SBE Notícias

Citation
SBE Notícias

Material Information

Title:
SBE Notícias
Series Title:
SBE Notícias
Alternate Title:
SBE Notícias: Boletím Eletrônico da Sociedade Brasileira de Espeleologia
Publisher:
Sociedade Brasileira de Espeleologia
Publication Date:
Language:
English

Subjects

Genre:
serial ( sobekcm )

Notes

General Note:
IV Jornada de Cursos Brasil-Espanha abordou as mais avançadas técnicas de resgate em cavernas - Espeleológos e Ibama realizam vistoria no Parna Peruaçu após tremores de Caraíbas - Alesp aprova a lei que cria o Mosaico de Jacupiranga - Museus da região metropolitana de Belo Horizonte têm programação especial para às férias - IV SAP: Simpósio de Áreas Protegidas - Foto do Leitor: Lapa de São Vicente II (GO-9).
Restriction:
Open Access - Permission by Publisher
Original Version:
Vol. 3, no. 73 (2008)
General Note:
See Extended description for more information.

Record Information

Source Institution:
University of South Florida Library
Holding Location:
University of South Florida
Rights Management:
All applicable rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier:
K26-03463 ( USFLDC DOI )
k26.3463 ( USFLDC Handle )
8717 ( karstportal - original NodeID )
1809-3213 ( ISSN )

USFLDC Membership

Aggregations:
Added automatically
Karst Information Portal

Postcard Information

Format:
serial

Downloads

This item has the following downloads:


Full Text
Description
IV Jornada de Cursos
Brasil-Espanha abordou as mais avanadas tcnicas de resgate em
cavernas Espeleolgos e Ibama realizam vistoria no Parna
Peruau aps tremores de Carabas Alesp aprova a lei que cria
o Mosaico de Jacupiranga Museus da regio metropolitana de
Belo Horizonte tm programao especial para s frias IV
SAP: Simpsio de reas Protegidas Foto do Leitor: Lapa de So
Vicente II (GO-9).



