Conexão Subterrânea

Citation
Conexão Subterrânea

Material Information

Title:
Conexão Subterrânea
Series Title:
Conexão Subterrânea
Creator:
Redespeleo (Brazil)
Publisher:
Redespeleo (Brazil)
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Subjects / Keywords:
Regional Speleology ( local )
Genre:
serial ( sobekcm )
Location:
Brazil

Notes

General Note:
Nesta edição você saberá mais sobre os seguintes assuntos: - 1° Workshop: Manejo de Cavernas e Sistemas Cársticos - Uso Público - Novas cavernas são descobertas nas adjacências da Serra da Canastra - Reportagem divulga bioespeleologia no Brasil - Descoberto em São Desidério o maior salão subterrâneo do Brasil - Dia nacional da espeleologia é comemorado na França - Seminário sobre o Licenciamento Ambiental nas Areas Cársticas de Minas Gerais acontece em setembro - RESOLUÇÃO CONAMA no 347 de 10/09/2004 Dispõe sobre a proteção do patrimônio espeleológico - Importante caverna em Bermuda é ameaçada de destruição - Esqueleto antigo é descoberto em caverna subaquática - Turista argentino é encontrado sem vida em caverna no Laos
Restriction:
Open Access
Original Version:
No. 12 (2004)
General Note:
See Extended description for more information.

Record Information

Source Institution:
University of South Florida Library
Holding Location:
University of South Florida
Rights Management:
All applicable rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier:
K26-01236 ( USFLDC DOI )
k26.1236 ( USFLDC Handle )
12627 ( karstportal - original NodeID )
1981-1594 ( ISSN )

USFLDC Membership

Aggregations:
Added automatically
Karst Information Portal

Postcard Information

Format:
serial

Downloads

This item has the following downloads:


Full Text

PAGE 1

Nmero 12, 25 de outubro de 2004 AREDESPELEO BRASIL promover nos prximos dias 2 0 e 2 1 d e n o v e m b r o nas dependncias do Instituto Florestal (Rua do Horto, 931, So Paulo) o 1 Workshop: "Manejo de Cavernas e Sistemas Crsticos Uso Pblico". A idia deste workshop a criao de um frum de discusses em busca de um modelo de manejo espeleolgico adequado s especificidades regionais. Ele ser construdo na forma de uma oficina participativa tendo como metas a troca de experincias entre os profissionais da rea e a produo de uma proposta clara, eficiente e adequada realidade brasileira. Nos ltimos anos, algumas experincias de manejo espeleolgico foram realizadas no Brasil, mas ainda no foi possvel estabelecer um formato ideal de manejo. provvel que no exista um formato nico, considerando que as inmeras variveis presentes se combinam de modo muito complexo graas grande diversidade de caractersticas ambientais e socioeconmicas existentes em nosso pas. Tambm sero discutidas questes importantes como: quantas e quais cavernas devem ser abertas visitao pblica, quais so as particularidades que devem ser consideradas no diagnstico desses Leda Zogbi Novas cavernas so descobertas nas adjacncias da Serra da CanastraEntre os dias 09 e 12 de Outubro, 8 espelelogos dos grupos: GPME, Grupo Bambui de Pesquisas Espeleolgicas, Espeleo Grupo de Rio Claro e amigos de Campinas retornaram a So Roque de Minas MG, regio da Serra da Canastra. Um dos objetivos era encontrar e topografar a Gruta do Zeferino, tambm conhecida localmente como Gruta da Capivara, localizada na Fazenda Zeferino, prxima ao Vale do Rio Santo Antnio. Alm dessa gruta que foi relocalizada e topografada parcialmente, nos mesmos afloramentos calcrios foram topografadas as Grutas do Zeferino 2 e 4 e localizadas mais seis cavidades de pequeno porte. Os afloramentos esto dentro de uma ampla dolina, valendo destacar que, apesar das pequenas dimenses, elas formamPor Ericson Cernawsky Igual GPME Uma ampla reportagem de pgina inteira sobre bioespeleologia foi publicada na edio de maior tiragem (domingo) do jornal O Estado de So Paulo. Na reportagem os pesquisadores Eleonora Trajano, Pedro Gnaspini, Rodrigo Lopes, Maria Elina Bichuette e Edmundo Costa, discorum intrigante sistema de drenagem. Infelizmente, o mau tempo piorou o estado das estradas, impedindo a continuidade dos trabalhos.Reportagem divulga bioespeleologia no Brasilrem sobre a atual situao da bioespeleologia no Brasil. Segundo estes pesquisadores, apenas 1/3 das cavernas conhecidas no pas foram estudadas do ponto de vista biolgico. O Brasil, apesar de possuir poucas espcies troglbias quando comparado com outros pases, possui uma das maiores biodiversidades em peixes troglbios do mundo, atualmente com 18 espcies. A necessidade de estudar biologicamente o ambiente subterrneo enfatizada pelos pesquisadores, j que so estes estudos que habilitam a preservao deste frgil ecossistema. F o n t e : Estado de So Paulo 12/9/2004. ambientes, qual a melhor forma de aplicao ou possveis sugestes para o Termo de Referncia para o Manejo Espeleolgico CECAV-IBAMA, entre outras. Esse tema, ainda pouco desenvolvido no Brasil, est cada vez mais em pauta, e de extrema importncia, pois sem a definio de um padro de procedimentos coerente e consistente, o patrimnio espeleolgico corre srios riscos. Um amplo debate contando com os atores envolvidos no manejo espeleolgico em mbito nacional se faz necessrio. Participe voc tambm! Inscries on line no site da REDESPELEO BRASIL: www.redespeleo.org.br /manejo Mais informaes: manejo@redespeleo.org.br1 Workshop: Manejo de Cavernas e Sistemas Crsticos – Uso Pblico I n s c r i e s : R$ 60,00 Profissionais. R$ 45,00 Scios da Redespeleo. R$ 30,00 Estudantes O nmero de vagas limitado a 100 participantes.

