Citation
SBE Antropoespeleologia

Material Information

Title:
SBE Antropoespeleologia
Series Title:
SBE Antropoespeleologia
Alternate Title:
SBE Antropoespeleologia: Boletim Eletrônico da Seção de História da Espeleologia da SBE
Publisher:
Sociedade Brasileira de Espeleologia
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Genre:
serial ( sobekcm )

Notes

General Note:
A furna cemitério indígena da Serra da Raposa - Centenas de pessoas participam do passeio à gruta - Centenas de fiéis comparecem à gruta na BR 116 - Povoados da idade do bronze na Europa - Bom Jesus da Lapa no século XIX - Esconderijo em gruta - Natividade de N. Senhora - Foto do Leitor: Caverna Vieng Xai, Laos.
Restriction:
Open Access - Permission by Publisher
Original Version:
Vol. 2, no. 25 (2009)
General Note:
See Extended description for more information.

Record Information

Source Institution:
University of South Florida Library
Holding Location:
University of South Florida
Rights Management:
All applicable rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier:
K26-03370 ( USFLDC DOI )
k26.3370 ( USFLDC Handle )
8624 ( karstportal - original NodeID )
1982-3630 ( ISSN )

USFLDC Membership

Aggregations:
Karst Information Portal

Postcard Information

Format:
Serial

Downloads

This item has the following downloads:


Full Text
Description
A furna cemitrio
indgena da Serra da Raposa Centenas de pessoas participam do
passeio gruta Centenas de fiis comparecem gruta na BR
116 Povoados da idade do bronze na Europa Bom Jesus da Lapa
no sculo XIX Esconderijo em gruta Natividade de N. Senhora
- Foto do Leitor: Caverna Vieng Xai, Laos.



PAGE 1

R S B E S B E Antropoespeleologia Boletim Eletrnico da Seo de Histria da Espeleologia da SBE Ano 3 N 25 15/10/2009 ISSN 1982-3630 1 S B E S B E A n t r o p o e s p e l e o l o g i a A FURNA CEMITRIO INDGENA D A SERRA D A RAPOS A Caminhada Santa do Par edo, Jaguariava. (Foto: Acervo Departamento de Comunicao da Secr etaria de Estado da Cultura do Paran) V anderley de Brito, Thomas Bruno Oliveira e Dennis Mota (Sociedade P araibana de Ar queologia) Em maro de 1958, o jornal de Campina Grande Dirio da Borborema a partir de uma matria intitulada: 'V erdadeiro cemitrio na serra da R aposa', inicia um levantamento jornalstico de uma ocorrncia arqueolgica no interior da P araba O conjunto de matrias noticia o achado de 23 esqueletos humanos numa furna no alto da serra da R aposa municpio de P ocinhos por um agricultor de nome Severino Alves numa 'caverna' de 5,5m de profundidade por 15m extenso cujos moradores locais atriburam este achado a astcia de cangaceiros que supostamente teriam ocultado ali vtimas de suas aes por estas terras enquanto outros acreditavam tratar -se de um antigo cemitrio de ndios O achado repercutiu no Estado e o comissrio de polcia de P ocinhos recebera um radiograma do Chefe de P olcia Dr Tiburtino R abelo de S, transmitindo instrues no sentido de no permitir a retirada das caveiras do local pois o prprio iria em breve com o Dr L eon Clerot competente estudioso de assuntos indgenas na P araba verificar o achado Dias depois segundo a equipe do jornal o chefe de polcia viera at a caverna acompanhado de legistas que fizeram exames na ossada declarando estar afastado a hiptese de crime T ambm estivera no local o delegado especial de polcia de Campina Dr F rancisco Maria F ilho designado para presidir o inqurito da descoberta Segundo suas declaraes estas ossadas deviam pertencer a vtimas do clera morbus entretanto L eon Clerot iria fazer o exame do solo da caverna pois no local fora encontrado um adorno de origem indgena o que favorecia teoria de tratar -se de restos mortais de antigos ndios P osteriormente o pesquisador Clerot esteve na referida furna e encontrou-a totalmente revirada por caadores de botijas e curiosos entretanto revolvendo a terra encontrou uma conta de colar em pedra verde per furada em sentido longitudinal comprovando tratar -se de um cemitrio indgena ou seja um stio arqueolgico pr-histrico A furna uma curiosidade espeleolgica formada por duas grandes rochas (de 16 metros de extenso) afloradas na meia encosta da Serra da R aposa estando uma de frente para a outra e uma destas obliquamente inclinada formando cobertura para um salo que se forma no inter valo entre as rochas No solo deste salo onde se encontravam as sepulturas restando ainda alguns poucos ossos humanos dispersos sobre o sedimento como testemunho de que ali havia um cemitrio amerndio tambm encontramos um fragmento de xido de ferro mineral largamente utilizado para a confeco de tinta vermelha para pinturas rupestres Apesar de estar totalmente revirado o solo da poca da descoberta este stio ainda pode trazer respostas arqueologia se uma nova escavao de resgate for efetuada no sentido de tentar enquadrar a cultura e a etnia dos ndios que outrora ali foram inumados Uma vez que a escavao efetuada pela polcia cientfica e o posterior resgate realizado pelo pesquisador L eon Clerot naquele distante final da dcada de 50, no foram devidamente documentados e nem se tem notcias do destino das assadas outro aspecto que no se sabe a real profundidade daquele sedimento e sendo assim podemos ter alguma estratigrafia preser vada o que pode fornecer informaes importantssimas para a compreenso do passado de nossa regio A furna ficou esquecida por 51 anos sem que outros estudiosos fossem ao local para uma reavaliao do achado T odavia uma equipe da Sociedade P araibana de Arqueologia composta pelos autores deste artigo resolveu tentar reencontrar o local e fazer um levantamento do atual estado deste nicho arqueolgico A expedio se deu no dia 11 de junho de 2009 e a equipe foi guiada pelo neto do antigo proprietrio das terras Sr Jos Guedes do Santos que na poca era ainda criana embora trouxesse recordaes “... daquele rebulio” daquele macabro achado fortuito

