de extenso. Formada em calcrios do perodo Carbonfero ( possvel ver conchas incrustadas na rocha algo raro em cavernas brasileiras) a Caverna Paraso se caracteriza por condutos meandrantes que se interligam em uma estrutura labirntica, muitos deles com teto baixo, alguns condutos amplos e sales. H ao menos duas drenagens distintas na caverna, que so interrompidas por trechos abatidos. A caverna relativamente bem ornamentada, embora apresente trechos estreitos e desmoronados, que dificultam o caminhamento. Com este mapeamento, a caverna Paraso supera em desenvolvimento as grandes cavernas arenticas do Par, guardando ainda um bom potencial para explorao e cincia. A topografia dever ser retomada na prxima estao das secas.ISSN 1981-1594 Por Leda Zogbi e Augusto AulerDaniel Menin Grande travertino, Caverna Paraso.Continuam os trabalhos na regio de So Thom das Letras e Luminrias (MG)Por Ericson Cernawsky Igual (Ovo) e Adilson Macari GPME Pouco mais de um ms aps a expedio que culminou em uma denncia encaminhada pelo GPME Grupo Pierre Martin de Espeleologia aos rgos responsveis (ver artigo edio N 56), entre os dias 02 e 04 de novembro, uma nova expedio foi organizada pelo grupo para a regio de So Thom das Letras e Luminrias. Participaram dessa nova investida 21 espelelogos, contando tambm com a presena dos grupos SEE (Sociedade Excursionista e Espeleolgica), Guano Speleo e CAP (Clube Alpino Paulista). Na ocasio foram descobertas e topografadas quatro novas cavidades, foram topografadas sete outras cavernas previamente conhecidas, (algumas fazendo parte inclusive do roteiro turstico local), e foram levantadas as coordenadas das Grutas Carimbado I e II visando completar o cadastro destas cavernas no CODEX (Cadastro Nacional de Cavidades da Redespeleo Brasil). A descoberta de duas cavidades na serra, nas proximidades da sede do municpio de So Thom das Letras e a menos de cem metros de uma frente de lavra, aumentou a preocupao do grupo com relao aos riscos de degradao do patrimnio espeleolgico. Das cavidades conhecidas que foram topografadas durante esta atividade, destaque para a pequena Gruta de So Thom, descrita no inicio do sculo XIX e citada posteriormente na publicao "As Grutas em Minas Gerais IBGE 1939". Localizada no centro da cidade e amplamente conhecida, essa pequena cavidade curiosamente ainda no estava cadastrada. Toca da Boa Vista, So Thom.Ericson C. Igual

