SBE Notícias

Citation
SBE Notícias

Material Information

Title:
SBE Notícias
Series Title:
SBE Notícias
Alternate Title:
SBE Notícias: Boletím Eletrônico da Sociedade Brasileira de Espeleologia
Publisher:
Sociedade Brasileira de Espeleologia
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Genre:
serial ( sobekcm )

Notes

General Note:
Aranha marrom foi tema de palestra na SBE - SIGEP abre chamada de artigos para seu III volume - Atlas das maiores cavernas do mundo - Homo erectus: a comédia de Rifkin - MPF pede interdição do bondinho da Gruta de Ubajara - Morcego com raiva é nocivo por pouco tempo e deve ser preservado - Civilização de 5 mil anos em SC - Completando o genoma neandertal - Foto do Leitor: Lapa de Antônio Pereira (MG-1649).
Restriction:
Open Access - Permission by Publisher
Original Version:
Vol. 2, no. 55 (2007)
General Note:
See Extended description for more information.

Record Information

Source Institution:
University of South Florida Library
Holding Location:
University of South Florida
Rights Management:
All applicable rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier:
K26-03436 ( USFLDC DOI )
k26.3436 ( USFLDC Handle )
8690 ( karstportal - original NodeID )
1809-3213 ( ISSN )

USFLDC Membership

Aggregations:
Added automatically
Karst Information Portal

Postcard Information

Format:
serial

Downloads

This item has the following downloads:


Full Text
Description
Aranha marrom foi tema
de palestra na SBE SIGEP abre chamada de artigos para seu III
volume Atlas das maiores cavernas do mundo Homo erectus: a
comdia de Rifkin MPF pede interdio do bondinho da Gruta de
Ubajara Morcego com raiva nocivo por pouco tempo e deve ser
preservado Civilizao de 5 mil anos em SC Completando o
genoma neandertal Foto do Leitor: Lapa de Antnio Pereira
(MG-1649).



