Citation
SBE Notícias

Material Information

Title:
SBE Notícias
Series Title:
SBE Notícias
Alternate Title:
SBE Notícias: Boletím Eletrônico da Sociedade Brasileira de Espeleologia
Publisher:
Sociedade Brasileira de Espeleologia
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Subjects / Keywords:
Regional Speleology ( local )
Genre:
serial ( sobekcm )

Notes

General Note:
29º CBE: Trabalhos Aprovados - Gruta de Lancinha está mais protegida - UPE continua o mapeamento do Areado - Estudo analisa o voo dos morcegos - Deco Stop nº15 - Cachorro-do-mato-vinagre é avistado no Peruaçú - Foto do Leitor: Gruta Areado Grande III (SP-510).
Restriction:
Open Access - Permission by Publisher
Original Version:
Vol. 2, no. 51 (2007)
General Note:
See Extended description for more information.

Record Information

Source Institution:
University of South Florida Library
Holding Location:
University of South Florida
Rights Management:
All applicable rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier:
K26-03432 ( USFLDC DOI )
k26.3432 ( USFLDC Handle )
8686 ( karstportal - original NodeID )
1809-3213 ( ISSN )

USFLDC Membership

Aggregations:
Karst Information Portal

Postcard Information

Format:
Serial

Downloads

This item has the following downloads:


Full Text
Description
29 CBE: Trabalhos Aprovados Gruta de Lancinha est mais
protegida UPE continua o mapeamento do Areado Estudo
analisa o voo dos morcegos Deco Stop n15 -
Cachorro-do-mato-vinagre avistado no Perua Foto do
Leitor: Gruta Areado Grande III (SP-510).