PAGE 2

gioso ameaam a integridade das mesmas. Os pesquisadores recomendam prticas de educao ambiental, incentivos a reflorestamentos e criao de RPPNs no entorno das cavernas como aes emergenciais para a conservao da rea.No ltimo Conexo Subterrnea n57, foi publicado um artigo enfocando aspectos morfolgicos das cavernas granticas do municpio de Atalia, no Nordeste de Minas Gerais. Em complemento s informaes transmitidas naquele artigo, no campo da bioespeleologia, desde 2003 pesquisadores da UFMG e UFLA apoiados pelo Critical Ecossystem Parthership Fund (CEPF) da Conservao Internacional, vm realizando estudos da fauna das vrias cavernas da regio. Os trabalhos ainda esto em andamento e so objetos de tese intitulada "Conservao de invertebrados caverncolas na Mata Atlntica". Recentes informaes acerca da biologia de algumas cavernas da rea podem ser vistas no trabalho intitulado "Aspectos da ecologia de uma populao de Lasiodora sp (Aranae: Theraphosidae) em caverna grantica" Espeleotema 2007, volume 19, pginas 6580 e www.aliancamataatlantica.org.br/araponga_online13.htm. As equipes de mapeamento e biologia foram muito bem acolhidas pelos moradores e pela Prefeitura de Atalia, especialmente por Nilton e Mrio da Emater-MG e Vieira. A regio muito promissora, tanto em relao riqueza da fauna quanto s caractersticas morfolgicas diferenciadas das suas cavernas. Entretanto, alteraes antrpicas de desmatamento e uso reliPor Marconi S. Silva, Rodrigo L. Ferreira e Leda Zogbi Carlos Grohmann Rodrigo Lopes Ferreira (Drops)Mabele Gontijo, grande incentivadora das atividades. Mais uma vez, os bons resultados foram obtidos graas ao excelente apoio da Prefeitura Municipal de Presidente Olegrio. Uma nova expedio para a regio j est sendo programada para o carnaval de 2008. As cavernas granticas de Atalia (MG) so contempladas com estudos bioespeleolgicosDando continuidade nos trabalhos iniciados em setembro (ver artigo edio N 55), entre os dias 16 e 19 de novembro foi realizada uma segunda expedio do GPME (Grupo Pierre Martin de Espeleologia) a Presidente Olegrio (MG). A equipe foi composta por seis membros do grupo e acompanhada pelos representantes da Prefeitura Municipal de Presidente Olegrio, Sr. Wesley Silva de Morais e Srta. Melre Cristina da Silva. Durante a expedio foram descobertas 22 novas grutas em calcrio, sendo que destas, 7 foram totalmente mapeadas. Foi tambm iniciado o mapeamento da Lapa Vereda da Palha, descoberta na expedio anterior. A caverna est revelando uma gnese um tanto singular, com condutos meandrantes em forma de cnion com alturas de at 22 metros, tendo em alguns trechos largura de apenas 60 cm. A caverna ainda apresenta diversos nveis sobrepostos, devido ao preenchimento parcial dos condutos originais por calcita secundria. Desta vez a equipe adotou como campo-base o povoado de Andrequic, famoso regionalmente pela realizao de uma romaria em homenagem a Nossa Senhora da Abadia e de uma grande festa no ms de Agosto, reunindo cerca de 60.000 romeiros. Em um dos dias, a equipe foi acompanhada pela TV Integrao (Rede Globo), que realizou matria enfocando o patrimnio espeleolgico desconhecido, a necessidade de sua preservao e os trabalhos realizados pelo GPME no municpio. Nessa ocasio a expedio contou tambm com a participao da representante da Prefeitura Municipal, Sra.22 novas grutas so descobertas em Presidente Olegrio, MGPor Ericson Cernawsky Igual (Ovo), Carlos Henrique Grohmann (Guano) GPME Nota de falecimentoFaleceu no dia 13/12/2007, aos 71 anos, o professor aposentado da Universidade Federal de Minas Gerais, Ronaldo Teixeira. Ronaldo Teixeira foi ativo espelelogo ao longo da dcada de 1970 quando trabalhava no Museu de Histria Natural da UFMG. Todos aqueles que praticavam ou se iniciaram na espeleologia em Belo Horizonte naquela poca com certeza travaram contato com ele. Aposentou-se jovem, no incio da dcada de 1980 e logo se afastou das atividades espeleolgicas. Autor de artigos sobre cavernas e principalmente do pequeno livro "Grutas da Regio Crstica de Lagoa Santa Lapinha". Ronaldo Teixeira foi vtima de agresso fsica, quando sua residncia em Belo Horizonte foi invadida por assaltantes. Fonte: www.radiorecord.com.br, 14/12/2007. Lapa Vereda da Palha. Lasiodora sp (Aranae: Theraphosidae)