PAGE 1

SBE SBE ISSN 1809-3213 R SBE SBE c s N o t i a c s N o t i a c s N o t i a c s N o t i a Boletm Eletrnico da Sociedade Br asileir a de Espeleologia 1 t s N o c ia t s N o c ia Ano 3 N 73 01/01/2008 La V eja tambm falou sobr e os r esultados da segunda expedio Krubera, quando atravessaram um sifo (parte ala-gada) com equipamentos de mer gulho, chegando a -2.100 metr os de pr ofundidade. T ambm destacou a logstica da expedio que somou 5 toneladas de equipamen-tos, dentr e eles 2.000 mosquetes e 1.000 chapeletas. Aps a palestra tivemos uma demonstrao das tcnicas de auto socorr o que so usadas hoje pela Escola Espanhola de Espe-leologia. Segundo La V ega, estas tcnicas evoluiram mui-to, permitindo maior velocida-de no atendimento vtima. CURSOS O curso de auto -socorr o, r ealizado dias 4 e 5 de dezembr o na cidade de Iporanga-SP contou com a participao de 23 inscritos de cinco estados brasileir os (SP RN, PR BA e DF). Alm da parte terica, os participantes puderam praticar as tcnicas apr endidas durante os dois dias de curso. No dia 6 de dezembr o teve incio o curso de r esgate com maca, utilizando a maca da T ask Ser vice, modelo STR desenvolvida para transporte em espaos confi-nados. Os alunos r ealizaram a parte prtica na caverna Morr o P r eto onde foi feita uma simulao de r esgate envolvendo ascenso de maca, transporte, descenso e r emoo por tir olesa. Esta caverna foi escolhida por se tratar de uma caverna turstica e por pos-suir todas as condies encontradas em uma situao r eal de r esgate. Por Emerson Gomes Pedro (SBE 1563) Elvira Maria Antunes Branco (SBE 1331) Diretores da SBE No incio de dezembr o, a SBE, em par ceria com a F ederao Espanhola de Espeleologia (FEE) e Escola Espanhola de Espe-leologia (EEE), r ealizou a enfocando as atividades de r esgate vertical e contando com a participao espelelogos de cinco difer entes estados brasileir os. VDEO, P ALESTRA E DEMONSTRAO A jornada teve incio dia 01 de dezembr o no P ar que Estadual de Inter vales (PEI), apr oveitando que espelelogos e monitor es ambientais da r egio estavam r eunidos para mais um mdulo de formao do Gru-po V oluntrio de Busca e Salvamento (GVBS-PET AR). Neste dia, os instrutor es da EEE, F rancisco Martinez Gar cia, F rancisco Molina e Ser gio Gar ca-Dils de La V ega, exibiram o vdeo sobr e a primeira expedio para explorao do maior abismo do mun-do, o KruberaV or onya com 2.198 metr os, situado ra r egio da Abecsia, norte da Ger gia (Calcaso). IV Jornada de Cursos Brasil-Espanha IV JORNADA DE CURSOS BRASIL-ESPANHA ABORDOU AS MAIS AVANADAS TCNICAS DE RESGATE EM CAVERNAS No dia 07 aps o trmino do curso e apr esentao dos r esultados, foi feita uma confraternizao, momento em que todos puderam descontrair e celebrar mais esta jornada r esultante da par ceria BrasilEspanha. A SBE agradece FEE/EEE pelo apoio espeleologia brasileira, a T ask Ser vice que cedeu a maca utilizada na simulao a Bra-zillian R opes que cedeu as cor das utilizadas durante o curso, a P r efeitura de Iporanga pelo apoio logstico, ao P ar que Estadual T urstico do Alto Ribeira (PET AR) pelo apoio as atividades de campo, ao PEI pelas insta-laes e r eceptividade e, em especial, a todos que pr estigiaram mais esta jornada de cursos, alguns de r egies to distantes, como o Sr Dur val Lima (SBE 0372) que se deslocou do Rio Grande do Norte para jun-tar -se a ns e escr ever mais um captulo da espeleologia nacional. Instrutores da EEE abordam teoria e prtica de resgate J u r a n d i r d o s S a n t o s Demonstrao de aut o-socoro em Inter vales E l v i r a M B r a n c o E l v i r a M B r a n c o Equipe prepara a maca para tirolesa Ascenso da maca at a “janel a” da Morro Preto Maca entr ando no sistema de tir olesa J u r a n d i r d o s S a n t o s J u r a n d i r d o s S a n t o s

