SBE Antropoespeleologia

Citation
SBE Antropoespeleologia

Material Information

Title:
SBE Antropoespeleologia
Series Title:
SBE Antropoespeleologia
Alternate Title:
SBE Antropoespeleologia: Boletim Eletrônico da Seção de História da Espeleologia da SBE
Publisher:
Sociedade Brasileira de Espeleologia
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Genre:
serial ( sobekcm )

Notes

General Note:
Gruta de uma escrava morta no século XVIII vira ponto turístico - Kiev mostra Ucrânia de portas abertas ao mundo - Monastério de Taktshang - Túnel em Gaza - "Pseudo" resgate em caverna - Caverna no Monte Sant' Angelo - Roubo de patrimônio na Bósnia - Foto do Leitor: Montanha Nanos, Eslovênia.
Restriction:
Open Access - Permission by Publisher
Original Version:
Vol. 2, no. 22 (2009)
General Note:
See Extended description for more information.

Record Information

Source Institution:
University of South Florida Library
Holding Location:
University of South Florida
Rights Management:
All applicable rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier:
K26-03367 ( USFLDC DOI )
k26.3367 ( USFLDC Handle )
8621 ( karstportal - original NodeID )
1982-3630 ( ISSN )

USFLDC Membership

Aggregations:
Added automatically
Karst Information Portal

Postcard Information

Format:
serial

Downloads

This item has the following downloads:


Full Text
Description
Gruta de uma escrava
morta no sculo XVIII vira ponto turstico Kiev mostra
Ucrnia de portas abertas ao mundo Monastrio de Taktshang -
Tnel em Gaza "Pseudo" resgate em caverna Caverna no Monte
Sant' Angelo Roubo de patrimnio na Bsnia Foto do Leitor:
Montanha Nanos, Eslovnia.



PAGE 1

R S B E S B E Antropoespeleologia Boletim Eletrnico da Seo de Histria da Espeleologia da SBE Ano 2 N 22 15/07/2009 ISSN 1982-3630 GRUT A DE UMA ESCRA V A MORT A NO SCUL O XVIII VIRA PONTO TURSTICO 1 S B E S B E A n t r o p o e s p e l e o l o g i a O monumento das Marcianas dedicado a uma escrava que no sculo XVIII ser viu a famlia F eitosa tem se tornado uma atrao turstica em Arneiroz a 460 quilmetros de F ortaleza na regio dos Inhamuns T oda a movimentao em torno da gruta onde o monumento est edificado o stio Planalto a 12 quilmetros da sede do municpio por conta da fama de Marciana uma escrava que viveu por volta do ano de 1800 e que estaria fazendo milagres O local vem recebendo visitas de vrias pessoas que afirmam terem sido curadas Objetos so deixados na gruta em reconhecimento s graas alcanadas Segundo o historiador P az L oureiro a escrava Marciana morreu ao ser colocada de cabea para baixo em um juazeiro r vore da regio Ela ser via famlia F eitosa cuidando dos filhos da patroa Um dia o mais velho dos filhos resolveu pregar uma pea na escrava Em uma ocasio a escrava tinha nos braos um dos filhos menores da dona da casa F oi quando o filho maior arremessou um sapo na direo de Marciana que assustada soltou a criana no cho Ela terminou sendo castigada pela patroa e pendurada de cabea para baixo na r vore onde morreu L oureiro diz que com o tempo o povo passou a frequentar o local rezando pela alma da escrava L ogo foi erguida uma cruz no local e teve incio os pedidos de graas No demorou para aparecer algum garantindo ter sido atendido em suas aflies Atualmente a gruta tem se transformado em local de romarias e pontos de f e religiosidade mais populares dos Inhamuns Moradora do Stio Planalto a estudante Jardilene F eitosa Monteiro disse que estava com dificuldades na escola porm depois que foi gruta alcanou o que pediu T ambm a domstica Cicera P ereira Cavalcante de Natal diz que vai todos os anos ao local porque tem um filho que precisava fazer uma cirurgia do corao mas no havia soluo para o caso “ Quando vim a primeira vez ouvi as pessoas falando vim para a gruta e pedi a graa E alcancei ”, afirmou Ele diz que vai todos os anos ao local descala pagar a promessa Amaur y Alencar para O POVO ON-LINE KIEV MOSTRA UCRNIA DE PORT A S ABERT A S A O MUNDO T exto de Vivian Oswald Desde a R evoluo L aranja que levou centenas de milhares de pessoas s ruas quatro anos atrs para garantir a lisura das eleies presidenciais que prometiam mudar os rumos da nao a Ucrnia tem tentado se abrir para o mundo Sempre rumo ao Ocidente para frustrao dos russos uma relao de amor e dio A semelhana entre ambos em todos os aspectos indiscutvel At mesmo na cozinha P ratos tradicionais da culinria russa como o borsh a famosa sopa de beterraba tiveram origem do outro lado da fronteira na Ucrnia E as matrioshk as (bonecas de madeira que se tornaram um dos smbolos da Rssia) so encontradas nas ruas de Kiev como artesanato local Com 15 sculos de existncia Kiev lembra Moscou porm em dimenses mais humanas As avenidas no so to largas possvel enxergar os prdios do outro lado da rua por inteiro sem tomar grande distncia As vias so arborizadas As centenas de cpulas douradas das igrejas convivem com edifcios de arquitetura sovitica A cidade conseguiu preser var marcos de sua histria como um dos principais centros de peregrinao da igreja ortodoxa o L aura Kiev -P echersk