PAGE 3

Oterremoto de 4,9 pontos na escala Richter, ocorrido em 09/12 no municpio de Itacarambi, norte de Minas Gerais e que resultou na morte de uma menina de 5 anos, conforme amplamente veiculado pela mdia, ocorreu a poucos quilmetros de uma das mais belas regies crsticas do Brasil: o Vale do Peruau. Alm da famosa gruta do Janelo, com seus condutos de aproximadamente 100 m de altura, o Vale do Peruau abriga dezenas de outras belas cavidades, como a Gruta Bonita, que possui espeleotemas extremamente frgeis e que certamente seriam destrudos se submetidos a um tremor de terra dessa magnitude. A comunidade espeleolgica externou sua preocupao com relao ao estado das cavernas da regio na lista de discusses da Redespeleo Brasil, mas infelizmente ainda no tivemos nenhuma notcia sobre a situao atual das cavernas. Caso se tenha alguma informao sobre o assunto, favor encaminhar por e-mail ao Conselho Editorial do Conexo Subterrnea, no endereo conexao@redespeleo.org para que possamos informar aos demais leitores do boletim. Desde j, agradecemos a colaborao.Terremoto em regio crstica preocupa espelelogos Um fungo novo est se desenvolvendo na caverna de Lascaux, e para dar cabo das manchas pretas que apareceram nas paredes, uma srie de medidas emergenciais acabaram de ser tomadas por um comit internacional de cientistas. As manchas de fungo esto presentes nas zonas mais confinadas da caverna, conhecida como "a capela sistina da arte parietal" devido s suas maravilhosas pinturas rupestres datadas do paleoltico. Desde o surgimento das manchas de fungo, elas no evoluram muito, desenvolvendo-se em alguns locais e sumindo em outros. Segundo Michel Clment, diretor de arquitetura e de patrimnio do ministrio da Cultura, no h manchas de fungo sobre as pinturas, com rarssimas excees. Um tratamento com bicido localizado vai ser efetuado num primeiro momento. Depois haver um repouso de trs meses. Isto significa a interrupo de toda e qualquer atividade humana, para equilibrar o clima da caverna fechada desde 1963 visitao publica. Por outro lado, o sistema de ventilao instalado em 2000 vai ser substitudo em 2008. A cada ano, 250.000 pessoas visitam a rplica da Gruta de Lascaux, situada a 500 m da caverna original. Em 2001 a caverna havia sido vitimada por um forte ataque de fungos brancos. Esta invaso foi interrompida graas a um tratamento com cal virgem aplicado no solo e nas parede da caverna, e que demonstrou ter sido bastante eficaz. O representante do Ministrio da Cultura afirmou que todos os meios financeiros sero disponibilizados para salvar esta jia. Fonte : www.lefigaro.fr/sciences, 22/11/2007. Divulgao Durante os ltimos meses, dois artigos, o primeiro publicado no peridico Geophysical Research Letters e o segundo como um captulo do livro Ocean Circulation: Mechanisms and Impacts tratam do atual tema das mudanas climticas atravs de registros paleoclimticos em espeleotemas. O enfoque dos dois artigos, produzidos pelo mesmo grupo, semelhante, estando baseados principalmente em um registro de 90 mil anos da Caverna Botuver no municpio de mesmo nome em Santa Catarina. Estes artigos demonstram a notvel assimetria, em escala milenar, entre registros brasileiros (Botuver, nordeste brasileiro) e do Hemisfrio Norte (China), sugerindo que esta assimetria (quando o clima torna-se seco no Hemisfrio Sul, torna-se mido no Hemisfrio Norte, e viceversa) deve-se a alteraes no posicionamento da zona de convergncia intertropical. Os autores sugerem que as bruscas mudanas climticas em escala milenar devem-se a modificaes na circulao ocenica e no a mecanismos do tipo "Super El Nino". Para se obter separatas eletrnicas dos artigos favor enviar um email para um dos autores em: aauler@terra.com.br. Wang, X., Auler, A.S., Edwards, R.L., Cheng, H., Ito, E., Wang, Y., Kong, X., Solheid, M. 2007. Millennial-scale precipitation changes in southern Brazil over the past 90.000 years. Geophysical Research Letters 34: L23701. Wang, X., Edwards, R.L., Auler, A.S., Cheng, H., Ito, E. 2007. Millennial-scale interhemispheric asymmetry of low-latitude precipitation: speleothem evidence and possible high-latitude forcing. In Ocean Circulation: Mechanisms and Impacts (Schmittner, A., Chiang, J., Hemmings, S. Eds). American Geophysical Union. Geophysical Monograph Series 173: 279294. PRODUO CIENTFICA Publicados recentemente dois novos artigos sobre paleoclima Gruta do Janelo DivulgaoGruta de Lascaux apresenta manchas pretas