PAGE 2

2 t s N o c ia t s N o c ia ESPELEOLOGOS E IBAMA REALIZAM VISTORIA NO PARNA PERUAU AP"S TREMORES DE CARAIBAS Por Leo Giunco (SBE 0509) Eduardo Gomes de Assis Ronaldo L. Sarmento Duas equipes r ealizaram, na segunda quinzena de dezembr o, uma vistoria no P ar que Nacional (P arna) Cavernas do P eruau, r egio norte de Minas Gerais, onde fica, dentr e outras, a gruta do Janelo, Ar co do Andr e Lapa do Caboclos. Estas cavernas esto, em mdia, a 5 km do epicentr o dos tr emor es que atingiram a comunidade de Carabas (municpio de Itacarambi), cau-sando a morte de uma criana de 5 anos e ferindo outras seis pessoas. A primeira equipe composta pelos espelelogos (IGS, COP AM-Norte e EPL), P r of Cssio Alexandr e (UNIMONTES/ FUNOR TE e EPL), P r of (CEIV A/FUNOR TE, EPL, EBM, GEO GRUCA V e INB), Herbert Canela (SEMMA e EPL) e (SBE e TRUPE) per corr eu a r egio do Silu no dia 16 de dezembr o, r ealizando a vistoria na Lapa do Caboclos e Lapa do Carlucio, alm do Buraco dos Macacos no Janelo. A segunda equipe, coor denada por Flvio Tlio Gomes (P arna do P eruau/ CECA V) e composta pelos tcnicos do Ibama, per corr eu nos dias 19 e 20 de dezembr o a r egio da sede antiga da fazenda T erra Brava Gruta do Janelo, Ar co do Andr e demais grutas. O Ibama juntamente com o Obser vatrio Sismolgico da Universidade de Braslia (UnB), vm monitorando a r egio atravs de apar elhos sismolgicos instalados na r egio desde outubr o. As equipes no constaram qualquer dano visvel nas cavernas do par que, no encontrando sequer um bloco abatido ou vestgios de desmor onamentos r ecentes. O fato intriga, j que sabido a fragilidade de alguns espeleotemas e o peso de muitas estalactites, isso, sem falar na pequena dis-tncia entr e as cavernas e a r ea do epicentr o do tr emor (Carabas), alm de estar em no mesmo pacote calcrio. Eduar do Gomes de Assis R onaldo L. Sarmento L eo Giunco Um fato inter essante ocorr eu quando a primeira equipe estava no prtico da Lapa do Carlucio. Ouviu-se um estr ondo vindo do horizonte (par ecido com barulho de avio ou tr ovo) que dur ou alguns segundos e que os morador es da r egio confirmaram ser o mesmo som ouvido durante os tr emor es, mas a Lapa do Carlucio em nada se alte-r ou, tampouco tr emeu. CARABAS O tr emor de Carabas atingiu 76 casas, sendo que cinco foram par cialmente destrudas e uma totalmente. Gran-de parte das demais casas, as que no tm estrutura de concr eto (vigas e colunas), apr esentam rachaduras. Os danos maior es esto nas mais antigas, feitas prin-cipalmente de abobe ou taipa. A r ede eltrica e de iluminao est pra-ticamente intacta. O solo no apr esenta rachaduras visveis, exceto micr o fissuras num tr echo de apr o ximadamente 20 metr os na estrada que d acesso ao rio P eruau e que no se pode afirmar que est r elacionada aos tr emor es. A tragdia principal o trauma de um fenmeno impossvel de ser pr evisto e que abalou os mais de 300 morador es da pacata Carabas. Em conversas com morador es da r egio no foi coletada nenhuma informao de outr os danos alm das casas abaladas e a r emoo das famlias amplamente divulgada pela mdia. As poucas pessoas encontradas em Carabas (que estavam r etirando seus ltimos pertences) r elatam um fato curioso com o poo que abastece o vilar ejo e que est localizado no seu centr o: quando de sua perfurao (h alguns anos) aps 16 metr os de penetrao no solo a br oca e os canos atingiram um espao vazio, necessitando interr omper os trabalhos. F oi solicitado pr efeitura de Itacarambi o r elatrio tcnico da empr esa que na ocasio perfur ou o poo. A comunidade localiza-se paralela uma grande dolina de bor da suave e de pouca exposio de calcrio. Segundo os mora-dor es existe apenas uma cavidade da qual no se sabe a extenso e que no chegou a ser pr ospectada devido ao pouco tempo da equipe. Coincidentemente o dir ecionamento da dolina no sentido sul norte com inclinao apr o ximada de 15, compatvel com o alinhamento da fratura (ver mapa geolgico). O r elatrio final da defesa civil concluiu que os danos na r egio foram apenas nas r esidncias. Segundo dados pr eliminar es de tcnicos da Universidade de Braslia (UnB), o tr emor de Carabas dificilmente est associado ao desmor onamento de alguma caverna, mas sim a uma falha geolgica. Indifer ente a tudo isso, a impr ensa divulga dados sensacionalistas ou na base do "achismo" inconseqente, uma vez que nem mesmo os tcnicos ainda definiram a r eal causa do fenmeno. F icamos assustados ao ler na ltima edio da r evista V eja, uma matria sobr e o caso. O artigo afirma que o povoado foi "destrudo", o que no ver dade, e ainda faz comparaes como O terr emoto de Carabas teve magnitude de 4,9 pontos na escala e que a ener gia liberada foi equivalente e xploso de duas bombas atmicas como a que destruiu Hir oshima ”, totalmente descabida. Lapa do Carlcio 5 km de Car abas Casa des truida onde morreu a criana Montagem mapa geolgi co (Parna Peruau) sobre imagem LandSat Cavernas Carabas E d u a r d o G o m e s E d u a r d o G o m e s L e o G i u n c o