PAGE 2

2 S B E S B E A n t r o p o e s p e l e o l o g i a F undado no sculo XI o mosteiro tem reluzentes cpulas douradas de suas igrejas espalhadas ao longo de 28 hectares debruados sobre o Rio Dnipro O misterioso labirinto subterrneo que percorre um pedao significativo do Kiev -P echersk justifica o seu nome P echersk caverna Os tneis foram construdos pelos fundadores do mosteiro e seus seguidores Ali rezaram trabalharam e viveram Quando morreram seus corpos acabaram preser vados pela temperatura fria e seca tendo sido naturalmente embalsamados As mmias destes homens sagrados podem ser visitadas at hoje A entrada grtis mas preciso comprar uma vela na igreja Krestovozdvizhensk aya No h motivos religiosos por trs da exigncia Os exguos tneis que levam o visitante aos tmulos furados na pedra no so iluminados T oda a luz durante o longo e claustrofbico trajeto vem das velas Elas tambm ajudam a clarear a viso dos fiis que querem rezar junto aos monges mumificados D para entrar no Kiev -P echersk pela parte alta e sair pela baixa at chegar beira do Rio Dnipro L embaixo preciso caminhar em direo ponte para encontrar a estao de metr que recebeu o nome do rio Esta ltima no subterrnea e enquanto se espera o prximo trem pode-se contemplar a viso do rio e as duas belas esttuas soviticas viradas para a outra margem A Catedral de Santa Sofia a igreja mais antiga de Kiev F oi construda no sculo XI para comemorar a vitria do prncipe Y aroslav cujo tmulo mantido ali at hoje contra os pechenegues um povo nmade da sia Central Seu nome foi inspirado na Catedral de Hagia Sofia (Santa Sabedoria), de Istambul P or dentro as duas se parecem bastante A arquitetura bizantina desta catedral anunciava a nova autoridade poltica e religiosa de Kiev Boa parte dos afrescos originais ainda pode ser vista juntamente com os pedaos restaurados e as pinturas mais recentes A catedral considerada P atrimnio da Humanidade pela Unesco Do outro lado da avenida onde fica a Catedral de Kiev a imensa igreja azul de cpulas douradas reluzentes faz parte do mosteiro de So Miguel o patrono da cidade O estado de conser vao impecvel d a impresso de que nova e de fato a . T rata-se de cpia fiel da original destruda pelos soviticos em 1937. F oi reinaugurada em 2001. Mais adiante o velho funicular ainda leva locais e visitantes ao bairro de P odil No entanto mais agradvel descer pela rua Andriyivsky H quem chame esta ladeira de galerias de arte e antiqurios em prdios do sculo XIX de "Montmartre ucraniano". A igreja de Santo Andr, de 1754, do arquiteto italiano Bartolomeo R astrelli o mesmo que construiu o P alcio de Inverno de So P etersburgo No nmero 13 fica a casa onde viveu Mikhail Bulgak ov o escritor de "O mestre e Margarida", que ficou conhecido com um dos maiores romances russos do sculo XX Bulgak ov morou ali entre 1906 e 1919, antes de passar a ganhar a vida como escritor e de se mudar para Moscou onde teria boa parte de sua obra satrica censurada pelo regime comunista O GL OBO Igr eja da Santa T rindade no Monastrio de Lavra em Kiev Monges mumificados podem ser vistos nas cavernas de Lavra Ar quelogo trabalhando nas cavernas de Lavra