PAGE 4

Segundo informaes veiculadas no dia 29/10 em blog postado por Jackson Rubem no portal de Irec (municpio da regio central da Bahia), houve um terremoto em Joo Dourado, municpio de Irec, no dia 25/10, sexta-feira, s 20h e 30min. Foram 4 segundos apenas, mas o suficiente para causar pnico em milhares de pessoas nos povoados de Riacho, Floresta e Mata do Milho. No dia seguinte, houve um novo abalo com durao de 1 segundo. No mesmo portal de Irec, no dia 01/11, Jacson Rubem informou que a Gruta dos Brejes (certamente uma das mais impressionantes cavernas brasileiras), poderia ter sido parcialmente danificada pelo terremoto de Joo Dourado. Segundo Rubem, uma informante contou que estava em sua roa nas proximidades da Gruta dos Brejes, quando comeou o terremoto. Ela teria ouvido um barulho gigantesco no local onde se encontra a Gruta dos Brejes e percebido que uma parte do teto teria despencado no meio da gruta, provavelmente obstruindo alguns trechos. Esta verso foi felizmente negada pelo relatrio oficial denominado "Relatrio sobre tremor de terra (acomodao de placas de rochas) rea da Apa Gruta dos Brejes / Vereda do Romo Gramacho", datado de 03/12 e encaminhado a esta Comisso Editorial pelo gestor da APA Gruta dos Brejes, Jos Alosio Cardoso. Segundo ele, os tremores (que teriam ocorrido nos dias 26 e 27/10) foram sentidos pelos moradores de diversas regies: na Fazenda Itapecuru e na Fazenda Canabrava, no municpio de So Gabriel extremo norte da APA;Informaes discrepantes so veiculadas sobre terremoto na Bahia na Fazenda Morro Branco/Angico no extremo sul da APA (Gruta da Igrejinha); e nas Fazendas Salinas de Baixo e de Cima. De acordo com o relatrio oficial, no Povoado Brejo da Gruta (regio central da APA) no ocorreu nenhuma observao por parte dos moradores locais e do prprio Jos Alusio que estava trabalhando no local com uma equipe do Museu Nacional do Rio de Janeiro no perodo das duas ocorrncias do ms de outubro. Alm dos dois tremores ocorridos em outubro, no dia 27/11, ocorreu outro tremor de terra abrangendo a regio das Fazendas Landu e Cabaa no municpio de Joo Dourado. Segundo Jos Alusio, foi feito um contato telefnico com o Dr. Ives Garrido, geofsico da CBPM, que sugeriu, que os fatos ocorridos na rea provavelmente ocorreram devido "acomodaes das rochas fraturadas". De acordo com o relatrio oficial, nos dias 1 e 2/12, foi realizada uma nova visita ao local para observar se tinha havido alguma alterao fsica no interior das cavernas localizadas no extremo norte da APA (Gruta da Boca da Manga e Gruta do Espelho) e no extremo sul da APA (Gruta da Igrejinha). Nestas vistorias, no foi observada qualquer alterao fsica em nenhuma caverna. Fonte: www.irec.org 29/10/07 e 01/11/2007. Leda Zogbi5 Congresso Nacional de Espeleologia Alcanena, PortugalDo dia 6 9 deste ms a Federao Portuguesa de Espeleologia, realizou o seu 5 Congresso em 21 anos de existncia. O evento reuniu cerca de uma centena de espelelogos portugueses e espanhis e as discusso abrangeram a trs reas relacionadas espeleologia: atividade cientfica e exploratria, atividade de recreio e lazer e atividade desportiva. Os participantes tiveram acesso a uma rea de exposies, a vrias mesas redondas temticas, a dois painis compostos por 11 psters cientficos e de explorao e ainda a uma competio das modalidades da espeleologia desportiva, com a participao de atletas de Portugal e da Espanha (Federao Catal). Destacou-se ainda a participao da recm criada Comisso Cientfica da Federao Portuguesa de Espeleologia, que assumiu a apresentao de comunicaes de um elevado nvel cientfico, demonstrando que a cincia continua em primeiro plano na prtica e no desenvolvimento da espeleologia, tal como esteve na sua origem. Comisso Editorial: Allan Calux, Augusto Auler, Leda Zogbi, Hlio Shimada. Reviso: Allan Calux, Leda Zogbi. Diagramao: Carlos H. Maldaner. Logotipo: Daniel Menin. Artigos assinados so de responsabilidade dos autores. Artigos no assinados so de responsabilidade da comisso editorial. A reproduo de artigos aqui contidos depende de autorizao dos autores e deve ser comunicada REDESPELEO BRASIL pelo e-mail: conexao@redespeleo.org O Conexo Subterrnea pode ser repassado, desde que de forma integral, para outros e-mails ou listas de discusso.ExpedienteGruta dos Brejes


Description
Bulletin of Redespeleo
Brazil.


printinsert_linkshareget_appmore_horiz

Download Options

close
Choose Size
Choose file type
Cite this item close

APA

Cras ut cursus ante, a fringilla nunc. Mauris lorem nunc, cursus sit amet enim ac, vehicula vestibulum mi. Mauris viverra nisl vel enim faucibus porta. Praesent sit amet ornare diam, non finibus nulla.

MLA

Cras efficitur magna et sapien varius, luctus ullamcorper dolor convallis. Orci varius natoque penatibus et magnis dis parturient montes, nascetur ridiculus mus. Fusce sit amet justo ut erat laoreet congue sed a ante.

CHICAGO

Phasellus ornare in augue eu imperdiet. Donec malesuada sapien ante, at vehicula orci tempor molestie. Proin vitae urna elit. Pellentesque vitae nisi et diam euismod malesuada aliquet non erat.

WIKIPEDIA

Nunc fringilla dolor ut dictum placerat. Proin ac neque rutrum, consectetur ligula id, laoreet ligula. Nulla lorem massa, consectetur vitae consequat in, lobortis at dolor. Nunc sed leo odio.