PAGE 2

Descoberto em SoDesidrio o maior salo subterrneo do Brasil Omunicpio de So Desidrio, no oeste da Bahia, revela mais uma espetacular feio espeleolgica. Em recente viagem foi descoberto na caverna Garganta do Bacupari o Salo Coliseu que ocupa uma rea de 25 mil m2e pode ser considerado o maior do Brasil. O maior salo anteriormente conhecido possui cerca de 20 mil m2e localiza-se na Lapa dos Brejes, norte da Bahia. As exploraes na Garganta do Bacupari comearam em 2003 quando foram topografados cerca de 2 km de galerias que chegavam a mais de 90 m de largura. Neste ano, os trabalhos foram direcionados para oeste e, logo no primeiro dia, depois de 100 m em meio a uma galeria parcialmente camuflada por blocos abatidos, chegamos ao um grande vazio. As paredes ficam a centenas de metros de distncia e as reais dimenses do salo so difceis de serem percebidas. O piso coberto por pilhas de blocos abatidos sendo uma boa parte alagada. O teto (10 a 15 m de altura) formado por uma laje praticamente plana apoiada sobre paredes verticais que, em alguns locais, esto a mais de 200 m de distncia. Depois de dois dias inteiramente dedicados ao mapeamento do salo chegamos aos seguintes nmeros: rea: 25 mil m2; Permetro: 844 m; Dimenso mxima: 270 m. A continuao da gruta ainda revelou uma magnfica galeria com 40 m de largura e totalmente tomada por uma "floresta" de cones. O rio Joo Rodrigues ressurge de forma violenta formando uma srie de pequenas cachoeiras e corredeiras onde at possvel "navegar" com bias, em meio a esse labirinto de espeleotemas. Mais frente o teto abaixa de forma impiedosa chegando a um sifo, depois de 400 m. A gruta deve atingir 3,5 km de projeo horizontal sendo limitada em ambos os lados por sifes. A Garganta do Bacupari faz parte do sistema do modesto rio Joo Rodrigues em seus 11 km subterrneos. E no seria exagero afirmar que, neste trajeto, ele banha algumas das mais belas e grandiosas paisagens dentre as cavernas brasileiras. Desde sua cavidade mais a montante, a Gruta do Cato, at a ressurgncia no Poo do Surubim, as galerias chegam facilmente a 80 m de largura e abrigam espeleotemas raros em profuso. Barragens naturais formadas por abatimentos ou represamentos naturais proporcionam a formao de lagos enormes que inundam reas com mais de 10 mil m2(os trs maiores lagos subterrneos do Brasil fazem parte do sistema).Por Ezio RubbioliDia nacional da espeleologia comemorado na FranaNo ltimo sbado, dia 03 de outubro, foi comemorado na Frana o "dia nacional da espeleologia". Essa manifestao promovida pela Federao Francesa de Espeleologia, organizada pelos prprios grupos de espeleologia, e visa a divulgao dessa atividade, saindo do recorrente tema dos acidentes em cavernas, amplamente divulgados pela mdia. Em Lyon, o Comit local da FFS organizou uma "marcha luz de tochas" (na verdade, luz de carbureteiras), com a distribuio de prospectos sobre espeleologia e fornecendo algumas explicaes aos pedestres espantados. Alguns grupos de espeleo organizaram expedies de iniciao durante o final de semana todo. O grupo Vulcain organizou a visita a uma pequena cavidade descoberta em 1996. Cinqenta pessoas puderam fazer a travessia, passando inclusive por um poo de 11m, um quebra corpo e alguns espeleotemas e camadas geolgicas, que permitiram dar explicaes interessantes sobre a gnese da cavidade. Diversas pessoas compareceram com toda a famlia (inclusive crianas), depois de terem lido um artigo publicado no jornal local. Esse o segundo ano que o evento ocorre e j houve progresso com relao organizao.Florent Larzat Espeleoclub Vulcains, de Lyon DivulgaoSeminrio sobre o Licenciamento Ambiental nas Areas Crsticas de Minas Gerais acontece em setembroAFEAM convida a todos que se interessam pelos trabalhos em reas calcrias a participar do Seminrio sobre o Licenciamento Ambiental nas reas Crsticas de Minas Gerais. Fruto de uma demanda histrica do DNPM, IBAMA e FEAM, este evento representa a finalizao do Termo de Referncia que dever balizar os estudos ambientais a serem apresentados FEAM quando do licenci-Ezio Rubbioli amento de empreendimentos causadores de impactos ambientais em reas calcrias, sobretudo os de minerao. A realizao do evento ser nos dias 04 e 05 de novembro, no auditrio da FEAM Av. Prudente de Morais, 1671, Bairro Santa Lcia. Os interessados podem entrar em contato pelos e-mails julianas@feam.br (Juliana Cardoso) ou tiagot@feam.br (Tiago Abjaud).