PAGE 2

2 S B E S B E A n t r o p o e s p e l e o l o g i a Gabriela P olli dos Santos Muitos fiis devotos de Nossa Senhora da Conceio Aparecida participaram do 25 P asseio Gruta do Quilombo no ltimo dia 12 de outubro segunda-feira em homenagem a P adroeira do Brasil Cerca de 700 pessoas percorreram o trajeto de aproximadamente 12 quilmetros de diversas formas a p, de bicicleta cavalo ou de charrete e at mesmo de carro para ver a imagem de Nossa Senhora da Aparecida que estava no altar da Gruta O vice-prefeito de Itupeva Jos L uiz Sai tambm esteve presente no local Uma celebrao catlica tambm foi realizada na Gruta pelo Dicono Maurcio da P arquia de So Sebastio de Itupeva que contou com a participao dos fiis que aproveitaram para pedir graas e a beno da Santa Mesmo com a forte chuva que caiu por algum tempo no foi o suficiente para terminar com a festa das pessoas que permaneceram no local aproveitando a alimentao feita pela Associao dos Amigos de Bairro do Quilombo com a venda de pastel espetinhos e bebidas tudo em prol da Associao A Diretoria de T urismo departamento responsvel pela organizao do evento estende o agradecimento a todos os funcionrios da P refeitura que formaram uma grande equipe para a realizao deste evento Jornal de Itupeva CENTENA S DE PESSO A S P ARTICIP AM DO P A SSEIO GRUT A CENTENA S DE FIIS COMP ARECEM GRUT A NA BR 116 R oupa de ginstica tnis confortvel gua para se hidratar Quem via as pessoas que passavam esta manh pela BR 116 poderia pensar se tratar da prtica cotidiana de atividades fsicas como uma caminhada ou ainda uma maratona Mas na verdade o que estas pessoas tm em comum a devoo Nossa Senhora Aparecida a padroeira do Brasil O dia de Nossa Senhora Aparecida tem origem em 1717, quando pescadores lanavam suas redes ao rio P araba do Sul sem sucesso Em determinado momento um dos pescadores apanhou em sua rede o corpo de uma imagem de Nossa Senhora da Conceio sem a cabea Ele jogou novamente a rede e desta vez pescou a cabea Os pescadores envolveram o achado em um leno e mais uma vez lanaram as redes finalmente obtendo uma pesca abundante A partir de ento a Santa passou a ser homenageada E a data escolhida para esta homenagem foi justamente 12 de outubro dia em que a imagem foi encontrada no rio E todos os anos nesta mesma data os fieis de toda a regio caminham quilmetros at esta gruta na BR 116, a fim de demonstrarem sua devoo santa Os carros fazem fila na rodovia para chegar ao local onde os fiis bebem a gua que mina aos ps da imagem acendem velas entoam oraes e canes pedem por bnos e agradecem as graas alcanadas Seu R aimundo P atrocnio da Silva prova da fora da Santa At de um acidente ele j se salvou por sua f junto a Nossa Senhora Aparecida “ F oi um acidente de nibus em que destruiu o nibus todo e ns escapamos sem um arranho” – relatou seu R aimundo Seu R aimundo um entre milhes de brasileiros devotos da Santa padroeira de nosso pas E cada um destes fiis j teve a vida tocada de alguma forma pela me de Deus por isso que hoje no dia de Nossa Senhora Aparecida presenciamos tantas demonstraes de f e amor como o caso da aposentada Dona Ins Helena de Jesus que fez a seguinte declarao apaixonada: “ A Santa tudo para mim felicidade minha sade” Super Canal http://www .tvsupercanal.com.br

PAGE 3

