Conexão Subterrânea

Citation
Conexão Subterrânea

Material Information

Title:
Conexão Subterrânea
Series Title:
Conexão Subterrânea
Creator:
Redespeleo (Brazil)
Publisher:
Redespeleo (Brazil)
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Subjects / Keywords:
Regional Speleology ( local )
Genre:
serial ( sobekcm )
Location:
Brazil

Notes

General Note:
Bulletin of Redespeleo Brazil.
Restriction:
Open Access
Original Version:
No. 47 (2007)
General Note:
See Extended description for more information.

Record Information

Source Institution:
University of South Florida Library
Holding Location:
University of South Florida
Rights Management:
All applicable rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier:
K26-01201 ( USFLDC DOI )
k26.1201 ( USFLDC Handle )
12592 ( karstportal - original NodeID )
1981-1594 ( ISSN )

USFLDC Membership

Aggregations:
Added automatically
Karst Information Portal

Postcard Information

Format:
serial

Downloads

This item has the following downloads:


Full Text

PAGE 1

bre fraturas e um artigo histrico de Peter Slavec sobre a primeira explorao da gruta do Fartinho descrevendo um dos primeiros mergulhos em caverna do Brasil, realizado em 1972. O Desnvel Eletrnico pode ser baixado em pdf no seguinte endereo: www.upecave.com.br/desnivel/ Desnivel_2006_02.pdf Nmero 47, 28 de fevereiro de 2007 Cento e noventa metros foi o desnvel conquistado no abismo Los Tres Amigos, que passa a ocupar a 7 posio no ranking das mais profundas cavernas do Estado de So Paulo. Os trabalhos continuam e o potencial aponta para incremento de mais alguns metros, o que o colocaria entre os trs ou quatro maiores desnveis do Estado. O abismo Los Tres Amigos est inserido no sistema Ribeirzinho, Buenos-PETAR. Os levantamentos espeleolgicos da rea fazem parte do projeto Bulha D'gua/Buenos sob coordenao conjunta do GPME e do Bambu. Os trabalhos, que se realizam desde 2004, passaram por diversas fases de reconhecimento, mapeamento e prospeco, mas quanto mais se aprofundam as exploraes, mais complexa a rea se apresenta, revelando a todo tempo imbricado conjunto de sistemas de cavernas que, cada vez mais, contribuem coesa interpretao da evoluo do modelado do terreno, enriquecendo o entendimento das formas e processos geomorfolgicos do mosaico de dobramentos do Vale do Ribeira. O abismo Los Trs Amigos se desenvolve ao longo de uma imensaLos Tres Amigos atinge a cota -190m e passa a ser o 7 maior desnvel do Estado de So Paulo falha. Seu desenvolvimento preponderantemente vertical sendo poucos os patamares onde se pode caminhar. So dezessete pontos de ancoragem, fracionamentos e derivaes. Trata-se de um abismo bastante perigoso pelo volume de lama que, alm de dificultar a frenagem do equipamento na descida, favorece a abraso das cordas por conter inmeros cristais de calcita esfarelados em sua massa. A caverna apresenta uma grande diversidade de padres que vo de pequenas e estreitas passagens a sales com milhes de metros cbicos. No fundo, encontramos o rio Ribeirozinho na poro intermediria entre o sumidouro (Gruta Ribeirozinho II) e a sua ressurgncia (Gruta Ribeirozinho III). Foram necessrias 22h ininterruptas de trabalho para que o abismo fosse inteiramente instalado e mapeado. Duas equipes trabalharam simultaneamente, uma frente, instalando spits e planejando ancoragens, fracionamentos, derivaes, etc., e a segunda fazendo todo o levantamento topogrfico da gruta. Tambm foi feito o registro fotogrfico da expedio. A gruta no est esgotada: o conduto do rio ainda no foi mapeado e em uma breve explorao, identificamos diversas possibilidades de descobertas, como galerias fsseis, sales superiores, alm do conduto ativo, que continua. O prximo passo ser procurar uma possvel ligao entre as trs grutas, o que transformaria o sistema numa das maiores grutas do Vale do Ribeira, com potencial para alguns quilmetros de extenso. Muitas so ainda as questes a serem resolvidas e se em trs anos de projeto muitas foram as descobertas, maiores ainda so as dvidas. A pesquisa continua. Alezandre Camargo IscotiPor Allan Silas Calux Grupo Pierre Martin de Espeleologia AUPE, Unio Paulista de Espeleologia, lanou o sexto nmero de seu boletim eletrnico, Desnvel, referente ao perodo de Agosto a Dezembro de 2006. A edio de 26 pginas tem destaque para a expedio promovida pela UPE para Gois, em Julho de 2006, com diversos mapas coloridos e fo-Sexto nmero do Desnvel Eletrnico lanado tografias das cavernas da regio de Monte Alegre de Gois. H tambm inmeros outros artigos interessantes, como um planto mdico so-

