Conexão Subterrânea

Citation
Conexão Subterrânea

Material Information

Title:
Conexão Subterrânea
Series Title:
Conexão Subterrânea
Creator:
Redespeleo (Brazil)
Publisher:
Redespeleo (Brazil)
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Subjects / Keywords:
Regional Speleology ( local )
Genre:
serial ( sobekcm )
Location:
Brazil

Notes

General Note:
Nesta edição você saberá mais sobre os seguintes assuntos: - 2ª Expedição a Varzelândia, Ibiracatú e região desvenda 22 novas cavernas - Expedição Areado 2005 - Turista se fere gravemente em rappel no PETAR - Nova versão do Survex em fase de testes - Projeto estuda estocagem de CO2 no subsolo - Expedição mapeia caverna na Amazônia - Opinião: A questão da contaminação do córrego Furnas sem motivo para alarme e alarde - Corpo de espeleólogo húngaro é resgatado na Espanha - Iraquara será sede do I festival latino americano de vídeo ambiental - Prefeitura de Iporanga planeja criar área de preservação - Espeleólogo é condenado por porte de explosivos - Conjunto funerário é descoberto em caverna espanhola
Restriction:
Open Access
Original Version:
No. 24 (2005)
General Note:
See Extended description for more information.

Record Information

Source Institution:
University of South Florida Library
Holding Location:
University of South Florida
Rights Management:
All applicable rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier:
K26-01224 ( USFLDC DOI )
k26.1224 ( USFLDC Handle )
12615 ( karstportal - original NodeID )
1981-1594 ( ISSN )

USFLDC Membership

Aggregations:
Added automatically
Karst Information Portal

Postcard Information

Format:
serial

Downloads

This item has the following downloads:


Full Text

PAGE 1

Nmero 24, 15 de agosto de 2005 Entre os dias 16 e 24 de Julho de 2005 ocorreu a 2 Expedio a Varzelndia, Ibiracat e regio, que contou com o apoio da Prefeitura Municipal de Varzelndia e com a participao de 20 espelelogos dos grupos GPME Grupo Pierre Martin de Espeleologia, GBPE Grupo Bambui de Pesquisas Espeleolgicas, GEEP-Aungui Grupo de Estudos Espeleolgicos do Paran e ECA Espeleo Clube de Avar, alm de 6 convidados da comunidade local. Durante a expedio foram descobertas 22 novas cavernas, com destaque para a Lapa do Coqueiro no Povoado de Santa Rita, com desenvolvimento estimado em mais de 1 km. O foco dessa expedio foi o de percorrer a maior extenso possvel do carste para uma melhor compreenso2 Expedio a Varzelndia, Ibiracat e regio desvenda 22 novas cavernas regional. No total foram topografadas 11 cavernas, somando aproximadamente 2.500 metros de galerias mapeadas, valendo destacar a finalizao da topografia do conjunto Lapa da Fazenda / Pau D'alho I e II iniciadas em 2004. Tambm interessante ressaltar a Lapa da Pintura, localizada no Povoado de Lagoa de Cima, que, apesar de suas pequenas dimenses, possui um considervel painel de pinturas rupestres, infelizmente bastante danificado por pichaes. Alem das grutas descobertas e mapeadas, mais de 20 novas referncias deixaram de ser checadas por falta de Ericson Cernawsky Igual GPME Grupo Pierre Martin de EspeleologiaDando continuidade ao trabalho que est sendo desenvolvido pela UPE desde o ano passado aps a redescoberta da Gruta Areado, entre os dias 08 e 15 de julho foi realizada a expedio Areado 2005, que contou com a participao de 6 espelelogos da UPE e 1 companheiro do GESB. Durante esse perodo foram mapeados cerca de 1.000 m de galerias fsseis, e tambm foram descobertos alguns recantos interessantes, bem como uma nova entrada da Gruta Areado III. Esta gruta tem um grande potencial, e estimamos que possa ultrapassar os 6.000 m, j que restam ainda muitos sales em nveis superiores a serem verificados e mapeados. Pelas dificuldades encontradas na explorao, sabemos que sero necessrias diversas investidas at a concluso deste interessante trabalho. Prospectamos ainda as GrutasExpedio Areado 2005Areado IV e V. A Gruta Areado IV demonstrou ser muito maior do que imaginvamos, com diversos sales laterais e nveis superiores que ainda no foram devidamente explorados. A Gruta Areado V, nunca explorada anteriormente, tambm nos surpreendeu pelo seu desenvolvimento, que nos pareceu gigantesco. Ainda no foi possvel encontrar uma provvel "sada" da gruta, cuja explorao tambm apresentou dificuldades e riscos. Sero necessrias outras incurses para dar tempo. O resultado das expedies 2004 e 2005, de 37 grutas cadastradas na regio, um numero nfimo diante do imenso potencial verificado. Veja em www.gpme.org.br o mosaico de imagens de satlite em arquivo Track Maker, com parte das grutas plotadas.Marcelo Gonalves (Lagosta) UPE Unio Paulista de Espeleologia continuidade explorao, e o trabalho de mapeamento promete ser uma grande empreitada. A abertura de uma trilha de acesso mais rpida do que a que est sendo utilizada atualmente tambm seria de grande valia para a agilizao dos trabalhos nessa rea. Convm ressaltar que esta uma regio que j esteve bem prxima de um bairro e que foi utilizada para a lavoura. Abandonada h vrios anos, a rea est coberta por mata fechada. Detectamos que h felinos circulando muito perto das reas onde trabalhamos, utilizando inclusive as mesmas trilhas de acesso (veja foto de uma pegada). No prximo Desnvel Eletrnico, o informativo da UPE, estaremos disponibilizando um relato detalhado "dia a dia" da expedio, veja em: www.upecave.com.br. Carlos Grohmann Marcelo Gonalves