3 S B E S B E A n t r o p o e s p e l e o l o g i a PO V O ADOS D A ID ADE DO BRONZE D A EUROP A Um dos maiores povoados da Idade do Bronze conhecido na Europa contemporneo das guerras de T ria (cerca de 1200 a 800 a .C .), foi descoberto no sop da Serra do Risco concelho de Sesimbra Com cerca de 100 hectares o povoado est associado ao monumento da R oa do Casal do Meio escavado no incio dos anos 70 por K onrad Spindler (o primeiro arquelogo a estudar o Homem do Gelo ou tzi), do Instituto Arqueolgico Alemo e que uma referncia cientfica em toda a Europa Este foi um dos mais relevantes achados feitos pela equipe de arquelogos espelelogos alunos de belas-artes e de arqueologia das F aculdades de BelasArtes e de L etras da Universidade de Lisboa do Centre de Estudos e Atividades Especiais da Liga para a P roteo da Natureza e do Ncleo de Espeleologia da Costa Azul que durante os ltimos dois anos e meio percorreram o territrio do concelho para elaborar a Carta Arqueolgica de Sesimbra P ara alm do povoado as prospeces levaram ainda descoberta de uma placa de madeira com um texto em rabe datado de cerca de 1195-1199. Apesar da traduo do campo epigrfico ainda no estar completa estudos preliminares de arabistas indicam que estamos perante um escrito de cariz religioso com referncias expressas a Allah que ter sido escondido numa gruta em altura de grande instabilidade e insegurana militar O inter esse ar queolgico de Sesimbra O interesse arqueolgico pelo territrio de Sesimbra comeou muito cedo ainda durante o sculo XIX atravs de Carlos Ribeiro fundador do Museu dos Ser vios Geolgicos Mais tarde na dcada de 40, passaram por aqui dois grandes vultos da arqueologia: Henr y Breuil e George Zbyszewsky A partir de 1955, Eduardo da Cunha Serro desenvolve em Sesimbra um projeto de investigao com a colaborao de uma equipe de jovens arquelogos que resulta na primeira Carta Arqueolgica do concelho concluda em 1973 mas publicada apenas em 1994. Neste momento com os novos mtodos de investigao e as tecnologias disponveis a autarquia decidiu em parceria com um conjunto de entidades avanar para a nova Carta Arqueolgica A leitura da ocupao do territrio Com o trabalho realizado e cerca de 350 stios identificados hoje possvel entender as estratgias de ocupao do territrio de Sesimbra nos ltimos 40 mil anos P ara o P aleoltico pode obser var -se uma ocupao preferencial ao longo da Costa Sul enquanto no Mesoltico foi para a Costa Ocidental na rea do Meco As primeiras comunidades de agricultores do Neoltico procuraram as terras frteis abrigadas da Azoia Zambujal e terras do Risco No Calcoltico (III milnio a .C .), o homem utilizou as grutas para sepultar os seus mortos enquanto que na Idade do Bronze (II milnio a .C .) construiu grandes povoados como o do Risco talvez associados a um proto-estado que devia abarcar toda a Serra da Arrbida Na Idade do F erro (I milnio a .C .) escolheu pontos elevados e na poca romana (sc I-IV d .C .), no local da atual vila de Sesimbra construiu fbricas de preparados de peixe A partir do sculo VI d .C a Serra da Arrbida tornou-se lugar mstico para monges anacoretas cristos e a partir do sculo VIII para devotos muulmanos A investigao vai prosseguir aprofundando-se agora cada um dos temas e sobretudo procurando um aproveitamento turstico para esta narrativa do homem no concelho de Sesimbra atravs da criao de um parque temtico R ostos On-Line.pt