PAGE 2

Epitcio Guimares, do Instituto Geogrfico e Geolgico (hoje Instituto Geolgico), um grande nome da espeleologia paulista e nacional, e a Pedro Comrio, por sua importante contribuio nos primrdios da espeleologia do Vale do Ribeira, sul do Estado de So Paulo. Espera-se que o evento venha a constituir um frum de produtivos debates, onde os participantes possam compartilhar experincias, promover o intercmbio de informaes e estabelecer novas parcerias em projetos de pesquisa. Desta forma, novos conhecimentos sero divulgados, visando um melhor entendimento do sistema para o planejamento estratgico das unidades de conservao e o uso sustentado de reas crsticas de interesse econmico. Maiores informaes em breve no site da Redespeleo Brasil: www.redespeleo.org.brConforme anunciado no ano passado, de 25 a 28 de Julho ser realizado no Instituto de Geocincias da Universidade de So Paulo, o Carste 2007 II Encontro Brasileiro de Estudos do Carste. Decorridos trs anos desde a sua ltima edio, o evento reunir mais uma vez cientistas e profissionais das reas espeleolgicas com o objetivo de promover uma avaliao do "estado da arte" do conhecimento cientfico relacionado aos estudos do Carste. Trata-se de um dos mais importantes eventos sobre carste e outros ambientes subterrneos no pas, e espera-se contar com a participao de pesquisadores e grupos de espeleologia de todo o Brasil. O evento contar com sesses tcnicas (comunicaes orais e psteres), mesas redondas, palestras e estandes para apresentao das pesquisas realizadas pelos grupos de espeleologia. Durante o evento ser realizado um Workshop de Biologia Subterrnea em comemorao aos 100 anos desde a descrio do primeiro troglbio conhecido de cavernas do Brasil, o bagre cego de Iporanga, Pimelodella kronei e tambm da publicao do romeno Emil Racovitza, intitulada "Essai sur les Problmes Biospologiques" (Ensaio sobre os problemas bioespeleolgicos), considerada o marco do incio da Bioespeleologia moderna. Por fim, o Carste 2007 ser dedicado memria do engenheiro Jos Carste 2007 II Encontro Brasileiro de Estudos do Carste ocorrer em So PauloAAES Associao dos Espelelogos de Sintra organizou nos ltimos dias 17 e 18 de Fevereiro, em comemorao ao seu 30 aniversrio, uma mega atividade espeleologica no maior macio calcrio de Portugal, na regio da Estremadura portuguesa. Em parceria com a FPE Federao Portuguesa de Espeleologia, a AES organizou durante os dois dias do evento, dezenas de exploraes nas grutas do macio calcrio, nos mbitos disciplinares da monitorao de morcegos, arqueologia, topografia, prospeco, desobstruo, reconhecimento e tambm algumas iniciaes na modalidade. Setenta e oito espelelogos de 15 grupos participaram do evento que se tornou um dos maiores acontecimentos espeleolgicos jamais realizados em Portugal. Estes eventos so uma oportunidade de intercmbio de experincias e aprofundamento do relacionamento entre os espele-Associao dos Espeleologos de Sintra, Portugal, completa 30 anos logos, cuja ao corporativa em campo assume uma importncia vital, para o desenvolvimento do conhecimento das regies crsticas, na defesa deste importante patrimnio natural. Contatos: AES : http://aesintra.org E-mail: aes@sapo.pt FPE http://www.fpe-espeleo.org/ E-mail: fpe@fpe-espeleo.org Pedro Pinto Expedio internacional na India ameaada por mineradoresUma expedio internacional rea de Meghalaya, na ndia, foi recebida com ameaas por grupos de mineradores de carvo. A expedio, composta por cerca de 40 integrantes de vrios pases, pretendia permanecer por cerca de um ms na rea. Aparentemente os mineradores sentiram-se ameaados devido a existncia de uma investigao sobre o impacto da minerao no patrimnio espeleolgico da regio. A situao no local tensa e a polcia recomendou aos espelelogos que interrompessem a expedio at que um acordo fosse estabelecido entre as partes. Os espelelogos, no entanto, se recusam a ceder s presses e pretendem no somente retomar os trabalhos na maior caverna da ndia como tambm prosseguir em sua luta para impedir a destruio das cavernas da regio. Fonte: The Telegraph 14/02/2007.