PAGE 2

Expedio mapeia caverna na Amaznia Entre os dias 30 de junho e 12 de julho, uma pequena expedio, financiada pela National Geographic Society, iniciou o mapeamento da Caverna Paraso, prxima a Itaituba/Rurpolis, Estado do Par. Cerca de 600 m foram mapeados e novas galerias foram exploradas. O potencial desta caverna calcria est estimado em pelo menos 2 km, o que a elevaria condio de maior caverna conhecida da Amaznia. A distncia e a difi-Turista se fere gravemente em rappel no PETAR No sbado 23 de Julho ltimo, um grupo de turistas estava fazendo rappel no abismo "Dvida Externa" (95m), na Gruta da gua Suja, PETAR, sul do Estado de So Paulo, quando, aproximadamente a 10 metros do solo, por um descuido da pessoa que estava dando segurana, ocupada em desemaranhar as cordas, uma turista de aproximadamente 28 anos que descia com um equipamento de tipo "8", perdeu o controle e caiu. Com a queda, houve fratura das duas pernas, sendo que uma delas exposta e, conseqentemente, muita perda de sangue. O acidente ocorreu aproximadamente s 16h, e somente s 22h30 ela foi retirada da caverna, com a ajuda do corpo de bombeiros de Apia e o apoio de 27 monitores locais. O resgate foi bastante trabalhoso e delicado e os bombeiros de Apia exigiram a presena de um mdico, que foi trazido de Iporanga, para acompanhar a remoo. A turista foi encaminhada para Pariquera-Au, onde foi operada, mas como sua situao estava crtica, ela foi removida para So Paulo de helicptero. Segundo informaes da diretoria do parque, a turista passa bem. O Sr. Antnio Modesto, diretor do PETAR, informou que est proibido o rappel no parque at que o Instituto Florestal defina novos procedimentos para esta prtica.Augusto AulerAugusto Auler Instituto de Geocincias UFMGNova verso do Survex em fase de testes Encontra-se disponvel para testes a verso 1.1-CVS do software para mapeamento espeleolgico Survex. Dentre os programas comumente utilizados para topografia de cavernas, o Survex ficou conhecido pela capacidade de lidar com grande volume de dados e pelo excelente fechamento de poligonais. A nova verso traz funcionalidades h muito esperadas pelos usurios, como a modelagem tridimensional dos condutos, a partir de dados de laterais, alm de diversas melhorias na interface grfica, comoPor Carlos Henrique Grohmann (Guno) e Toni Cavalheiro GPME comandos de mouse mais intuitivos e a possibilidade de gerar animaes. Esta implementao j resolve grande parte dos problemas do Survex, mas no todos. Na hora de exportar a linha de trena para um arquivo DXF, por exemplo, as laterais ainda no aparecem, o que dificulta o trabalho de produo do mapa final. No entanto, isto certamente ser resolvido em futuras verses do Survex. At o momento, o Survex 1.1 est disponvel somente para Linux. No entanto, Olly Betts, responsvel pelo desenvolvimento do software, j anunciou que em breve tambm ser lanada a verso para Windows. Mais informaes podem ser obtidas no site do projeto: www.survex.com culdade de acesso foram os principais limitadores do trabalho. Durante a expedio algumas outras cavernas de pequeno porte foram tambm cadastradas e mapeadas.Projeto estuda estocagem de CO2no subsoloUm projeto internacional coordenado por pesquisadores franceses est estudando a possibilidade de se estocar dixido de carbono (CO2) no subsolo. O projeto, com dotao oramentria de 1 milho de Euros, ter trs anos para estudar a viabilidade de se obter energia geotrmica em territrio alemo atravs da estocagem de CO2em cavernas e em antigas minas de carvo. F o n t e : www.futura-sciences.com 21/06/2005.