PAGE 1

ISSN 1809-3213 R SBE SBE c s N o t i a c s N o t i a c s N o t i a c s N o t i a Boletm Eletrnico da Sociedade Br asileir a de Espeleologia 1 t s N o c ia t s N o c ia Ano 2 N 55 01/07/2007 agr essivas. A maioria dos acidentes ocorr e dentr o de casa, quando a aranha comprimida contra o corpo da vtima, em toalhas de banho, sapatos, dentr o de r oupas e na cama. A picada do gner o L o x osceles (aranha Marr om) indolor e a leso local praticamente imper ceptvel no momento. Inchao e vermelhido so per cebidos aps 8 horas da picada, podendo ocorr er dor e febr e. O veneno induz a uma variedade de efeitos biolgicos, como leses graves na pele, incluindo dermonecr ose e efeitos generalizados que afetam vrios r gos do corpo. Existem dois quadr os: o lo x oscelismo cutneo que ocorr e normalmente no local da picada, e o cutneo -visceral a urina torna-se escura e pode evoluir para insuficincia r enal e, em alguns casos, morte. O tratamento especfico feito com o sor o anti-aracndeo, por via endovenosa, devendo ser feito at 36 horas aps o aciden-te. Os antibiticos esto indica-dos quando houver infeco. O sor o pr oduzido com venenos extrados da aranha armadeira, aranha marr om (L. gaucha) e escorpio amar elo, e no muito eficaz em alguns casos, visto que grande parte dos acidentes ocorr e com a espcie L. Laeta. Dra. Rute demonstr ou, ainda, o pr ocesso de coleta do veneno da aranha para pr oduo do sor o. Com o esvaziamento da glndula de veneno, obtm-se apenas15 micr ogramas de veneno. No Brasil, das dez espcies de aranha marr om conhecidas, existem trs de maior importncia mdica, as que causam maior nmer o de acidentes: L. gacho, ocorr e no estado de So P aulo e tem o veneno menos txico das trs; L. intermdia, ocor-r e nos estados do P aran e Santa Catarina e se r epr oduz com facilidade; e L. laeta, ocorr e desde o Canad at a Ar gentina, tem o veneno mais txico e uma facilidade de r epr oduo surpr eendente. Cer ca de 3.000 casos de envenenamento por essas aranhas so r egistrados a cada ano no Brasil, e a forma de ao do veneno no homem no est totalmente esclar ecida, o que impede que um tratamento efetivo seja estabeleci-do, da a importncia das pesquisas. A Dra. Rute enfatizou que o Laboratrio de Imu-noqumica tem trabalhado no sentido de elucidar os mecanismos molecular es envolvidos na gnese das r eaes locais e sistmicas induzidas pelo veneno dessas ara-nhas, com o objetivo de contribuir para a construo das bases cientficas para tera-puticas mais eficientes para o tratamento do lo x oscelismo. O pr edador natural da aranha marr om a lagartixa, encontrada andando por par edes e tetos das casas. P orm, a lagartixa vem sendo dizimada com o avano urbano e, por desconhecimento, muitas pessoas as matam sem saber que so inofensivas e benficas. P or isso o grande nmer o de casos de acidentes com aranha marr om que, sem pr edador es, se r epr oduz descontr oladamente. Por Elvira Maria Branco (SBE 1331) UPE Unio Paulista de Espeleologia (SBE G079) No dia 23 de junho, a Dra. Rute Maria Gonalves de Andrade, biloga, entomolo-gista e pesquisadora cientfica do Laborat-rio de Imunoqumica do Instituto Butantan (em So P aulo), apr esentou a palestra “ Aranha Marr om: um aracndeo tr oglfilo comum nas cavernas do Brasil” na XXI edio do 'SBE de P ortas Abertas'. A pesquisadora falou sobr e as caractersticas dessa aranha, como o veneno age no corpo huma-no, os tratamentos disponveis e como pr evenir acidentes. A aranha marr om a menor aranha dentr e as mais perigosas, com corpo de sete a doze milmetr os. Apr esenta tons que vo do marr om clar o at o escur o e a caracterstica principal o fato de possuir somente seis olhos (a maioria das aranhas possui oito). Algumas possuem o desenho de uma estr ela no cefalotrax. O macho tem corpo menor e pernas mais alongadas. P r oduzem teias irr egular es e tm hbitos noturnos, passando desaper cebidas pelo homem. Durante o dia se escondem sob cascas de r vor es, folhas secas e fendas em cavernas, ou atrs de mveis, quadr os, em stos e garagens. Apesar de ser em venenosas, no so ARANHA MARROM FOI TEMA DE PALESTRA NA SBE Dra.Rute Palestra bastante didtica L i n d a G E l D a s h A aranha marrom adulta mede de 7 a 12 mm Na prtica: aps a palestra a Dr Rute demonstr ou os procediment os de coleta no jardi m em frente SBE L i n d a G E l D a s h L i n d a G E l D a s h