PAGE 3

Oltimo feriado de Carnaval reuniu 24 espelelogos dos grupos GPME e GEEPAungui no Petar. Diante das inmeras perspectivas de trabalho, foram constitudas diversas equipes que dirigiram seus esforos para as seguintes reas: regio da Passoca, onde foram mapeadas parcialmente 4 cavernas ligadas entre si por uma topografia de superfcie; regio do bairro Bethari, onde foi finalizada a topografia da interessante e enlameada caverna Gastozinho, que somou aproximadamente 400 m; regio de Itaoca, onde foi feito um trabalho de prospeco e explorao, com a localizao de duas pequenas novasFeriado propicia vrias frentes de trabalho no Petar cavidades; regio da Ona Parda, onde tambm foi feito um trabalho de prospeco e plotagem de trilhas e cavernas e, por fim, a regio de Adrianpolis, no Parque das Laurceas, onde o trabalho foi interrompido pelo mau tempo (veja mais informaes em artigo neste boletim). Importante mencionar que quase 50% dos participantes eram iniciantes e tiveram a oportunidade de por em prtica os conhecimentos transmitidos pelos membros mais experientes dos grupos. A formao de novos espelelogos demanda tempo e aplicao, mas a chave para garantir a perenidade da nossa atividade, e nada melhor do que aulas prticas para imbuir o esprito espeleolgico nos novatos. O feriado foi bastante produtivo e propiciou o entrosamento dos espelelogos que j esto no aguardo da prxima oportunidade para dar continuidade aos trabalhos iniciados.ARedespeleo Brasil tem o prazer de anunciar a mais nova revista espeleolgica brasileira. A revista BRASIL SUBTERRNEO ser o veculo de uma nova fase da espeleologia nacional. As mais recentes atividades dos grupos de espeleologia e tambm dos scios individuais da Redespeleo Brasil estaro l reportadas, conjuntamente com os temas mais importantes e atuais relacionados s nossas cavernas. A revista, de alta qualidade tcnica e editorial, pretende ser um referencial em relao produo espeleolgica brasileira. A divulgao e perenizao das atividades espeleolgicasRevista BRASIL SUBTERRNEO est em fase de elaboraoesto entre os principais objetivos da Redespeleo Brasil. A revista BRASIL SUBTERRNEO cumprir este papel, contribuindo para publicar informaes de alto nvel e relevncia que representem o atual estgio das atividades espeleolgicas praticadas no Brasil. A revista pretende ter ampla distribuio nacional e internacional, funcionando como uma vitrine sobre as atividades espeleolgicas no Brasil. Uma revista se faz com contribuies. Artigos e relatos sobre espeleologia podem ser submetidos revista. Informaes gerais sobre a revista podem se encontradas em: www.redespeleo.org/revista/ RESENHA 15 Aventuras Debaixo da Terra de Gautier Languereau, Ilustraes: Georges Pichard. Ed. Verbo 1981, 220 pg. Edio esgotada. Uma agradvel leitura, despretensiosa mas apaixonante. Para quem gosta de aventuras com um toque romntico dos "velhos tempos", esse livro nos traz contos protagonizados por ilustres espelelogos e tambm por ilustres desconhecidos. Entre eles, trechos da Epopia Troiana, a descoberta de Altamira, exploraes na Mammoth Cave, aventuras dos incomparveis espelelogos franceses Martel e Casteret. At mesmo Maurice Herzog e Jacques Cousteau so atores nestas 15 aventuras debaixo da terra, onde abandonamos o esprito cientifico e tcnico e nos entregamos ao deleite da aventura e do desconhecido... Infelizmente o livro encontrase fora de catalogo, mas pode ser encontrado eventualmente em sebos. Fica ai a dica...Por Roberto Brandi, GBPE DivulgaoPor Leda Zogbi GPMELeda Zogbi Uma conexo subaqutica entre o sistema Nohoch Nah Chich e o sistema Sac Actun no Yucatn mexicano transformou esta caverna (agora nomeada sistema Sac Actun) na mais extensa caverna subaqutica do planeta com cerca de 153 km de extenso. Fonte: Quintana Roo Speleological Survey 25/01/2007.Caverna mexicana se torna a mais extensa gruta subaqutica do mundo