PAGE 4

4 S B E S B E A n t r o p o e s p e l e o l o g i a ESCONDERIJO EM GRUT A Smia F rantz Mais um tiroteio ocorrido por volta das 11h resultou na priso de F ernando Maicon Costa 25 anos na regio de Boqueiro do L eo Baleado na axila esquerda ele no revidou Com ele foi apreendida uma pistola calibre 40. De acordo com o delegado L uciano Menezes titular da DP de Santa Cruz o suspeito seria levado para o centro de operaes de Santa Cruz O homem teria passado a noite escondido em uma gruta na beira de um arroio A polcia procura por uma metralhadora .30 que teria sido jogada pelo suspeito no meio do mato conforme o tenente-coronel Edson L uiz Chaves Brendler comandante do 23 BPM de Santa Cruz do Sul A polcia est com dificuldades para localizar a arma por causa da cheia do arroio Cerca de 90 policiais entre militares e civis esto desde a madrugada de hoje cercando a regio num raio a p r o x i m a d o d e 1 2 q u i l m e t r o s c o m o i t o p o n t o s espalhados e realizando revistas em todos os carros que passam pelas barreiras Durante a tarde devem chegar ces farejados para ajudar na localizao dos criminosos O delegado acredita que seis ou sete suspeitos continuam embrenhados na regio — No sabemos que tipo de meliante que estamos lidando mas acreditamos que ele possa nos indicar pistas sobre a localizao do restante da quadrilha O cerco seguir armado pelo menos at esta noite segundo o coronel Chaves De acordo com ele os quatro veculos utilizados na fuga foram recuperados Um CrossF ox e uma P ajero foram localizados primeiro no local do primeiro confronto com a polcia O Gol preto foi abandonado em seguida e o segundo CrossF ox colidiu em um barranco e tambm foi abandonado de acordo com o coronel — O preso j nos passou informaes sobre o paradeiro de outros membros da quadrilha — indicou o comandante Com informaes de zerohora.com NA TIVID ADE DE N.SENHORA Thaysi Santos Catlicos de todo o mundo celebraram a F esta da Natividade de Nossa Senhora Em Jerusalm uma Missa solene aconteceu no local onde se acredita ter nascido a Virgem Maria Enquanto a festa de muitos santos celebrada na data de falecimento da Virgem Maria a Igreja celebra o dia de sua natividade 8 de setembro como sustenta a tradio "S grandes personalidades que ns celebramos a natividade e Nossa Senhora foi a grande personalidade da histria da humanidade porque trouxe Jesus para ns", disse frei Gilberto P iscitelli A Santa Missa presidida em francs por frei Stphane Milovitch OFM secretrio da custdia da T erra Santa foi celebrada na Igreja de Santa Ana no local onde teria sido a casa de Santa Ana e So Joaquim os avs de Jesus pais de Nossa Senhora A l m d e s a c e r d o t e s e r e l i g i o s a s d e d i v e r s a s congregaes da T erra Santa tambm participaram da Celebrao representantes do consulado da F rana j que hoje a Igreja pertence