PAGE 3

3 N ot c ia s N ot c ia s ALESP APROVA A LEI QUE CRIA O MOSAICO DO JACUPIRANGA A Assemblia L egislativa do Estado de So P aulo (ALESP), apr ovou dia 20 de dezembr o, a lei que altera a r ea do P ar que Estadual de Jacupiranga e cria Mosaico de Unidades de Conser vao do Jacupiranga. O Mosaico do Jacupiranga ficou com uma r ea total de 243.885,15 ha, englobando trs P ar ques Estaduais (PE), cinco R eser vas de Desenvolvimento Sustentvel (RDS), quatr o r eas de P r oteo Ambiental (AP A), duas R eser vas Extrativistas (R esex) e duas R eser vas P articular es do P atrimnio Natural (RPPN). P ARQUES Considerado o maior par que do Estado de So P aulo, criado em 1969, o P ar que Estadual de Jacupiranga, que tinha exten-so de 140.000 ha, passa a ter a r ea total de 154.872,17 ha, e fica subdividido em trs par ques estaduais: o P ar que Estadual Caverna do Diabo com 40.219,66 ha, nos municpios de Eldorado, Iporanga, Barra do T ur vo e Cajati; o P ar que Estadual do Rio T ur vo com 73.893,87 ha, em Barra do T ur vo, Cajati e Jacupiranga; e o P ar que Estadual do Lagamar de Canania, com 40.758,64 ha, em Canania e Jacupiranga. RDS As R eser vas de Desenvolvimento Sustentvel RDS, onde se concentram boa parte das populaes tradicionais da r egio somam 12.965,06 de extenso e so elas: Barr eir o/Anhemas, com r ea de 3.175,07 ha; dos Quilombos de Barra do ha T ur vo para comunidades quilombolas do Ribeiro Grande/T erra Seca, Cedr o e P edra P r eta somando 5.826,46 ha; dos P inheirinhos com r ea de 1.531,09 ha, no municpio de Barra do T ur vo; de Lavras, com r ea de 889,74 ha, no municpio de Cajati, e a de Itapanhapima, com 1.242 ha, no municpio de Canania. AP AS F aro parte do Mosaico as seguintes AP As: Planalto do T ur vo, com r ea total de 2.721,87 ha nos municpios de Barra do T ur vo e Cajati; Cajati, com 2.975,71 no municpio de Cajati; Rio P ar dinho e Rio V ermelho, com 3.235,47 ha no municpio de Barra do T ur vo, e a dos Quilombos do Mdio Ribeira, nos municpios de Iporanga, Barra do T ur vo e Eldorado, composta pelos territrios das comunidades Quilombolas de Nhunguara, Andr L opes, Sapatu, Ivaporunduva, Galvo, So P edr o, P iles, Maria R osa, P edr o Cubas, P edr o Cubas de Cima e P raia Grande, com r ea de 64.625,04 ha. RESEX As R eser vas Extrativistas (R esex) que compem o Mosaico foram definidas como: R esex da Ilha do T umba, destinada s comunidades da Ilha do Car doso e R egio de Ariri, com r ea de 1.128,26 no municpio de Canania e a R esex T aquari, destinada s comunidades locais e aos pescador es artesanais de Canania, com r ea de 1.662,20 no municpio de Canania. ha ha ha RPPN P ara os estudos de criao das R eser vas P articular es do P atrimnio Natural RPPN foram r eser vadas duas Glebas nas Comunidades Quilombolas do Bairr o Andr L opes, que dever