PAGE 3

RESOLUO CONAMA no347 de 10/09/2004 Dispe sobre a proteo do patrimnio espeleolgicoPassados mais de dois anos de discusses sistemticas do Grupo de Trabalho para a reviso e atualizao das Resolues Conama 009/86 e 005/87, do qual participaram entidades pblicas e civis representativas dos setores mineral, ambiental e cientfico, foi finalmente aprovada a Resoluo no 347, publicada em 10/09/2004. Basicamente, essa "nova Resoluo Conama" vem instituir o Cadastro Nacional de Informaes Espeleolgicas-CANIE e estabelecer os procedimentos de uso e explorao do patrimnio espeleolgico nacional. Mais especificamente, pode-se dizer que so abarcados cinco grandes tpicos, todos de extrema importncia e alguns de grande polmica: a A instituio formal de um Cadastro Nacional de Informaes Espeleolgicas, que integrar o Sistema Nacional de Informao do Meio-Ambiente (SINIMA), num prazo de 180 dias da publicao; b A distino entre cavidade natural subterrnea relevante e no relevante para fins de licenciamento de atividades potencialmente impactantes, havendo necessidade de anuncia prvia do Ibama ao licenciamento dos casos que envolvam cavidade considerada relevante, com base no Estudo Prvio de Impacto Ambiental; c A consagrao da exigncia de um Plano de Manejo Espeleolgico para empreendimentos e atividades tursticas, religiosas ou culturais, orientado por um termo de referncia institucionalizado; d Maior detalhamento do procedimento de controle de pesquisas tcnico-cientficas que impliquem em coleta, ou que possam ser nocivas, ou ainda desenvolvidas por estrangeiros; e A previso de destinao de recursos de compensao ambiental para Unidades de Conservao de Proteo Integral em conformidade Lei SNUC (art.36), para as situaes em que haja dano ("alterao e degradao") sobre o patrimnio espeleolgico, sendo o dano e o valor do recurso definidos de acordo com a relevncia do patrimnio afetado e intensidade do impacto.Mylne Berbert-Born Servio Geolgico do Brasil-CPRMC o n s i d e r a e s Sobre a formalizao do Cadastro Nacional, a coletividade passa a ter acesso incondicional ao conhecimento do patrimnio que lhe legtimo, pressupondo-se o carter pblico das informaes. Alm disso, o cadastro dever estar provido das informaes sobre tudo aquilo que se refira a aes e decises sobre o patrimnio espeleolgico, garantindo a qualquer cidado o exerccio de controle que lhe cabe. Sobre a exigncia de um Plano de Manejo Espeleolgico para uso turstico-religioso-cultural, fica sanada uma antiga dvida: se haver uso turstico, religioso ou cultural, obrigatria a elaborao de um PME e no um EIARIMA; em se tratando de atividade potencialmente impactante (por induo, abstrados os casos de uso turstico, religioso ou cultural), obrigatrio o EIA-RIMA, no se aplicando o PME. No primeiro caso, o licenciamento de competncia do Ibama. No segundo caso, o licenciamento se dar na esfera estadual, sendo necessrio anuncia do Ibama quando o licenciamento envolver elementos relevantes do patrimnio