PAGE 4

Uma equipe de sete espelelogos da UPE Unio Paulista de Espeleologia estiveram no PETAR, ncleo Caboclos entre os dias 20 e 28 de janeiro, para efetuar trabalhos na Gruta do Farto (SP-06) e Gruta Cabana (SP-108). Os objetivos na Gruta do Farto eram de fazer o re-mapeamento topogrfico da caverna e a sua documentao em vdeo de alta definio, testando um novo sistema porttil de iluminao. J na Gruta Cabana, a idia era de continuar os trabalhos de prospeco externa em busca do abismo do CAP que se conecta caverna e tambm buscar por fora uma grande clarabia que facilitaria o acesso s galerias finais da caverna. Devido s fortes chuvas que castigam a regio nesta poca do ano, a trilha at o Farto estava muito complicada e a queda de diversas rvores dificultou o acesso. Chegando, pudemos conferir o belo prtico da caverna que necessita de medioUPE realiza mapeamento e prospeco no PETAR apurada para conferir sua real dimenso. A gruta possui em seus trechos iniciais uma cachoeira em dois tempos que foi transposta sem maiores problemas. Porm, uma segunda Por Ricardo Martinelli UPE cachoeira, quase na ressurgncia da gruta bloqueou nossos trabalhos, no por seu desnvel, que foi transposto por um desceno lateral, mas pela grande quantidade de gua que caia em um pequeno poo. Com os macaces e as botas pesados de gua era impossvel cruz-lo. J na Gruta Cabana, foram trs dias intensos de prospeco. Com a ajuda do mateiro Gasto, a equipe acessou um vale repleto de grandes dolinas, cadastrando um novo abismo encontrado. Todo o caminho percorrido esta sendo utilizado para "mapear" o vale e ir agregando conhecimento para chegar famosa clarabia. Paralelamente s prospeces externas, est sendo desenvolvido um sistema de transmisso posicional para ser instalado dentro da caverna, bem abaixo da clarabia, de maneira com que, com um GPS comum, tenhamos condies de seguir seu sinal e localizar externamente o local. Ricardo Martinelli metalrgico localizado a centenas de quilmetros da regio, no municpio de Alumnio (SP). Alm deste fato, existe o real risco de que com a implantao da UHE de Tijuco Alto, outras usinas sejam implantadas pela CESP a jusante, causando a descaractarizao total da regio, inclusive com o alagamento de partes do PEL, comunidades quilombolas e cavernas. A expedio realizada, demontrou a necessidade da unio e a atuao conjunta dos grupos de espeleologia na defesa e conservao das cavidades naturais subterrneas, seus ecossistemas externos associados, alm de todo patrimnio material e imaterial envolvido. Dando continuidade ao projeto Krone, que busca a relocalizao das grutas cadastradas pelo naturalista alemo Richard Krone no incio do sculo XIX, ocorreu no feriado do Carnaval, uma atividade conjunta entre o GPME e o GEEP Aungui, em uma visita ao Parque Estadual das Laurceas (PEL) no Paran, na regio do Crrego Comprido. O objetivo da visita era confirmar se a Gruta do Saboroso (PR-0246) mapeada pelo GEEP-Aungui a mesma gruta descrita por Krone como "Gruta do Crrego Comprido", em seu "ndice das Cavernas e Grutas do Vale do Ribeira". De acordo com os dados cadastrais da caverna, a sua descrio e mapa, presumimos se tratar da mesma caverna. Devido a uma srie de fatores inerentes s dificuldades de acesso regio, alm de uma perigosa travessia do Rio Pardo, onde j ocorreram acidentes fatais inclusive com espelelogos, a atividade no pode ser concluda, mas dever ser retomada num perodo mais adequado. O PEL localiza-se no extremoO Parque Estadual das Laurceas e a Barragem Tijuco Alto nordeste da Regio metropolitana de Curitiba e engloba partes dos municpios de Adrianpolis, Tunas do Paran e Bocaiva do Sul, perfazendo um total de cerca de 30.000 ha de rea total, o Parque faz divisa ainda com os municpios de Barra do Turvo e Iporanga no estado de So Paulo, sendo a maior Unidade de Conservao (UC) Estadual do Paran. Devido a localizao do PEL, este possui num contexto global, uma importante funo de interligao ambiental com outras UC's paulistas como PETAR, P.E. Carlos Botelho, P.E. Faz. Intervales, P.E. do Jacupiranga e outras reas menores. A regio onde se localiza a gruta e o PEL encontra-se ainda na rea de influncia da implantao da Unidade Hidroeltrica (UHE) de Tijuco Alto, planejada para o alto curso do Ribeira de Iguape, entre as cidades de Ribeira (SP) e Adrianpolis (PR). Esta UHE pretende gerar 150 MW de energia, a qual seria utilizada exclusivamente pela Companhia Brasileira de Alumnio (CBA), empresa do Grupo Votorantim, que detm um complexo Leda ZogbiPor Maria Cristina Albuquerque GPME e Luis Fernando S. Rocha GEEP Aungui