abranger o entorno da Caverna do Diabo, e do Bairr o Sapatu, r ea da cachoeira Queda de Meu Deus. As RPPNs s podero ser implementadas aps a titulao das terras para as associaes que se compr ometeram a cri-las. APROV AO NO FIM DO ANO O pr ojeto de lei de criao do Mosaico, apr esentado em junho, foi apr ovado praticamente na ltima sesso do ano da ALESP em virtude de diversas corr ees necessrias. Com a apr ovao deste mosaico de r eas pr otegidas cabe agora dedicar -se implementao das atividades de uso, assim como ao detalhamento dos planos de manejo. A lei assegura, de acor do com o artigo 13, a r ealizao de T ermos de Compr omissos Ambientais com os morador es das r eas que compem as RDSs, as R esexs e as AP As, r eferidas nos artigos 6, 7 e 10, e as r espectivas associaes comunitrias, objetivando a compatibilizao das ativida-des tradicionais com a pr oteo dos r ecursos naturais existentes na r ea, at a definitiva r egularizao fundiria das glebas e a elaborao dos Planos de Manejo das Uni-dades de Conser vao do Mosaico. Fonte: Notcias Socioambient ais 26/12/2007 MUSEUS DA REGIO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE TM PROGRAMAO ESPECIAL PARA AS FRIAS As frias em Belo Horizonte podem ser bem mais divertidas do que a gar otada imagina. P ara dar mais oportunidades de divertimento a quem est na capital minei-ra, alguns dos principais museus da r egio metr opolitana pr epararam pr ogramao especial de frias. No Jar dim Botnico da UFMG, o Museu de Histria Natural (MHN), tem agi-tao garantida com exposies, pr ojetos de pesquisa e extenso na r ea de educao ambiental. A PUC Minas tambm pr epar ou pr ogramao de frias para seu museu r echeada de atraes, de 2 a 31 de janeir o, inspirada no acer vo e dividida por pacotes temticos. No parte dedicada paleontologia, alm de conferir as mostras A era dos rp-teis e A grande extino: 11 mil anos, os visitantes podero participar de oficinas de escavao, rplicas e dinossaur os no papel. P ara os fs de ar queologia, a sugesto so as exposies P eter L und: memrias de um naturalista e Brasil rupestr e, que podero ser complementadas por cursos de pintura rupestr e. Alm de visitar rplicas de animais exticos e de uma caverna, a gar otada poder virar pesquisador mirim ou participar de um r oteir o noturno pelo museu. • Museu de Histria Natural e Jar dim Botnico da UFMG Aberto de tera a sexta, das 9 s 16 horas; sbado e domingo, das 10 s 17horas.Rua Gustavo da Silveira, 1035, Santa Ins, Belo Horizonte. Entrada: R$ 3. Informaes: (31) 3461-5805. • Museu PUC Minas Aberto de 2 a 31 de janeir o com cursos e visitao de exposies dividida em pacotes temticos.Av Dom Jos Gaspar 290, Corao Eucarstico. Informaes: (31) 3319-4520 e 3319-4152. Fonte: 28/12/2007 UAI Divirt a-se Acer vo do Museu de Histria Natural da UFMG P e d r o M o t t a