PAGE 2

2 t s N o c ia t s N o c ia SIGEP ABRE CHAMADA DE ARTIGOS PARA SEU III VOLUME do Livr o da SIGEP contou com a descrio de 58 stios or ganizados segundo captulos individuais, de autorias diversas, r epr esentando ocorrncias pontuais ou ainda uma r egio mar cada por diversas ocorrncias r epr esentativas. Esses stios foram classificados de acor do com as seguintes categorias: P aleontolgico, P aleoambiental, Sedimentolgico, Geomorfolgico, Marinho, gneo, Espeleolgico, Histria da Geologia e Astr oblema. O encaminhado para a publicao, conta com 24 artigos r efer entes a stios tambm classificados pelo seu tipo mais significativo, integrando as seguintes categorias: Astr oblema, Espeleolgico, Estratigrfico, Geomorfolgico, Hidr ogeolgico, Histria da Geologia e da Minerao, gneo, Marinho, P aleoambiental, P aleontolgico e Sedimentolgico. Agora a comisso SIGEP est fazendo a chamada para artigos e captulos do V olume III de Stios Geolgicos e P aleontolgicos do Brasil. Mais informaes sobr e a chamada em: V olume II www .unb.br/ig/sigep/destaques Por Angelo Spoladore (SBE 1457) Representante da SBE na SIGEP A Comisso Brasileira dos Stios Geolgicos e P aleobiolgicos ( ), comisso esta ligada UNESCO foi instituda em 1997 com o pr opsito de efetivar os trabalhos r efer entes a Conveno Internacional adotada pelo Brasil em 1989, juntamente com outr os 110 pases, visando r econhecer e pr eser var os stios culturais e naturais em mbito mundial, de inter esse excepcional e de tal valor universal que sua pr oteo considerada ser de r esponsabilidade de toda humanidade. A principal atribuio da SIGEP elencar os stios brasileir os indicados para compor a lista de P atrimnio Mundial Cultural e Natural, apoiada no ger enciamento de um banco de dados nacional, em atualizao permanente, e disponibilizado em meio ele-trnico na forma de artigos cientficos biln-ges (ingls/portugus) elaborados por especialistas que trabalharam nas r eas dos stios cadastrados. A SIGEP constituda por r epr esentantes das seguintes instituies: Academia Brasileira de Cincias SIGEP ( ABC ); Associao Brasileira p ara Estudos do Quaternrio ( ABEQUA ); Dep art amento Nacional de Produo Mineral ( DNPM ); Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renovveis ( IBAMA ); Instituto do Patrimnio Histrico e Artstico Nacional ( IPHAN ); Servio Geolgico do Brasil ( CPRM ); Sociedade Brasileira de Espeleologia ( SBE ); Sociedade Brasileira de Geologia ( SBG ); Sociedade Brasileira de Paleontologia ( SBP ); Petrleo Brasileiro ( PETROBRS ). Como parte dos objetivos do P r ograma, a SIGEP estabeleceu a meta de editar livr os tcnicos – STIOS GEOL"GICOS E P ALEONTOL"GICOS DO BR ASIL abor dando, com riqueza de detalhes, os mais destacados stios geolgicos e paleontol-gicos do Brasil, para ampla divulgao naci-onal e internacional. Seu formato, constitu-do por diversos volumes, espelha o carter de permanente avaliao do patrimnio geo-cientfico nacional. J foram editados 2 livr os. O V olume I ATLAS DAS MAIORES CAVERNAS DO MUNDO A F undao de P esquisa em cavernas (Cave R esear ch F oundation) dos Estados Unidos est or ganizando uma nova edio do Atlas das Grandes (e importantes) Cavernas do Mundo. Essa verso ser apr esentada na r eunio da Unio Internacional de Espeleologia (UIS) em Kerr ville, T exas, em 2009. A primeira edio saiu em 1986 em francs e a ltima (em 1989) em ingls. Naquela poca, a caverna de L echuguilla tinha 50 km conhecidos; hoje so 180 km, e a caverna Krubera, a mais pr ofunda do mundo ainda nem tinha sido descoberta. A F undao conta com a colaborao de todos os espelelogos que puder em ajudar para que os dados deste novo Atlas sejam os mais pr ecisos possveis. P or isso, pede o envio de mapas, artigos, fotografias e outras informaes sobr e as maior es e mais pr ofundas cavernas do mundo. Estas informaes podem ser enviadas por e-mail atravs de formulrio disponvel na pgina abaix o basta clicar em “submission form”: Os espelelogos que pr eferir em www .caver esear ch.or g/ gr eatcaves/atlas enviar os dados por corr eio podem faz-lo para o ender eo: Gr eat Caves Atlas 41170 Oak RidgeThr ee Rivers, California USA 93271 A seleo dos dados ir considerar os seguintes r equisitos: Desenvolvimento acima de 30.000 m (a lista atual inclui 117 cavidades); Desnvel maior que 1.000 m (a lista atual possui 84 cavidades); Ser a maior ou a mais pr ofunda caverna do pas, independente do tamanho; Sales superior es a 20.000 m2; Melhor es travessias (entrada por uma boca e sada por outra); Maior es lances verticais subterrneos; R ecor des de mer gulho em cavernas;Maior es sistemas hidr ogeolgicos; Maior es cavernas no calcrias; Cavernas com aspectos especiais, tais como a pr esena de depsitos de minerais rar os, ar queologia ou paleontologia singular etc. Mais informaes e esclar ecimento (em ingls) pelo e-mail: caveatlas@gmail.com Cave Research Foundation HOMO ERECTUS: COMDIA DE RIFKIN A comdia sobr e homem da caverna de Adam Rifkin ("Night at The Golden Eagle"), "Homo Er ectus" acaba de ter data de lanamento mar cada para o ms de setembr o, nos Estados Unidos, com distribuio feita pela National Lampoon. Rifkin, alm de ter escrito o longa, tambem foi r esponsvel pela dir eo e atuou no papel de Ishbo. O longa, pr oduzido por Car olyn Pfeiffer ("A Casa de K ate um Caso") e Brad W yman ("Monster Desejo Assassino"), se passa na pr-histria e fala de Ishbo, um homem da caverna filosfico que deseja ter uma vida com mais que pedaos de madeira, pedras e metais pur os. P ara isso, ele comea a pr oduzir invenes, que incluem banheir o, talher es e calas, tambm com o objetivo de impr essionar seu amor Alm de Rifkin, no elenco esto Ali Larter ("R esident Evil 3: A Extino"), David Carradine ("Deu a L ouca em Hollywood"), T om Arnold ("F inais F elizes"), T alia Shir e ("O P oder oso Chefo 3"), Hayes MacArthur ("Ar e W e Done Y et?"), Giuseppe Andr ews ("Cabana do Inferno") e R on Jer emy ("Night at The Golden Eagle"). Confira as fotos clicando no link: Fonte: Cinema com Rap adura 21/06/2007