PAGE 1

ISSN 1809-3213 R SBE SBE c s N o t i a c s N o t i a c s N o t i a c s N o t i a Boletm Eletrnico da Sociedade Br asileir a de Espeleologia 1 t s N o c ia t s N o c ia Ano 2 N 51 21/05/2007 UPE CONTINUA O MAPEAMENTO DO AREADO mesmas caractersticas de outr os patamar es j explorados, incluindo formaes raras como “dentes de co” em abundncia e um “travertino” gigante com 28 metr os de comprimento por 8 de lar gura. Na Gruta Ar eado Grande III (SP 510) foram topografados mais de 1.200 metr os de linha de tr ena, elevando assim seu desenvolvimento linear (soma das medidas de linha de tr ena) para 6.004 metr os. Os dados pr ocessados, 69 loops e 861 visadas, compr ovam a eficincia da metodologia aplicada pela UPE em seus levan-tamentos, a leitura criterio-sa dos instrumentos e a utilizao do prumo matem, sem exceo, o nvel de pr eciso dentr o dos critrios 5 (pr eciso de 1 para ngulos e 10cm para distncias). F oi feito ainda um levantamento pr eliminar do potencial biolgico da caverna pelo pessoal do BEC, sendo encontrado em BCR A um primeir o momento a fauna tpica da r egio. Um pequeno peixe foi fotografado, assim como a grande quantidade de Aeglas. Do ponto de vista paleontolgico, o salo dos ossos impr essiona e ainda permanece um mistrio. Apesar de existir uma pequena clarabia no quarto nvel das galerias, no se sabe ainda o motivo da existncia da grande quantidade de animais mortos naquela r egio da caverna. Nesta ltima investida, foram obser vadas mais de 15 ossadas de animais de pequeno porte, alm de outras ossadas maior es e fossilizadas. Novas investidas devem ser pr ogramadas pela UPE ainda este ano. Por Ricardo de Souza Matinelli (SBE 1308) Unio Paulista de Espeleologia UPE (G079) Entr e os dias 28 de abril e 01 de maio a esteve na r egio do crr ego do Ar eado Grande, no dando continuidade ao mapeamento e explorao no sistema ar eado, que hoje compr eende 5 cavernas. P articiparam da investida nove espelelogos, sendo sete da UPE e dois do Babilnicos Espeleo Clube (BEC). A conduto do rio foi totalmente topografado, sendo que um pequeno tr echo de mata, entr e as Grutas do Ar eado Grande III e IV tambm foi interligado com a linha de tr ena (seqncias de visadas medidas ligando os diversos pontos de uma topografia), grandes sales foram detalhados, assim como o quarto nvel das galerias superior es ento conhecidas. Novas exploraes r evelaram, em um local intermedirio da caverna, outra r egio com sales imensos, possuindo as UPE PET AR R i c a r d o M a r t i n e l l i Formao dentes de co Areado R i c a r d o M a r t i n e l l i Preparao para uma das medidas da linha de trena GRUTA DE LANCINHA EST MAIS PROTEGIDA Denncia de degradao ambiental encaminhada pela SBE e Grupo Espleo V otuverava apr esenta bons r evultados. Segundo a denncia apr esentada aos r gos competentes (estaduais e nacionais) e divulgada no uma estrada vicinal que passa sobr e a Gruta de Lancinha era utilizada por veiculos pesados (caminhes) para a r etirada ilegal de lenha da r egio. “Com a dencia encaminhada a SBE, par ece que algumas pessoas daqui se incomodaram...“, r elata o V otuverava. Aps visita do ao local, a Secr etaria Municipal do Meio Ambiente instalou limitador es de altura nas estradas. “ Acr editamos agora que, com uma fiscalizao eficiente, o pr oblema de desmatamento foi 90% solucionado” afir-ma um integrante do grupo. SBE Notcias n28 CECA V 29 CBE: TRABALHOS APROVADOS Acaba de ser divulgada no site do congr esso a r elao dos trabalhos apr ovados. So mais de 50 trabalhos apr ovados para apr esentao em plenria ou painel nos mais diversos campos do estudo de cavernas e r egies crsticas. Alm do nmer o significativo de trabalhos, o congr esso j contabiliza mais de 130 congr essistas inscritos antecipadamente e a participa o de pesquisadosr es de outr os sete pases da Amrica Latina, Caribe e Eur opa. Atendendo a pedidos, o evento est r ecebendo inscries a pr eos r eduzidos at VEJA A LIST A COMPLET A DOS TR ABALHOS APRO V ADOS www .sbe.com.br/29cbe.asp 31/05/2007 INSCREV A -SE J 29 CONGRESSO BRASILEIRO DE ESPELEOLOGIA SEE 70 ANOS Mantendo a chama acesa desde 1937! 07 a 10/06/2007 Our o Pr eto MG R Realizao Organizao