ao estado francs custodiada pela Congregao dos P adres Brancos A Igreja de Santa Ana famosa por sua tima acstica uma das poucas baslicas do perodo cruzado que ainda pode ser vista em seu formato original F oi construda no sculo XII sobre a gruta onde Maria teria nascido e vivido at os 12 anos antes de seguir para Nazar. Na parte de baixo da Baslica possvel contemplar a gruta onde a tradio afirma ter sido o local do nascimento da Virgem Maria com o cone que faz aluso a este evento sagrado E a poucos metros da Igreja est um grande complexo de runas arqueolgicas que correspondem ao que na poca de Jesus era chamada piscina de Betesda aqui Jesus teria curado um homem paraltico havia 38 anos (cf Jo 5,1-9). P adre Joseph Biholzer da Congregao dos P adres Brancos diz que o prprio lugar j convida os peregrinos orao por sua simplicidade caracterstica marcante da vida de Maria Cano Nova Notcias, T er ra Santa BOM JESUS D A L AP A NO SCUL O XIX A coleo Thereza Christina Maria composta por 21.742 fotografias reunidas pelo Imperador Dom P edro II (1825-91) ao longo de sua vida e por ele doadas Biblioteca Nacional do Brasil A coleo abrange uma ampla variedade de assuntos Documenta as conquistas do Brasil e dos brasileiros no sculo XIX e tambm inclui muitas fotografias da Europa frica e Amrica do Norte Em 1868, o fotgrafo Augusto Riedel acompanhou L uis Augusto Duque de Saxe genro do Imperador P edro II a uma expedio ao interior do Brasil A expedio visitou o santurio de Bom Jesus da L apa no estado da Bahia F rancisco de Mendona Mar fundou o santurio em 1691, na gruta de um morro ao lado do Rio So F rancisco Ao longo do tempo a rea desenvolveu-se de forma a incluir um hospital uma residncia para os pobres e mais tarde uma cidade que tambm era conhecida como Bom Jesus da L apa F otgrafo Riedel Augusto (1836-1877?) / Biblioteca Digital Mundial

PAGE 5

F oto do leitor F oto do leitor 5 S B E S B E A n t r o p o e s p e l e o l o g i a Antes de imprimir pense na sua responsabilidade com o meio ambiente S B E A n t r o p o e s p e l e o l o g i a Comisso Editorial: L uiz Eduardo P T ravassos (Coordenador), Isabela Dalle V arela e R ose L ane Guimares R eviso : Delci Kimie Ishida T odas as edies esto disponveis em u m a p u b l i c a o e l e t r n i c a d a SBE Sociedade Brasileira de Espeleologia. T elefone/fax (19) 3296-5421. Contato : A reproduo deste per mitida, desde que citada a fonte. historia@sbe .com .br www .sbe .com .br L uiz T ravassos Filie-se SBE Sociedade Brasileira de Espeleologia Clique aqui para saber como se tor nar scio da SBE T el. (19) 3296-5421 Filiada R Unio Inter nacional de Espeleologia FEALC -Federao Espeleolgica da Amrica L atina e Caribe VENHA P ARA O MUNDO D A S CA VERNA S VENHA P ARA O MUNDO D A S CA VERNA S AMPOL A S DE MEDICAMENTOS NA CA VERNA VIENG XAI, L A OS Foto: Liz P rice