PAGE 4

4 sbe@sbe.com.br : www .sbe.com.br SBE Notcias Comisso Editorial uma publicao eletrnica da SBE-Sociedade Brasileira de Espeleologia T elefone/fax. (19) 3296-5421 Contato: Marcelo A. R asteiro e Delci K.Ishida T odas as edies esto disponveis em A reproduo deste permitida, desde que citada a fonte. Antes de imprimir pense na suaresponsabilidadecom o meioambiente Apoio: Visite Campinas e conhea a Biblioteca Guy-Christian Collet Sede da SBE. Filie-se SBE S o c i e d a d e B r a s i l e i r a d e E s p e l e o l o g i a C l i q u e a q u i p a r a s a b e r c o m o s e t o r n a r s c i o d a S B E T e l ( 1 9 ) 3 2 9 6 5 4 2 1 Filiada t s N o c ia t s N o c ia R Unio Internacional de Espeleologia FEALC-Federao Espeleolgica da Amrica Latina e Caribe C A M P I N A S P R I M E I R O O S Q U E M A I S P R E C I S A M P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E VENHA P ARA O MUNDO D A S CA VERNA S VENHA P ARA O MUNDO D A S CA VERNA S Man de sua f oto com n ome data e local par a: sbe@sbe .com.br 07 A 18/01/2008 VI Expedio SBET ocantins Aurora e AlmasTO www .sbe.com.br/campo.asp 19 a 23/05/2008 IV SAP Simpsio de reas P rotegidas Canela-RS sap.ucpel.tche.br 03 a 08/02/2008 III CONAE Congresso Argentino de Espeleologia Mallarge, Mendoza, Argentina conae3.blogspot.com As edies i m p r e s s a s esto disponveis para consulta na Biblioteca da SBE Os arquivos eletrnicos podem ser solicitados via e-mail. N ovas Aquisies R evista Sientific American Brasil N67, Duetto Editorial: Dez/2007. Boletim eletrnico Espeleotema N3, Grupo Espeleolgico de Marab: Dez/2007. Boletim eletrnico Cone xo Subterrnea N59, R edespeleo Brasil: Dez/2007. Boletim eletrnico GEA N45, Grupo Espeleolgico Argentino: Dez/2007. IV SAP: SIMP"SIO DE REAS PROTEGIDAS H sete anos o Simpsio de r eas P r otegidas (SAP) r eune pesquisador es, ambientalistas e demais inter essados na conser vao de nossas r eas naturiais. Com o apoio institucional da SBE, o IV SAP ser r ealizado na cidade de Canela (Serra Gacha), de 19 a 23 de maio de 2008, com a apr esentao de trabalhos, palestras, alm de mini-cursos e mesas-r edondas. Inscries com desconto e o envio de trabalhos podem ser feitos at o dia 14 de janeir o. Mais informaes no site: sap.ucpel.tche.br J o s H u m b e r t o M P a u l a Salo da Clarabia Data: 07/2007 Autor: Jos Humber to M. de P aula (SBE 1550) Lapa de So Vicente II (GO -9) P roj. Horizontal: 4.670 m Desnvel: 75 m So DomingosGO Neste perodo do ano (julho/agosto) um raio de luz penetra na clarabia por volta das 14h30 e se "des-pede" per to das 15h10. Durante o cur to perodo de 40 minutos, ilumina por completo o imenso Salo da Clarabia.Um espetculo! P arque Estadual de T erra R onca PET eR


printinsert_linkshareget_appmore_horiz

Download Options

close
Choose Size
Choose file type
Cite this item close

APA

Cras ut cursus ante, a fringilla nunc. Mauris lorem nunc, cursus sit amet enim ac, vehicula vestibulum mi. Mauris viverra nisl vel enim faucibus porta. Praesent sit amet ornare diam, non finibus nulla.

MLA

Cras efficitur magna et sapien varius, luctus ullamcorper dolor convallis. Orci varius natoque penatibus et magnis dis parturient montes, nascetur ridiculus mus. Fusce sit amet justo ut erat laoreet congue sed a ante.

CHICAGO

Phasellus ornare in augue eu imperdiet. Donec malesuada sapien ante, at vehicula orci tempor molestie. Proin vitae urna elit. Pellentesque vitae nisi et diam euismod malesuada aliquet non erat.

WIKIPEDIA

Nunc fringilla dolor ut dictum placerat. Proin ac neque rutrum, consectetur ligula id, laoreet ligula. Nulla lorem massa, consectetur vitae consequat in, lobortis at dolor. Nunc sed leo odio.