PAGE 3

Opinio Apossibilidade de contaminao ambiental por chumbo na regio do PETAR, mais especificamente no vale do rio Betari tem sido noticiada pela imprensa com grande alarde nos ltimos dias. Segundo notcias veiculadas inclusive pelo noticirio televisivo, o escorregamento do terreno que soterrou parte das instalaes da antiga mina Furnas seria a causa da ameaa. Uma caixa de concreto, recm-construda para armazenar rejeitos da mina, e tambm soterrada pelo escorregamento, estaria vazando, liberando chumbo no ambiente. De forma alarmista e sensacionalista, as notcias levam a concluir que h ameaa de contaminao da populao local e de 250 cavernas!!! Essas notcias no refletem a realidade e no h motivo para alarme e muito menos para alarde. Na verdade, o problema da contaminao foi pior no passado, estando provavelmente em diminuio nos dias de hoje devido ao isolamento da principal fonte poluidora. A mina Furnas foi aberta em 1919 e operou de forma descontnua at fevereiro de 1992. No passado, na ausncia de leis ambientais, no havia tanto cuidado com o meio ambiente, e blocos de rejeito contendo chumbo, cdmio, cobre, zinco, ferro, enxofre, prata e algum arsnio, estavam expostos ao tempo na margem direita do crrego Furnas. Estudo efetuado por Moraeset. al.(2002), com amostras coletadas em 1998, mostraram que, a 2 km a jusante da mina, os sedimentos do crrego Furnas apresentavam uma concentrao de chumbo 18,6 vezes maior do que o background regional (teor de fundo, normal para a regio, de 124,7 ppm). O cdmio e a prata tambm apresentaram, no mesmo ponto, valores acima do background. Isso significava que o crrego Furnas estava efetivamente contaminado e representava risco real para os organismos ali viventes. Peixes de fundo (bagres) do crrego Furnas tambm se mostraram contaminados. Porm, na mesma pesquisa, amostra coletada no rio Betari, 300 m a jusante da sua confluncia com o crrego Furnas, apresentou concentrao de chumbo apenas 1,1 vez acima dobackground. Desta maneira, a contaminao abaixo desse ltimo ponto era desprezvel, diluda pelo maior volume de gua e pela pouca mobilidade do metal nas condies fsico-qumicas da regio. Essa situao de abandono do rejeito perdurou por mais de uma dcada, enquanto a mina era operada pela CAF-Argentfera Furnas (at novembro/1989) e Plumbum Minerao e Metalurgia S.A. (novembro/1989 fevereiro/1992). A CETESB, que monitorava constantemente e rigorosamente a qualidade da gua que era bombeada do interior da mina, aparentemente no exigiu providncias da empresa mineradora para a remoo desse material. Aps o fechamento da mina, a Plumbum tentou remover o rejeito do local, sendo impedida pela CETESB, que levantou a hiptese de que o revolvimento do material poderia piorar a contaminao. Enquanto duravam as discusses sobre providncias a tomar, o rejeito l permaneceu at 2004, quando finalmente se decidiu que o seu isolamento numa caixa de concreto seria a soluo mais adequada. Portanto, a fonte poluidora principal j foi isolada, esperando-se a diminuio gradual da contaminao. Aqui, cabe observar que continuar a existir uma fonte secundria dos metais, natural, representada pelas guas que drenam o macio calcrio, passando por corpos de minrio de chumbo ainda no explorados, como ocorre em outras reas da regio. Por exemplo, no prprio rio Betari, acima da sua confluncia com o crrego Furnas, h pontos em que os sedimentos apresentam teores de 1.000 ppm de chumbo (8 vezes o background), em rea nunca minerada. Outro exemplo, o Morro do Chumbo, no corao do PETAR, onde nunca houve minerao, tem vrios files de minrio em suas encostas, que liberam chumbo ao ambiente. Veios de minrio pequenos e numerosos esto expostos ao do tempo em outras reas da regio e liberam os metais no meio ambiente, sem nenhuma interferncia humana. Isso vem ocorrendo durante milhares ou at milhes de anos. Nos dias atuais, no tem causado nenhum problema de sade pblica e nem mortandade de organismos aquticos, no representando motivo de preocupao.. Atualmente, para saber se houve vazamento da caixa de concreto, bastar escavar o local e efetuar os reparos necessrios. A soluo pode ser onerosa devido necessidade de escavao, mas simples. Quanto contaminao do crrego Furnas, provvel que nunca baixe ao nvel do backgroundregional devido s causas naturais e aos contaminantes j depositados no local; porm, a populao local e os turistas no tm nenhum motivo para preocupao ou alarme, visto que haver risco sade somente em caso de ingesto do sedimento ou dos peixes do crrego Furnas. Quanto possibilidade de contaminao das cavernas, bem pouco provvel que ocorra, pois o crrego Furnas passa sobre a caverna Santana, mas no perde gua para a mesma. Se perdesse, o crrego Furnas teria um sumidouro sobre a Santana. Nas demais cavernas, no h possibilidade de contaminao pela simples razo de que os contaminantes no so transportados contra a correnteza.R e f e r n c i a b b i b l i o g r f i c aMORAES, R.; GERHARD, P.; ANDERSSON, L.; SHIMADA, H.; STURVE, J.; RAUCH, S.; MOLANDER, S. Assessing Ecological Risks of Abandoned Lead Mines to Aquatic Fauna. Department of Environmental Systems Analysis, Chalmers University of Technology, ESA-Report 2002:3 (ISSN 1404-8167), Gteborg, Sweden 2002, 33 p. O texto original do trabalho acima pode ser obtido em formato PDF no site: www.esa.chalmers.se/publications (Srie ESA Reports).A questo da contaminao do crrego Furnas sem motivo para alarme e alardeHlio Shimada, DSc Gelogo, Pesquisador Cientfico do Instituto Geolgico SMA hshimada@igeologico.sp.gov.br