PAGE 5

Aproposta de uma nova tecnologia aplicada iluminao apresentada pela ThSpIn representa um dos maiores avanos alcanados at hoje na polmica questo da substituio dos agressivos e ineficientes recursos em uso. O dispositivo batizado de LDS3DX promete ocupar definitivamente o lugar dos atuais sistemas de iluminao a base do txico gs acetileno, utilizado em grande escala pela espeleologia. Empregando o princpio da emisso estimulada de radiao, os pesquisadores introduziram o conceito Laser Diffusion System e apresentaram um prottipo de Headlamp com tecnologia capaz de gerar luz de alcance e autonomia at hoje impensveis. O LDS3DX apresenta-se como soluo completa: capaz de gerar luz difusa de longo alcance e alimentado por um sistema autnomo em energia, ou seja, no necessita de pilhas nem baterias. Apesar de tudo isso, o dispositivo deve custar mais barato que os mais modernos Headlamps atualmente disposio no mercado. O grande diferencial do LDS3DX que utiliza um laser em uma freqncia segura para gerar luz. A vantagem que a luz laser coerente, ou seja, as ondas ou partculas de luz (ftons) se movem juntas ao contrrio da luz comum que incoerente. A introduo do conceito Laser Diffusion System (Sistema de Difuso Laser) permite que um simples feixe de radiao coe-Nova tecnologia em iluminao est em fase de testesrente gere luz difusa de forma tridimensional sem perda de potncia ou intensidade que so controladas automaticamente pelo dispositivo conforme a necessidade de luz no ambiente utilizado, atuando como uma espcie de "lmpada laser" (o alcance pode variar dependendo do tipo de laser aplicado). Neste processo, o prprio sistema difusor o responsvel em gerar a energia necessria para o funcionamento do sistema de forma autnoma. A utilizao do laser como sistema de iluminao aplicado espeleologia permitir num futuro prximo a criao de Headlamps inteligentes dotados de capacidades sensoriais que podero por exemplo calcular dimenses dentro de uma caverna e ainda alertar o espelelogo sobre perigos eminentes como obstculos e abismos. Os testes com o LDS3DX esto previstos para o segundo semestre de 2007 com a construo de um novo prottipo denominado XDimension deve apresentar uma verso reduzida do Sistema de Difuso Laser. Apesar de simplificado, estima-se que o dispositivo gere luz difusa de alta potncia com um alcance aproximado de 2.000 metros e autonomia de 4.000 horas. O sistema deve estar disponvel no incio de 2008 para a segunda fase de testes e contar com o apoio de diversas organizaes espeleolgicas de todo o mundo. Fonte: www.thspin.org/ptb/ news_022.htm (fevereiro/07). Aps mais de trs anos editado com periodicidade de 15 nmeros por ano, o Conexo Subterrnea passar por modificaes estruturais. Com as novas medidas adotadas o quadro de colaboradores