PAGE 2

2 t s N o c ia t s N o c ia ESTUDO ANALISA O VOO DOS MORCEGOS A r evista sobr e mer gulho tcnico, lanou mais um nmer o. Esta edio traz onze matrias, sendo duas r elacionadas ao espeleo -mer gulho:. A VENTURA NO SERTO DO RIO GRANDE DO NORTE : A primeira mina alagada aberta visitao de mer gulhador es foi a Mina da P assagem em Mariana, MG. Na edio n11 da Deco Stop, lanada em abril de 2006, Gabriel K atter integrante do DSX e Aldemar Arajo exploraram outra mina, desta vez no Rio Grande do Norte. Um ano depois, a Deco Stop volta ao local para apr esentar as atraes e a estrutura de mer gulho local. Confira este, que mais um ponto de mer gulho indispensvel aos amantes do mer gulho em caverna. AS NOVIDADES DA CHAP ADA DIAMANTINA: Depois de ter a visitao r egulamentada, as cavernas da Chapada Diamantina vem sendo exploradas e novas atraes esto apar ecendo. Acompanhe este grupo de mer gulhador es durante uma explorao que r esultou em surpr esas formidveis para os mer gulhador es de cavernas. Fonte: Rodrigo Collucini 23/04/2007 Deco Stop DECO STOP N15 Movimento de asas dos mamfer os totalmente difer ente do das aves, r evela estudo. Os animais foram filmados em tnel de vento cheio de 'neblina' e luzes de laser Sem a chance de usar as penas para facilitar seu vo, os mor cegos desenvolveram sua prpria soluo "tecnolgica" para se tornar em mquinas voadoras hbeis, afirma um Em alguns momentos, os bichos praticamente viram do avesso as asas para conseguir um vo ener geticamente eficiente. Os cientistas sempr e se per guntaram estudo publicado na r evista "Science" do dia 11 de maio como os mor cegos conseguem manobrar de forma to pr ecisa no ar sem algumas das vantagens das aves, como penas que se abr em para deixar o ar passar durante a batida de asas. P ara entender como os mor cegos voam to bem sem essa "apar elhagem", a equipe liderada por Anders Hedenstrm, da Universi-dade L und, na Sucia, usou uma espcie peque-na que se alimenta de nc-tar o mor cego Glossophaga soricina. Em experimentos, o bicho foi posto para voar numa instalao permea-da por uma nvoa e por feixes de laser que permitiam aos cientistas ver a interao entr e as asas do bicho e o ar A anlise das imagens permitiu compr ovar que os bichos geram vrtices ("r edemoinhos") especficos de ar em torno de suas asas, chegan-do a virar parte delas do avesso durante o vo. O truque permite que, mesmo com poucas batidas de asas, eles permaneam no ar de forma eficiente. Fonte: G1 1 1/05/2007 CACHORRO-DO-MATO-VINAGRE AVISTADO NO PERUA r o -do -mato -vinagr e est em pr ocesso de extino por causa das queimadas, do desflor estamento e da ao humana. A lista das espcies ameaadas de extino da fau-na do estado de Minas Gerais, publicada em 1995, inclui 178 espcies. Atualmente, a r elao est sendo r evista por uma equipe de trabalho formada por diversos r epr esentantes de Universidades do Estado, F undao Biodiversitas e IEF SPEOTHOS VENA TICUS Este rar o e misterioso animal foi r egistrado cientificamente pela primeira e ltima vez em Minas Gerais em 1840, nas pr o ximidades de Belo Horizonte, bacia do Rio das V elhas. Na poca, foi estudado pelo naturalista dinamar qus P eter L und que o denominou cientificamente Speothos venaticus. Os ndios o chamam de cachorr o -do mato -vinagr e, como janauira. Este carnvor o de hbitos diurnos o menor dos ces silvestr es do Brasil. Originalmente, distribua-se por quase toda a Amrica do Sul, desde a fr onteira da Colmbia com o P anam at Santa Catarina. Atualmente, no Brasil, pode ser encontrado em flor estas de mata atlntica, como no P ar que Estadual Inter vales (SP), em campos midos no cerrado, como no P ar que Nacional das Emas (GO), e no P antanal. O P ar que Estadual V er edas do P eruau, localizado no municpio de Januria, abriga um complex o de ver edas e lagoas. A vegetao do P ar que a Caatinga, o Cerrado e as flor estas, geralmente matas ciliar es r esponsveis pela conser vao do curso das guas do Rio P eruau. A fauna rica e diversificada, com destaque para a ocorrn-cia de ‘lobos-guar', ‘antas', ‘onas par das', ‘tamandus-bandeira', e ‘jacars', dentr e outr os. H mais de 250 pssar os catalogados no interior do par que, entr e eles a ‘maritaca' e o ‘quem-quem'. Fonte: IEF 10/05/2007 L eia artigo de Clio Murilo Car valho V alle sobr e o cachorr o -do -mato -vinagr e As setas mostram a movimentao do ar com o bater das asas D i v u l g a o / S c i e n c e Um grupo de cachorr os-do -mato vinagr e, ou ‘ Janauiras' foi avistado por tcnicos do Instituto Estadual de Flor estas (IEF) no no norte do Estado. O Speothos venaticus no era obser vado em Minas Gerais desde 1840 e em, 1995, foi oficialmente consi-derado como "pr ovavelmente extinto". A descoberta foi feita pelo dir etor de Biodiversidade do IEF Clio Murilo Car valho V alle, e pelo ger ente da unidade de conser vao, Joo R oberto Barbosa de Oliveira. No dia 22 de maro de 2007, eles r ealizavam, com uma equipe de tcnicos e guar das par ques do IEF uma vistoria de r otina na r ea da unidade de conser vao quando um grupo de seis animais passou corr endo em fr ente aos obser vador es. Segundo Clio V alle, os animais foram vistos prximos cidade de Cnego Mari-nho, "cheios de vida e caando na bor da dos Chapades". "F icamos atnitos e, pelo inesperado de sua apario no foi possvel foto-graf-los, mas foram documentados seus rastr os deixados na ar eia da estrada como assinaturas de sua pr esena ou passagem", afirma Clio V alle. O dir etor do IEF explica que o cachor P ar que Estadual V er edas do P eruau T rilhas deixadas pelo grupo de januiras C V a l l e