PAGE 3

MONA STRIO DE T AK TSHANG 3 S B E S B E A n t r o p o e s p e l e o l o g i a O Monastrio de T aktshang cujo significado "ninho do tigre", o mais famoso monastrio do Buto Est encravado num precipcio de 3.120 metros de altura cerca de uns 700 metros acima do vale de P aro 10 km da cidade de P aro T odos os sete templos do monastrio recm restaurado por causa de um incndio podem ser visitados mas a nica forma de chegar l a p ou de mula A paisagem do Buto a T erra do Rugido do D r a g o e s t s a l p i c a d a d e m o s t e i r o s e f o r t a l e z a s impressionantes em cima de montanhas imponentes De todos esses locais sagrados o Ninho do Tigre o mais visitado Sua histria remonta ao ano de 747 d .C quando se acredita que o Guru Rimpoche na forma do irascvel Guru Dorji Droloe voou at o alto da montanha nas costas de uma tigresa Durante trs meses ele se deixou ficar numa caverna meditando para amansar os espritos malvolos da regio As divindades vencidas passaram a ser as protetoras do local O Guru aclamado como o segundo Buda abenoou o Buto como o segundo K ailash (montanha sagrada no Tibet) e anunciou a chegada do Budismo ao Buto Antes dele seus habitantes adoravam os animais O monastrio como visto hoje foi construdo em 1692 em torno da caverna onde o Guru meditou Sofreu um incndio em 1998, mas foi inteiramente restaurado graas a ajuda do rei do Buto Jigme Singye W angchuk A trilha at o monastrio ladeada por bandeirolas que ensinam as oraes serpenteia por uma floresta de car valhos protegida por um dossel de pinheiros azuis e vrias espcies de rododendros fazem com que as montanhas do Buto paream enormes jardins na primavera M a t r i a e n v i a d o p o r M a r i a H e l e n a Ru b i n a t o R odrigues de Sousa para O GL OBO e aproximadamente a TNEL EM GAZA Ser vios de emergncia trabalharam para resgatar trs homens em um tnel sob a fronteira do Egito com Gaza aps ter d e s m o r o n a d o a f i r m a u m o f i c i a l d e segurana O tunel um dos muitos que ligam a fronteira do Egito com a cidade de R afah e so utilizados para contrabandear comida e combustvel T anto Israel quanto o E g i t o t e m b u s c a d o p o r f i m a e s s a s atividades desde o embargo estabelecido aps o Hamas ter chegado ao poder em 2007. No ltimo ano mais de 50 pessoas j perderam suas vidas nestes tneis por causa de acidentes Adaptado de AFP PSEUDO RESGA TE EM CA VERNA O C o r p o d e B o m b e i r o s d e K n o x v i l l e T ennessee Estados Unidos resgatou uma jovem de 19 a n o s d e u m a c a v e r n a prxima ao campo de golfe de Gettysvue De acordo com o portavoz dos Bombeiros a jovem no estava machucada e simplesmente no teve foras para sair da caverna sozinha As autoridades afirmam que ela e duas amigas entraram na caverna Quando saram para buscar os equipamentos verticais da garota os funcionrios do campo de golfe chamaram o resgate A operao durou cerca de 1 hora http://www .wbir .com

PAGE 4

4 S B E S B E A n t r o p o e s p e l e o l o g i a CA VERNA NO MONTE S ANT' ANGEL O Em meio ao P arque Nacional do Gargano s margens da Floresta Umbra Monte Sant' Angelo atrai o olhar do visitante desde longe pelas suas pequenas casas brancas colocadas em fila no vertente De l se goza de um sugestivo panorama sobre o golfo de Manfrednia O seu nascimento se coliga com a apario do Arcngelo Miguel em uma gruta no 8 de maio de 490 e de outras (492 e 493) que fizeram desse lugar um ponto de devoo e meta de peregrinao Depois da guerra greco-gtica (535553), os bizantinos dominaram a P uglia setentrional at a vinda dos longobardos os quais conseguiram anexar se nesse territrio no sc VII F oram esses ltimos a fazer de Monte San Michele um ponto de referimento religioso do prprio estado decretando assim o Santurio Nacional dos L ongobardos meta de peregrinos papas santos reis e imperadores Aqui terminava a via Sacra L angobarda que unia Mont Saint Michel na F rana Monte Sant'Angelo No a construo do Castelo depois ampliado pelos normandos O santurio saqueado pelos sarracenos em 871, como toda a P uglia teve que sofrer mais de um sculo de confrontos entre longobardos e bizantinos a fim de conhecer finalmente uma fase de paz com o incio do domnio dos normandos ( F oram eles mesmos a construrem as muralhas a fim de proteger o burgo e a magnfica T orre dos Gigantes Esses ltimos chegando no sul da Itlia comandados por Carlo I d'Angi a fim de derrotar os svevos e ajudar o P apa (1266), fizeram construir o Santurio de San Michele Arcngelo a fim de proteger a gruta onde houve a apario Monte Sant' Angelo e a sua fortaleza passaram depois aos prncipes de Durazzo e aos aragoneses (XV), os quais souberam elevar o castelo o seu antigo esplendor e o confiaram em 1497 a Consalvo da Crdoba do baronato da famlia Grimaldi em 1552 e assim permaneceu at 1802, ano pelo qual passou ao Cardinal Ruffo di Calabria por vontade dos Borboni Em 1861, depois do final do R eino das Duas Siclias pela inter veno sabauda e das tropas comandadas por Garibaldi a P uglia e Monte Sant' Angelo do R eino da Itlia A visita a esse burgo fascina e impressionvel a sua riqueza e densidade de obras arquitetnicas romnicas: partindo do Santurio de San Michele Arcngelo de onde possvel admirar a arte escultrica do arquidicono Acceptus (XII) ao lado da qual se tem a T orre dos Giganti Os restos da Igreja de S P ietro (XII) conser vados na T umba de R otari na realidade um Batistrio romnico dedicado a San Giovanni E ali perto possvel visitar a romnica Igreja de Santa Maria Maggiore (XII) com uma bonita fachada e afrescos no seu interior (XIIXIV) A visita ento se conclui no Castelo um testemunho incrvel de um passado distante (IX remanejado diversas vezes), de onde possvel admirar um panorama nico de toda a regio A mais ou menos dois quilmetros de Monte Sant' Angelo possvel visitar a Abadia de Santa Maria de P ulsano construda em 591 sobre os restantes de um templo pago dedicado ao herividente Calcante tornando-se sculo IX iniciou-se sc XI) O castelo j modificado sob o reino do normando R oberto o Guiscardo tambm com F ederico II e com os sucessores os svevos; tornou-se uma priso sob os angioinos (XIII). T ornou-se sede fizeram parte Localizao da r egio de Puglia, na Itlia