PAGE 4

C o m i s s o E E d i t o r i a l : Adriano Gambarini, Augusto Auler, Ericson C. Igual, Ezio Rubbioli, Leda Zogbi, Luis Fernando S. Rocha, Marcos O. Silvrio, Toni Cavalheiro. D i a g r a m a o : Carlos H. Maldaner. L o g o t i p o : Daniel Menin. Artigos assinados so de responsabilidade dos autores. Artigos no assinados so de responsabilidade da comisso editorial. A reproduo de artigos aqui contidos depende de autorizao dos autores e deve ser comunicada REDESPELEO BRASIL ( conexao@redespeleo.org ). Conexo Subterrnea pode ser repassado, desde que de forma integral, para outros e-mails ou listas de discusso. Caso no queira receber futuras edies do Conexo Subterrnea, favor enviar um email para: remover@redespeleo.orgExpediente Um juiz espanhol negou um indulto em benefcio de Joan Ojeda, espelelogo que planejava alargar algumas galerias durante uma explorao espeleolgica. Ojeda foi preso durante uma blitz em 1997 e portava substncias qumicas e material eletrnico com os quais pretendia alargar um conduto estreito que obstrua a passagem em uma caverna no macio de Garraf. Uma pena de 4 anos de cadeia, prevista para pessoas que tenham em sua possesso substncia explosivas, foi aplicada a Ojeda. Na prpria sentena de conde-Corpo de espelelogo hngaro resgatado na Espanha Em uma operao de resgate considerada entre as mais difceis jamais realizadas na Espanha, o corpo de um espelelogo hngaro de 28 anos foi removido da Torca del Cerro, a caverna mais profunda da Espanha e sexta mais profunda do mundo com -1569 m de desnvel. O explorador sofreu uma queda em um poo de 86 m a -372 m de profundidade. Cerca de 70 pessoas participaram do resgate, considerado extremamente difcil devido morfologia da caverna, caracterizada por galerias estreitas intercaladas com lances verticais. Este o segundo acidente fatal ocorrido em cavernas espanholas nos ltimos meses. Em maio um espelelogo caiu cerca de 80 m na Cueva de Motilla, falecendo devido a traumatismos cranianos e enceflicos na chegada ao hospital. F o n t e : La Nuova Espaa 25/07/2005 e Andaluca 24 horas 23/05/2005. Conjunto funerrio descoberto em caverna espanhola Um excepcional achado arqueolgico ocorreu na Cueva de Montanisell, na poro catal da Espanha. Trata-se de um conjunto funerrio intacto da idade do bronze (cerca de 3500 anos atrs) incluindo oito ou nove indivduos. Os vestgios encontram-se em timo estado de preservao devido ao fato da entrada da caverna ter sido obstruda aps a sua utilizao pelos povos primitivos. As pesquisas sobre o achado ainda encontram-se em fase inicial, mas existe a inteno de se fazer uma exposio em museu, pois a caverna em si no possui aptido turstica. F o n t e : Hispanidad 27/05/2005. Iraquara ser sede do I festival latino americano de vdeo ambientalEntre os prximos dias 12 e 15 de outubro, a cidade de Iraquara, na Chapada Diamantina (BA), ser palco do I Festival Latino Americano de Vdeo Ambiental. Como seria de se esperar, as cavernas e a espeleologia tero papel de