PAGE 3

3 N ot c ia s N ot c ia s MPF PEDE INTERDIO DO BONDINHO DA GRUTA DE UBAJARA se abstenham de operar o telefrico no P ar que Nacional de Ubajara, at que seja r ealizada inspeo completa do equipamento. O secr etrio estadual de T urismo, Bismark Maia, que estava ontem em Braslia, disse ao O PO V O por telefone, que r ecentemente foi feito uma r eviso completa mecnica e eletrnica do bondinho e que a manuteno do equipamento segue a peri-odicidade diria, semanal, mensal, trimes-tral e anual. "Isso consta da ata do P ar que Nacional de Ubajara". Bismark informa que todas as pr ovidncias so tomadas para que se mantenha a segurana do bondinho e o conforto dos usurios. J o chefe do escritrio do Ibama no Cear, Raimundo Bonfim, o Camundo, dis-se ontem que vai se r eunir com o governador Cid Gomes e o secr etrio Bismark Maia para tratar das r ecomendaes do pr ocurador e para a r egularizao do convnio entr e os dois r gos. Ele disse que, ainda essa semana, o bondinho poder deixar de funci-onar at que se tomem as pr ovidncias. Fonte: O Povo 20/06/2007 A r ecomendao do Ministrio Pblico F ederal (MPF) do Cear: suspender o funcionamento do bondinho de Ubajara usado por turistas para a descida at gruta de Ubajara, no P ar que Nacional de mesmo nome, na Serra da Ibiapaba. Isso para que sejam r ealizados estudos sobr e a segurana do equipamento, atualizado o plano de manuteno do telefrico e feita a r enovao de um convnio entr e o Governo do Estado e o Instituto Brasileir o de Meio Ambiente e R ecursos Naturais R enovveis (Ibama) para a operao do telefrico. F oi o pr ocurador da R epblica, Ricar do Magalhes de Mendona, que expediu o documento que faz as r ecomendaes ao Ibama e Secr etaria de T urismo do Estado. Os dois r gos tm um prazo de 15 dias para se manifestar em sobr e a r ecomendao do MPF As determinaes devem ser obedecidas num prazo de 45 dias. O pr ocurador Ricar do Mendona cita no documento, enviado aos dois r gos, que a r ecomendao para pr oteger o patrimnio pblico e a integridade fsica dos que se utilizam do equipamento que foi fabricado h mais de 35 anos. No incio da dcada de 90, o bondinho passou por uma grande r eforma. Mas no documento expedido pelo pr ocurador ele diz que o telefrico opera sem ter passado, uma nica vez por uma substituio. No documento enviado ao Ibama e Secr etaria estadual de T urismo (Setur), Ricar do Mendona lembra ainda que o convnio entr e os dois r gos para explorar o ser vio do bondinho de Ubajara se expir ou em 1994 e no h nenhum ajuste em vigor Diz tambm que o Ministrio Pblico F ederal r equer que o Ibama e o governo do Cear MORCEGO COM RAIVA NOCIVO POR POUCO TEMPO E DEVE SER PROTEGIDO No Litoral de Santa Catarina, ar quelogos esto desvendando a histria de um povo que viveu h 5 mil anos. A descoberta foi feita bem ao lado de uma r odovia federal que est sendo duplicada. So 13 stios ar queolgicos no caminho por onde vai passar a nova pista da BR -101. Especialistas trabalham contra o tempo para salvar a histria enterrada nos sam-baquis, grandes depsitos de conchas dei-xados pelos antigos habitantes da r egio. "Santa Catarina tem