espeleolgico. H f de que o termo de referncia que orientar o PME ter um bom fundamento tcnico, tendo em vista estar previsto que tal termo dever considerar as diferentes categorias de uso e as diferentes categorias de cavernas. Ressalte-se que as atividades desportivas no esto contempladas para licenciamento, o que dever gerar alguns conflitos de interpretao frente falta de uma melhor definio do que considerado uso turstico. Sobre o controle das atividades de pesquisa tcnico-cientficas, vale salientar que no est mais previsto o controle de outras atividades que no sejam de pesquisa, presumivelmente aquelas nas quais se envolvem as agremiaes espeleolgicas. Mas, to somente, das atividades de pesquisa tcnico-cientficas. Restar esclarecer o conceito de "pesquisa"... Restar, tambm, estabelecer por regulamento ordinrio qual ser a documentao exigida pelo Ibama e os procedimentos detalhados para a obteno das autorizaes de pesquisa, passo-apasso, a serem seguidos por ambas as partes, rgo e interessado. E, por fim, a polmica abertura ao licenciamento de atividades que venham causar alterao e degradao do patrimnio espeleolgico. A relevncia do patrimnio e o grau de impacto sobre ele (e da o montante da compensao ambiental) devero ser definidos a partir da anlise de critrios que esto listados no prprio corpo da Resoluo, a saber, critrios estes cujo carter ainda subjetivo do margem a anlises equivocadas, portanto, ao risco de dilapidao do patrimnio. Visando dar maiores garantias boa interpretao dos diferentes casos pelos rgos competentes, h um dispositivo (art.9o) criando um Grupo de Trabalho que dever apresentar, num prazo de 180 dias da publicao, critrios complementares, frmulas e padres para a caracterizao fiel da relevncia do patrimnio espeleolgico, os quais devero ser acatados no licenciamento. C o n c l u s o Talvez no haja momento mais importante do que este para o futuro das cavernas brasileiras, como tambm para a economia do setor da minerao de calcrio. Encontrar uma frmula matemtica para a justa valorao do patrimnio espeleolgico nacional, em suas especificidades individuais e regionais, um desafio que beira o impossvel. Mas h que se ter xito! Entretanto, no se deve perder de vista que estamos diante de um regimento no status de Resoluo. Ser necessrio debruar sobre dispositivos que, por serem contrrios e por terem maior fora legal, atualmente impedem a plena aplicao da Resoluo 347, especificamente o Decreto 99.556 de 01/10/90, art. 2o, o qual impossibilita a existncia de qualquer atividade que no possa assegurar a integridade fsica e o equilbrio ecolgico das cavernas ou de sua rea de influncia. O art.5o da Portaria Ibama 887 de 15/06/90 tambm precisar ser revisto. Por fim, todo o esforo dever convergir para a configurao de uma Lei. Duas verses antagnicas esto atualmente no Congresso Nacional (PL5071/90 e PL-2.832/03), que deveriam ser objeto de um acompanhamento mais interessado por parte da comunidade espeleolgica.