se ampliar consideravelmente. Na estrutura inicial, uma Comisso Editorial composta por seis espelelogos era responsvel por todas as fases do processo: recepo de notcias, coleta e traduo de notcias internacionais, reviso dos textos e da diagramao, etc. Na nova composio, quatro sero os grupos que atuaro na produo do peridico: Comisso Editorial, Correspondentes, Reviso e Diagramao. J esto definidas as pessoas que iro compor Comisso Editorial, Reviso e Diagramao. Est em estu-Conexo Subterrnea passa por reestruturaodo um quadro de correspondentes que em breve recebero convites da Comisso Editorial. O perfil editorial do boletim seguir a linha de sucesso que adotou, com artigos sintticos, objetivos, com contedo de rpida assimilao privilegiando a divulgao das atividades e acontecimentos nacionais. Distribudo a mais de 1000 endereos virtuais no Brasil e no mundo inteiro, o Conexo tornou-se uma importante fonte de informaes sobre as atividades realizadas em nosso pas e uma referncia nacional e internacional. Participe voc tambm: envie suas notcias para: conexo@redespeleo.com.br Lembre-se: s publicamos artigos de interesse da comunidade espeleolgica nacional. Todos os artigos devem ser previamente aprovados pela comisso editorial. Cientistas encontraram em cavernas na plancie de Nullarbor, no sul da Austrlia, uma coleo de fsseis de animais que viveram entre 400 mil e 800 mil anos atrs. Entre eles esto fsseis de 23 espcies de cangurus 8 delas, totalmente novas para a cincia. Os pesquisadores disseram revista cientfica Nature que encontraram ainda um fssil completo de Thylacoleo carnifex, um leo marsupial extinto. O chefe do estudo, Gavin Prideaux, disse Nature que o estado de conservao dos fsseis impressionante. No total, 69 espcies de vertebrados foram identificadas em trs reas da caverna que os cientistas passaram de chamar Cavernas Thylacoleo. H mamferos, aves e rpteis. Os cangurus variam de animais do tamanho de um rato a espcies de at 3 metros. Pesquisas indicam que o ambiente em Nullarbor era muito semelhante ao de hoje, uma regio de solo rido com pouco mais de 200 mm de chuva por ano. O que mudou significativamente foi a vegetao. Alguns cientistas acreditam que o principal fator para a extino dos animais de grande porte que habitavam a regio foram as mudanas climticas, com grandes oscilaes de temperatura e precipitao. Mas h uma outra teoria para o fenmeno, ligada presena humana. Diretamente pela caa, ou indiretamente pela transformao do ambiente, atravs de queimadas, os seres humanos podem ter provocado a extino desses animais de grande porte. A viso dos pesquisadores que descobriram os fsseis se enquadra mais nesta segunda hiptese. Fonte: BBC Brasil 25/01/2007.Fsseis de 69 espcies so descobertos em caverna da Austrlia Divulgao