PAGE 3

3 sbe@sbe.com.br : www .sbe.com.br SBE Notcias Comisso Editorial uma publicao eletrnica da SBE-Sociedade Brasileira de Espeleologia T el/fax. (19) 3296-5421 Contato: Marcelo A. R asteiro e Barbara E. P F R odrigues T odas as edies esto disponveis em A reproduo deste permitida, desde que citada a fonte. Antes de imprimir pense na suaresponsabilidadecom o meioambiente Apoio: Visite Campinas e conhea a Biblioteca Guy-Christian Collet Sede da SBE. Filie-se SBE S o c i e d a d e B r a s i l e i r a d e E s p e l e o l o g i a C l i q u e a q u i p a r a s a b e r c o m o s e t o r n a r s c i o d a S B E T e l ( 1 9 ) 3 2 9 6 5 4 2 1 Filiada t s N o c ia t s N o c ia R Unio Internacional de Espeleologia FEALC-Federao Espeleolgica da Amrica Latina e Caribe 19 a 26/07/2009 15 Congresso Internacional de Espeleologia UIS K err ville, T exas, EU A www .ics2009.us 23/06/2007 P alestra: Aranha marrom, um aracndeo troglfilo Sede SBE Campinas-SP www .sbe.com.br/aber ta.asp 07 a 10/06/2007 29 Congresso Brasileiro de Espeleologia (CBE) Ouro P reto -MG www .sbe.com.br/29cbe.asp C A M P I N A S P R I M E I R O O S Q U E M A I S P R E C I S A M P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E VENHA P ARA O MUNDO D A S CA VERNA S VENHA P ARA O MUNDO D A S CA VERNA S 29/07 a 04/08/2007 5 Congresso FEALC e 1 Congresso FEPUR Aguadilla, P or to Rico www .speleocongreso2007.org As edies i m p r e s s a s esto disponveis para consulta na Biblioteca da SBE Os arquivos eletrnicos podem ser solicitados via e-mail. Boletim Mitteilungen 53(2), V erb. Dt. Hhlenu Karstforscher : Abr/2007. Boletim VISO La Vie Souterraine 1, Groupe Splologique Luxembourge ois: 2005. Boletim Espeleotemas 4,5, Espeleo Club Almera: Abr/1994Out/1995. Boletim Mundos Subterrneos 5, 6, 7, 8, 9, Unin Mexicana de Agrupaci ones Espeleolgicas: 1994-1998. R evista Deco Stop 15, RC Editora: F ev-Abr/2007. N ovas Aquisies Um estranho no ninho Data: 04/2007 Autor: Ricardo de Souza Mar tinelli (SBE 1308) UPE (G079) Gruta Areado Grande III (SP -510): Desenvolvimento Linear 6.004 m Apia SP PET AR A gruta integra o Sistema Areado que est em processo de explorao e topografia pelos inte-grantes da Unio P aulista de Espeleologia (UPE) V eja matria na pgina 1. 2 9 C O N G R E S S O B R A S I L E I R O D E E S P E L E O L O G I A o maior e mais tradicional evento de espeleologia do Brasil Inscreva-se J! O u r o P r e t oM G 0 7 a 1 0 / 0 6 / 2 0 0 7 MAIS INFORMA'ES : www .sbe.com.br/29cbe.asp Man de sua f oto com n ome data e local par a: sbe@sbe .com.br R i c a r d o d e S o u z a M a r t i n e l l i