PAGE 5

F oto do leitor F oto do leitor 5 S B E S B E A n t r o p o e s p e l e o l o g i a Antes de imprimir pense na sua responsabilidade com o meio ambiente S B E A n t r o p o e s p e l e o l o g i a u m a p u b l i c a o e l e t r n i c a d a SBE Sociedade Brasileira de Espeleologia. T elefone/fax (19) 3296-5421. Contato : A reproduo deste per mitida, desde que citada a fonte. historia@sbe .com .br Comisso Editorial: L uiz Eduardo P T ravassos (Coordenador), Isabela Dalle V arela e R ose L ane Guimares R eviso : Delci Kimie Ishida T odas as edies esto disponveis em www .sbe .com .br L uiz T ravassos Filie-se SBE Sociedade Brasileira de Espeleologia Clique aqui para saber como se tor nar scio da SBE T el. (19) 3296-5421 Filiada R Unio Inter nacional de Espeleologia FEALC -Federao Espeleolgica da Amrica L atina e Caribe VENHA P ARA O MUNDO D A S CA VERNA S VENHA P ARA O MUNDO D A S CA VERNA S MONT ANHA NANOS, ESL O VNIA Foto: L uiz E.P T ravassos ROUBO DE P A TRIMNIO NA B"SNIA Homens desconhecidos r oubaram o esqueleto de um urso de 16 mil anos de antiguidade, o segundo maior achado no mundo, da caverna de Orlovaca, cer ca de 30 quilmetr os ao leste de Sarajevo. A agncia sr vio -bsnia "Srna" informou que se trata de um conjunto de ossos de valor ar queolgico incalculvel por per tencer ao segundo maior urso encontrado no mundo. As primeiras investigaes indicam que, na sexta-feira, os autor es do r oubo levaram os r estos do Ursus Spelaeus, descober tos em 2004 na caverna de Orlovaca. A P olcia sr vio -bsnia aler tou aos postos fr onteirios e pediu Interpol (P olcia internacional) um contr ole r eforado para impedir uma eventual tentativa de tirar do pas a descober ta ar queolgica. EFE


printinsert_linkshareget_appmore_horiz

Download Options

close
Choose Size
Choose file type
Cite this item close

APA

Cras ut cursus ante, a fringilla nunc. Mauris lorem nunc, cursus sit amet enim ac, vehicula vestibulum mi. Mauris viverra nisl vel enim faucibus porta. Praesent sit amet ornare diam, non finibus nulla.

MLA

Cras efficitur magna et sapien varius, luctus ullamcorper dolor convallis. Orci varius natoque penatibus et magnis dis parturient montes, nascetur ridiculus mus. Fusce sit amet justo ut erat laoreet congue sed a ante.

CHICAGO

Phasellus ornare in augue eu imperdiet. Donec malesuada sapien ante, at vehicula orci tempor molestie. Proin vitae urna elit. Pellentesque vitae nisi et diam euismod malesuada aliquet non erat.

WIKIPEDIA

Nunc fringilla dolor ut dictum placerat. Proin ac neque rutrum, consectetur ligula id, laoreet ligula. Nulla lorem massa, consectetur vitae consequat in, lobortis at dolor. Nunc sed leo odio.