PAGE 6

Os moradores de uma vila construda dentro de uma caverna no se interessaram pelas propostas governamentais de se mudarem para casas recm-construdas. As cerca de 20 famlias da vila de Zhongdong ("caverna do meio") na provncia de Guizhou pertencem minoria tnica Miao e vivem no local h mais de 50 anos sendo, na opinio de especialistas, os ltimos habitantes a viverem durante ano inteiro dentro de uma caverna na China. As casas oferecidas pelo governo so, segundo os "trogloditas", mal construdas e apresentam infiltraes na poca chuvosa. Os habitantes de Zhongdong vivem uma vida difcil, com a mdia salarial em torno de 10 dlares por ms para cada famlia. No h hospital e nem estradas, e para efetuar compras necessrio fazer uma caminhada de 5 horas. Apesar disto, o progresso lentamente tem chegado vila: eletricidade e escola chegaram recentemente, permitindo o contato dos moradores com o que ocorre no restante do mundo. Fonte: Scotsman.com 14/02/2007.Moradores de vila subterrnea na China recusam a se mudar Seis excursionistas faleceram por asfixia em uma caverna vulcnica na ilha de Tenerife (arquiplago das ilhas Canrias). O grupo de cerca de 30 pessoas se aventurou em um dos freqentes tneis desta ilha. medida em que o grupo se aprofundou na caverna, teores anmalos de gs carbnico e metano comearam a provocar nuseas e desmaios. Neste momento, um dos membros voltou para buscar socorro enquanto os outros integrantes prosseguiram o percurso na caverna, pois o grupo acreditava, equivocadamente, que a galeria dava acesso a outra sada no lado oposto da ilha. Em busca da sada, prosseguiram na caverna, encontrando trechos com ar e outros com gases txicos.Tragdia em gruta vulcnica nas Ilhas Canrias, Espanha Quando chegou, a equipe de resgate encontrou as pessoas j mortas a cerca de 2,4 km da entrada. Os sobreviventes foram transportados at o hospital. A tragdia deu-se, entre outros motivos, porque um guia, que estava sendo esperado, no compareceu. Os excursionistas decidiram prosseguir sem ele e entraram no tnel errado. Fonte: Dirio de Leon 15/02/2007. DivulgaoOguano de morcego, encontrado com freqncia em cavernas, se transformou recentemente em um rentvel investimento nos montes Taurus da Turquia. O preo do guano, utilizado como fertilizante em cultivos orgnicos, atingiu cerca de 5 dlares o kg em estado bruto e 25 dlares o kg quando processado. Vrias pessoas esto procurando obter licenas para retirar guanoGuano de morcego vale ouro na Turquiadas cavernas turcas. Com cerca de 40 mil cavernas, a Turquia possui uma reserva estimada de 5 a 6 milhes de toneladas de guano. Rico em nitratos, fsforo, potssio, clcio, magnsio e ferro, o guano um fertilizante natural bastante concentrado e por isso tem atingido um alto preo no mercado europeu. Fonte: Turkish Daily News 19/02/2007.As normas apresentadas pelo atual curador da Mapoteca Roberto Brandi no ltimo Workshop de Cadastro e Mapeamento de Cavernas em Belo Horizonte, foram aprovadas pelo Conselho Gestor e comunicadas aos scios da Redespeleo Brasil no ltimo dia 13 de fevereiro pela lista de discusses. O documento define os propsitos da Mapoteca Digital da Redespeleo, as informaes tcnicas relacionadas aos mapas l depositados e as Normas Gerais de funcionamento desse importante departamento da Redespeleo Brasil, que propicia a preservao do registro cartogrfico espeleolgico brasileiro e o auxlio s pesquisas. A principal regra da mapoteca que os mapas pertencem aos seus autores e no podem ser disponibilizados a terceiros sem que haja uma autorizao formal por parte dos autores. A listagem dos 1143 mapas depositados na mapoteca digital at o presente momento, incluindo municpio, Estado e autoria do mapa, pblica e est disponvel no site da Redespeleo Brasil. Veja as regras completas de funcionamento e consulte as cavernas registradas no link da mapoteca em: www.redespeleo.org.br/ Normas da Mapoteca Digital da Redespeleo so divulgadas Divulgao