a maior quantidade de stios ar queolgicos deste tipo no pas", afirma o ar quelogo Mar co A. de Massi. Artefatos, como machados de pedra polida e pesos para r edes de pesca primitivas, vo sur gindo dos montes de conchas. Em um cemitrio pr-histrico, considera-do o stio ar queolgico mais importante, foram descobertos 44 esqueletos. A r ea no grande, tem apenas 300 metr os quadrados. Mas, escavando o local, os ar quelogos conseguiram voltar 5 mil anos no tempo. Da superfcie at a pr ofundidade de um 1,7 metr o, eles encontraram vestgios de trs culturas que contam toda a pr-histria do Litoral Sul do Brasil. L eia a notcia completa e assista a matria exibida pelo Jornal Nacional, clican-do na fonte abaix o. Fonte: G1 24/06/2007 Bondinho de acesso a Gruta de Ubajar a (CE-1) CIVILIZAO DE 5 MIL ANOS EM SC Um amplo estudo a r espeito da raiva entr e os mor cegos, animais comuns em toda a Eur opa, conforta a deciso tomada pela Unio Eur opia de pr oteger estes mamfer os, apesar de eles apr esentar em um risco potencial, e limitado, ao homem, afirma um estudo publicado, dia 27 de junho, na r evista americana "PloS ONE". O estudo, "o maior j r ealizado sobr e mor cegos" ficou a car go dos especialistas Her v Bourhy (Instituto P asteur P aris) e de Jor di SerraCobo (Universidade de Bar celona, Espanha). F oram acompanhados mais de 800 mor cegos insetvor os da espcie Myotis myotis (Mor cego rato -grande) nas ilhas Balear es (Espanha) por 12 anos. Os pesquisador es calcularam o tempo durante o qual um mor cego infectado poderia contaminar outr o animal: cinco dias em mdia. Os estudiosos demonstraram que a infeco pelo lyssavirus (vrus r esponsvel pela raiva) no pr ovoca a morte dos mor cegos e no modifica seu comportamento, ao contrrio do que acontece entr e os cachorr os e as raposas, por exemplo. "Mesmo que ns tenhamos confirmado o risco potencial de transmisso do lyssavirus dos mor cegos ao homem, ns tambm mostramos, pelo menos com r elao espcie estudada, que este risco limitado no tempo", comenta Her v Bourhy "A dinmica da infeco (cclica) entr e os mor cegos pe em evidncia a deciso tomada pela Eur opa de pr oteger estes animais e de no destruir as colnias nas quais h raiva", disse ele. "A nica medida razovel hoje , como o que foi feito em Balear es, de pr oibir o acesso s grutas que abrigam os mor cegos suscetveis a ser em infectados", acr escenta o especialista. A raiva, fatal na ausncia de tratamento e mais fr eqentemente transmitida por ces, causa cer ca de 50.000 mortes por ano no mundo. Os mor cegos esto na origem de poucos casos entr e humanos. Na Eur opa, apenas quatr o foram r egistrados desde 1985: um na F inlndia, um na Esccia, um na Ucrnia e um na Rssia. O Instituto P asteur coor dena o financiado pela Unio Eur opia, com o investimento de 1,1 milho de eur os em trs anos. A inteno eliminar a raiva da frica do Norte, onde a doena pr ovoca centenas de mortes por ano. Na F rana e na Unio Eur opia pr oibido matar capturar ou comer cializar mor cegos. T ocar em um animal doente ou morto algo severamente desaconselhvel. Fonte: G1 27/06/2007 pr ograma S E T U R C E