PAGE 4

C o m i s s o E d i t o r i a l : Adriano Gambarini, Augusto Auler, Ericson C. Igual, Ezio Rubbioli, Leda Zogbi, Luis Fernando S. Rocha, Marcos O. Silvrio, Toni Cavalheiro. D i a g r a m a o : Carlos H. Maldaner. L o g o t i p o : Daniel Menin. Artigos assinados so de responsabilidade dos autores. Artigos no assinados so de responsabilidade da comisso editorial. A reproduo de artigos aqui contidos depende de autorizao dos autores e deve ser comunicada REDESPELEO BRASIL ( conexao@redespeleo.org ). Conexo Subterrnea pode ser repassado, desde que de forma integral, para outros e-mails ou listas de discusso. Caso no queira receber futuras edies do Conexo Subterrnea, favor enviar um email para: remover@redespeleo.org Expediente Importante caverna em Bermuda ameaada de destruio AUm movimento internacional est sendo organizado para salvar da destruio a Wilkinson Quarry Cave, na ilha caribenha de Bermuda. Esta caverna, cuja nica entrada localiza-se em uma frente de lavra, foi descoberta em fevereiro de 2004 durante as operaes da lavra. A caverna no possua entrada natural. As primeiras exploraes mostraram uma caverna excepcionalmente bem decorada que terminava em um lago ao Turista argentino encontrado sem vida em caverna no LaosUm turista argentino que estava desaparecido h vrias semanas na regio calcria do Laos, sudeste asitico, foi finalmente localizado. O corpo de Javier Rubins estava a cerca de 7 km da entrada da caverna Tham Hoi. Espelelogos e grupos de espeleoresgate de vrios pases se movimentaram para tentar localizar o turista. No foram divulgados maiores detalhes sobre o ocorrido. F o n t e : Cavers Digest 5810.Esqueleto antigo descoberto em caverna subaqutica Espeleomergulhadores descobriram o que pode ser um dos mais antigos esqueletos humanos j encontrados na Amrica. Pesquisas em cavernas no identificadas na costa da pennsula de Yucatn (Mxico) revelaram pelo menos trs esqueletos a 800 m da entrada e a cerca de 22 m de profundidade. Segundo o autor das descobertas, Arturo Gonzalez, estes seres humanos entraram na caverna quando o nvel do mar estava mais baixo devido glaciao e portanto so necessariamente mais antigos do que 8.000 anos. Dataes preliminares em osso apontam para uma idade em torno de 13.000 anos. Se confirmada esta datao, este seria o esqueleto mais antigo, segundo o mtodo de datao direta (no osso) conhecido nas Amricas. F o n t e : CNN News 10/09/2004 nvel do mar. O dono da lavra pretende destruir a caverna e para isto j conta com pareceres de trs especialistas. O bioespelelogo e mergulhador norte americano Tom Iliffe, especialista nas cavernas da regio, esteve na Wilkinson Quarry Cave e atestou a importncia cientfica da mesma. Iliffe mergulhou e mapeou o lago, descobrindo um excepcional conjunto de helictites subaquticas sem paralelo em outras cavernas do mundo. Como um todo, tanto na parte subaqutica quanto na poro seca, a caverna profusamente decorada, embora vandalismos e exploses na lavra tenham j afetado a integridade de alguns espeleotemas. No lago Iliffe identificou quatro espcies troglbias, o camaro Typhlatya iliffei, o ostracode Spelaeoecia bermudensis, o ispode Arubolana aruboides e o mictceo Mictocaris halope. As quatro espcies so atualmente classificadas como "criticamente sob risco de extino" pela IUCN. Isto significa que se medidas imediatadas no forem tomadas, a espcie possui cerca de 50% de chance de se tornar extinta. Tom Iliffe pede apoio internacional para salvar a caverna. Mais informaes no site: www.tamug.edu/cavebiology/berm uda/quarry/wqcave.html Este site possui tambm filmes e fotos da caverna que podem ser baixados.Divulgao Divulgao


Description
Nesta edio voc
saber mais sobre os seguintes assuntos: 1 Workshop: Manejo
de Cavernas e Sistemas Crsticos Uso Pblico Novas cavernas
so descobertas nas adjacncias da Serra da Canastra -
Reportagem divulga bioespeleologia no Brasil Descoberto em
So Desidrio o maior salo subterrneo do Brasil Dia
nacional da espeleologia comemorado na Frana Seminrio
sobre o Licenciamento Ambiental nas Areas Crsticas de Minas
Gerais acontece em setembro RESOLUO CONAMA no 347 de
10/09/2004 Dispe sobre a proteo do patrimnio espeleolgico
- Importante caverna em Bermuda ameaada de destruio -
Esqueleto antigo descoberto em caverna subaqutica Turista
argentino encontrado sem vida em caverna no Laos


printinsert_linkshareget_appmore_horiz

Download Options

close
Choose Size
Choose file type
Cite this item close

APA

Cras ut cursus ante, a fringilla nunc. Mauris lorem nunc, cursus sit amet enim ac, vehicula vestibulum mi. Mauris viverra nisl vel enim faucibus porta. Praesent sit amet ornare diam, non finibus nulla.

MLA

Cras efficitur magna et sapien varius, luctus ullamcorper dolor convallis. Orci varius natoque penatibus et magnis dis parturient montes, nascetur ridiculus mus. Fusce sit amet justo ut erat laoreet congue sed a ante.

CHICAGO

Phasellus ornare in augue eu imperdiet. Donec malesuada sapien ante, at vehicula orci tempor molestie. Proin vitae urna elit. Pellentesque vitae nisi et diam euismod malesuada aliquet non erat.

WIKIPEDIA

Nunc fringilla dolor ut dictum placerat. Proin ac neque rutrum, consectetur ligula id, laoreet ligula. Nulla lorem massa, consectetur vitae consequat in, lobortis at dolor. Nunc sed leo odio.