PAGE 7

Um novo estudo divulgado recentemente compara o crnio da espcie humana apelidada de "hobbit" com o crnio de indivduos que sofrem de microencefalia, uma condio patolgica que causa a reduo do tamanho do crebro. O estudo concluiu que o crnio dos "hobbits" encontrados na ilha de Flores na Indonsia so altamente evoludos (embora menores que o dos Homo sapiens) e no guardam relao alguma com indivduos que padecem de microencefalia. Este novo estudo foi, no entanto, recebido com ceticismo por alguns dos pesquisadores que no acreditam que o denominado Homo floresiensis seja de fato uma espcie humana extinta h pouco mais de 10 mil anos. Este debate, que se prolonga desde a divulgao dos achados h dois anos, pode ser resolvido com a"Hobbit" de fato nova espcie, diz estudo retomada das escavaes. O governo indonsio autorizou o reincio das pesquisas na caverna Liang Bua aps anos de disputas polticas a respeito da guarda dos ossos. O mesmo grupo australiano que efetuou as descobertas tentar encontrar outros esqueletos e, principalmente, um crnio completo, de modo a comprovar definitivamente a nova espcie de homindeo. Fonte: BBC News 25/01/2007; Reuters ndia 30/01/2007. Um rob ir investigar as profundezas do cenote Zacatn, no Mxico, uma dolina alagada com cerca de 300 metros de profundidade. Zacatn ficou famoso no passado, no s devido sua profundidade, mas tambm por ter sido o local onde o famoso mergulhador americano Sheck Exley, considerado o melhor espeleomergulhador do mundo, perdeu a vida durante um mergulho profundo. O projeto, denominado DepthX (Deep Phreatic Thermal Explorer) objetiva estudar o ambiente profun-Rob ir explorar uma das mais profundas cavernas alagadas do mundo do do cenote, coletando amostras de gua e mapeando em trs dimenses o local. O rob tem cerca de 2 metros de dimetro e possui capacidade de efetuar vrias manobras. O projeto liderado pelo conhecido explorador americano Bill Stone. Segundo Stone, o rob DepthX poder, futuramente, ser utilizado para explorar lagos situados abaixo da camada de gelo na Antrtida e at mesmo para explorar lagos em outros planetas, j que capaz de funcionar em condies extremas. Fonte: The Tartan Online 22/01/2007. Divulgao Divulgao Cientistas tm sido impedidos, por mais de dois anos, de prosseguir pesquisa nas cavernas La Tetera e Arkenstone no estado americano do Arizona. A caverna de La Tetera era originalmente um pequeno orifcio impenetrvel que foi alargado artificialmente, permitindo a entrada dos espelelogos. Um grupo interdisciplinar de cientistas iniciou os estudos na caverna. La Tetera uma gruta particularmente apropriada, pois aparentemente no apresentava entrada natural e, portanto encontra-se muito bem preservada. A descoberta foi mantida em segredo at que um espelelogo descobriu, aps uma estreita passagem, um grande salo bem ornamentado contendo raras ossadas prhistricas de animais extintos. A nova descoberta "vazou" e setores do governo local, em cujas terras a caverna est inserida, tomaram cincia da caverna e inclusive percorreram partes da mesma em companhia dos espelelogos. Um comit foi formado para redigir um plano de ao e coordenar as atividades cientficas, mas foi rapidamente dissolvido por falta de verbas. Neste nterim, enquanto as autoridades no decidem sobre um plano oficial, todas as pesquisas foram suspensas e os cientistas foram obrigados a devolver anotaes, fotografias e quaisquer outros dados obtidos nas cavernas. O acesso permanece fechado e os cientistas temem que este atraso possa prejudicar os estudos nesta importante caverna. Fonte: www.azstarnet.com 31/01/2007.Cientistas so proibidos de pesquisar caverna nos Estados Unidos Comisso Editorial: Allan Calux, Augusto Auler, Ericson C. Igual, Leda Zogbi, Luis Fernando S. Rocha, Renata Andrade, Renata Shimura. Diagramao: Carlos H. Maldaner. Logotipo: Daniel Menin. Artigos assinados so de responsabilidade dos autores. Artigos no assinados so de responsabilidade da comisso editorial. A reproduo de artigos aqui contidos depende de autorizao dos autores e deve ser comunicada REDESPELEO BRASIL ( conexao@redespeleo.org ). O Conexo Subterrnea pode ser repassado, desde que de forma integral, para outros emails ou listas de discusso.ExpedienteDivulgao


Description
Bulletin of Redespeleo
Brazil.


printinsert_linkshareget_appmore_horiz

Download Options

close
Choose Size
Choose file type
Cite this item close

APA

Cras ut cursus ante, a fringilla nunc. Mauris lorem nunc, cursus sit amet enim ac, vehicula vestibulum mi. Mauris viverra nisl vel enim faucibus porta. Praesent sit amet ornare diam, non finibus nulla.

MLA

Cras efficitur magna et sapien varius, luctus ullamcorper dolor convallis. Orci varius natoque penatibus et magnis dis parturient montes, nascetur ridiculus mus. Fusce sit amet justo ut erat laoreet congue sed a ante.

CHICAGO

Phasellus ornare in augue eu imperdiet. Donec malesuada sapien ante, at vehicula orci tempor molestie. Proin vitae urna elit. Pellentesque vitae nisi et diam euismod malesuada aliquet non erat.

WIKIPEDIA

Nunc fringilla dolor ut dictum placerat. Proin ac neque rutrum, consectetur ligula id, laoreet ligula. Nulla lorem massa, consectetur vitae consequat in, lobortis at dolor. Nunc sed leo odio.