PAGE 4

4 sbe@sbe.com.br : www .sbe.com.br SBE Notcias Comisso Editorial uma publicao eletrnica da SBE-Sociedade Brasileira de Espeleologia T el/fax. (19) 3296-5421 Contato: Marcelo A. R asteiro e Barbara E. P F R odrigues T odas as edies esto disponveis em A reproduo deste permitida, desde que citada a fonte. Antes de imprimir pense na suaresponsabilidadecom o meioambiente Apoio: Visite Campinas e conhea a Biblioteca Guy-Christian Collet Sede da SBE. Filie-se SBE S o c i e d a d e B r a s i l e i r a d e E s p e l e o l o g i a C l i q u e a q u i p a r a s a b e r c o m o s e t o r n a r s c i o d a S B E T e l ( 1 9 ) 3 2 9 6 5 4 2 1 Filiada t s N o c ia t s N o c ia R Unio Internacional de Espeleologia FEALC-Federao Espeleolgica da Amrica Latina e Caribe 19 a 26/07/2009 15 Congresso Internacional de Espeleologia UIS K err ville, T exas, EU A www .ics2009.us C A M P I N A S P R I M E I R O O S Q U E M A I S P R E C I S A M P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E VENHA P ARA O MUNDO D A S CA VERNA S VENHA P ARA O MUNDO D A S CA VERNA S 29/07 a 04/08/2007 5 Congresso FEALC e 1 Congresso FEPUR Aguadilla, P or to Rico www .speleocongreso2007.org A f tambm ocupa montanhas! Data: 06/2007 Autor: Linda Gentr y ElDash (SBE 0845) Lapa de Antnio P ereira (MG -1649): P rojeo Horizontal: 85 m. Desn-vel 8 m. Ouro P reto -MG A gruta ocupada por uma igreja e conta com altar plpito local para coral e para os fiis, etc. A foto foi tirada na visita de reconhecimento reali-zada durante o 29 Con-gresso Brasileiro de Espe-leologia. Man de sua f oto com n ome data e local par a: sbe@sbe .com.br 09 a 23/07/2007 V Expedio SBET ocantins Dianpolis e AlmasTO www .sbe.com.br/campo.asp L i n d a G e n t r y E l D a s h As edies i m p r e s s a s esto disponveis para consulta na Biblioteca da SBE Os arquivos eletrnicos podem ser solicitados via e-mail. N ovas Aquisies Boletim eletrnico El Explorador N38, GEDA/SEC: Jun/2007. CAR TER Henrique Moiss (et al.). Instituto Butantan: Srie Didti ca So P aulo: Instituto Butantan 2006. SANTOS, Jonas Justino O munic pio, o patrimnio natural e a din mica socioambiental no V ale do Ribeira: o caso do municpio de Iporanga/SP Disser tao de Mes trado IG/UNICAMP Campinas, 2005. COMPLETANDO O GENOMA NEANDERTAL P esquisador es que estudam o DNA do homem de neandertal afirma que deve ser possvel construir um genoma completo do antigo homindeo, a despeito da degra-dao dos vestgios ao longo do tempo. T ambm h esperana de se r econstruir o genoma do mamute e do urso das cavernas, de acor do com a pesquisa encabeada por baseado em L eipzig, Alemanha Em estudos do neandertal, do mamute e do urso das cavernas, a maior parte do DNA r ecuperado vem de micr oor ganismos que colonizaram os corpos aps a morte, dizem pesquisador es. Mas eles foram capazes de identificar parte do DNA do cadver original. P aabo e seus colegas conseguiram determinar como as molculas se quebraram ao longo do tem-po. Eles tambm desenvolveram pr ocedimentos para evitar contaminao por DNA dos humanos que trabalhavam manusean-do o material. Fonte: Est ado Online 25/06/2007 Svante P aabo, do Instituto Max Planck de Antr opologia Evolucionria


printinsert_linkshareget_appmore_horiz

Download Options

close
Choose Size
Choose file type
Cite this item close

APA

Cras ut cursus ante, a fringilla nunc. Mauris lorem nunc, cursus sit amet enim ac, vehicula vestibulum mi. Mauris viverra nisl vel enim faucibus porta. Praesent sit amet ornare diam, non finibus nulla.

MLA

Cras efficitur magna et sapien varius, luctus ullamcorper dolor convallis. Orci varius natoque penatibus et magnis dis parturient montes, nascetur ridiculus mus. Fusce sit amet justo ut erat laoreet congue sed a ante.

CHICAGO

Phasellus ornare in augue eu imperdiet. Donec malesuada sapien ante, at vehicula orci tempor molestie. Proin vitae urna elit. Pellentesque vitae nisi et diam euismod malesuada aliquet non erat.

WIKIPEDIA

Nunc fringilla dolor ut dictum placerat. Proin ac neque rutrum, consectetur ligula id, laoreet ligula. Nulla lorem massa, consectetur vitae consequat in, lobortis at dolor. Nunc sed leo odio.