destaque. Palestras, oficinas sobre o assunto, alm de uma categoria da mostra voltada para vdeos de caverna (Prmio Simpliciano de Oliveira Lima, o popular Lima da Lapa Doce, recm falecido) fazem parte da programao. Maiores informaes em: www.irdeb.ba.gov.br .Prefeitura de Iporanga planeja criar rea de preservaoAprefeitura do municpio de Iporanga, no vale do Ribeira (SP), tem a inteno de criar uma rea municipal de preservao para proteger algumas cavernas que esto fora dos limites do PETAR (Parque Estadual Turstico do Alto Ribeira). Esta rea teria cerca de 4.600 hectares e seria financiada por verbas provindas do Fundo Nacional do Meio Ambiente. A prefeitura planeja transformar a rea em uma unidade de conservao de uso sustentvel, de forma que as famlias que habitam o local no tenham que ser removidas. F o n t e : Folha de So Paulo 25/07/2005. nao o tribunal solicitava um indulto parcial, pois a lei espanhola no prev a posse de explosivos sem inteno de utiliz-los de forma criminosa. No entanto, o governo espanhol negou o indulto. Especialistas mencionam que o fato do indulto ter sido julgado exatamente no dia em que os atentados terroristas em Madrid completaram 1 ano pode ter sido decisivo para a manuteno da sentena, que todos consideram exagerada. F o n t e : El Peridico de Catalunya 29/05/2005.Espelelogo condenado por porte de explosivosDivulgao


Description
Nesta edio voc
saber mais sobre os seguintes assuntos: 2 Expedio a
Varzelndia, Ibiracat e regio desvenda 22 novas cavernas -
Expedio Areado 2005 Turista se fere gravemente em rappel no
PETAR Nova verso do Survex em fase de testes Projeto
estuda estocagem de CO2 no subsolo Expedio mapeia caverna
na Amaznia Opinio: A questo da contaminao do crrego
Furnas sem motivo para alarme e alarde Corpo de espelelogo
hngaro resgatado na Espanha Iraquara ser sede do I
festival latino americano de vdeo ambiental Prefeitura de
Iporanga planeja criar rea de preservao Espelelogo
condenado por porte de explosivos Conjunto funerrio
descoberto em caverna espanhola


printinsert_linkshareget_appmore_horiz

Download Options

close
Choose Size
Choose file type
Cite this item close

APA

Cras ut cursus ante, a fringilla nunc. Mauris lorem nunc, cursus sit amet enim ac, vehicula vestibulum mi. Mauris viverra nisl vel enim faucibus porta. Praesent sit amet ornare diam, non finibus nulla.

MLA

Cras efficitur magna et sapien varius, luctus ullamcorper dolor convallis. Orci varius natoque penatibus et magnis dis parturient montes, nascetur ridiculus mus. Fusce sit amet justo ut erat laoreet congue sed a ante.

CHICAGO

Phasellus ornare in augue eu imperdiet. Donec malesuada sapien ante, at vehicula orci tempor molestie. Proin vitae urna elit. Pellentesque vitae nisi et diam euismod malesuada aliquet non erat.

WIKIPEDIA

Nunc fringilla dolor ut dictum placerat. Proin ac neque rutrum, consectetur ligula id, laoreet ligula. Nulla lorem massa, consectetur vitae consequat in, lobortis at dolor. Nunc sed leo odio.