SBE Notícias

Citation
SBE Notícias

Material Information

Title:
SBE Notícias
Series Title:
SBE Notícias
Alternate Title:
SBE Notícias: Boletím Eletrônico da Sociedade Brasileira de Espeleologia
Publisher:
Sociedade Brasileira de Espeleologia
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Genre:
serial ( sobekcm )

Notes

General Note:
30 oCBE (2 aCircular) - Unimontes sediará o 30 oCBE - Rurópolis: paraíso espeleológico desconhecido - Mini-curso sobre topografia - Australiana cuida de 500 morcegos em clínica na própria casa - Síndrome ameaça morcegos nos EUA - PME do Vale do Ribeira têm boletim - Tirinha: Projeto Terra de Lund - Ibama tenta liberar o turismo em cavernas de São Tomé das Letras - Parque do Sumidouro terá nova estrutura - Circuito das Grutas realiza conferência em MG - Avanço populacional ameaça o patrimônio de Lagoa Santa - Foto do Leitor: Gruta da Pescaria (SP-10).
Restriction:
Open Access - Permission by Publisher
Original Version:
Vol. 4, no. 120 (2009)
General Note:
See Extended description for more information.

Record Information

Source Institution:
University of South Florida Library
Holding Location:
University of South Florida
Rights Management:
All applicable rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier:
K26-03501 ( USFLDC DOI )
k26.3501 ( USFLDC Handle )
8755 ( karstportal - original NodeID )
1809-3213 ( ISSN )

USFLDC Membership

Aggregations:
Added automatically
Karst Information Portal

Postcard Information

Format:
serial

Downloads

This item has the following downloads:


Full Text
Description
30
oCBE (2
aCircular) Unimontes sediar o 30
oCBE Rurpolis: paraso espeleolgico desconhecido
- Mini-curso sobre topografia Australiana cuida de 500
morcegos em clnica na prpria casa Sndrome ameaa morcegos
nos EUA PME do Vale do Ribeira tm boletim Tirinha: Projeto
Terra de Lund Ibama tenta liberar o turismo em cavernas de
S£o Tom das Letras Parque do Sumidouro ter nova estrutura
- Circuito das Grutas realiza conferncia em MG Avano
populacional ameaa o patrimnio de Lagoa Santa Foto do
Leitor: Gruta da Pescaria (SP-10).



PAGE 1

ISSN 1809-3213 R SBE SBE c s N o t i a c s N o t i a c s N o t i a c s N o t i a Boletm Eletrnico da Sociedade Br asileir a de Espeleologia 1 t s N o c ia t s N o c ia Ano 4 N 120 21/04/2009 Dia 25 de Abril (sbado) a SBE r ealizar em sua sede o “XXXV SBE de P ortas Abertas” com o mini-curso: T opografia de cavernas bsico ministrado por R en de Souza (SBE 0562), coor denador de expedies da SBE, e F ernanda C. L. Ber go (SBE 1645), membr os do Grupo de Estudos Ambientais da Serra do Mar GESMAR (SBE G027). O curso tem como objetivo pr eparar quem deseja integrar uma equipe de campo de topografia em cavernas e iniciar as pesquisas espeleolgicas. Sero apr esentados os equipamentos e conceitos bsicos de topografia de cavernas, as principais funes dentr o de uma equipe de campo e o trabalho r ealizado por cada um (explorador cr oquista, apontador e ponta de tr ena). A participao no mini-curso gratuita, mas quem r eceber um certificado pode colaborar com R$10,00 no dia do curso. L ocal: P ar que T aquaral P orto 2 Campinas SPData: 25/04/2009Horrio: 10 horasEntrada: gratuita Saiba mais sobr e o pr ojeto em: Sede da SBE www .sbe.com.br/aberta.asp MINI-CURSO SOBRE TOPOGRAFIA Clinmetro e fio de prumo RUR"POLIS PARASO ESPELEOL"GICO DESCONHECIDO O entorno de Rurpolis, no P ar, r epleto de cavernas, rios e cachoeiras, mas o potencial turstico e espeleolgico da r egio ainda pouco explorado. Erismar conhecida na r egio como a mulher das cavernas. Ela j explor ou 28 grutas e tem mais 48 para desbravar Seu sonho criar no municpio – cortado pela BR -163 e pela T ransamaznica – uma r ea de pr oteo com estrutura para o turismo. "Essa caverna a gente baseia em uns 15 mil mor cegos", diz Erismar durante explorao a uma das grutas. Na dcada de 70, o que chamava a ateno em Rurpolis era um luxuoso hotel, construdo para r eceber o General Mdici, ento pr esidente do Brasil. Era uma r eferncia no meio da Flor esta Amaznica, mas o hotel foi r epr ovado por outr o pr esidente militar Quando visitou Rurpolis, em 1978, o pr esidente Ernesto Geisel no quis sequer entrar no hotel. P ara ele, era uma construo muito luxuosa, um desper dcio de dinheir o pblico em uma r egio to pobr e. Hoje, o hotel est s moscas. V ir ou o r etrato do abandono. Fonte: Jornal Nacional 1 1/04 /2009. F e r n a n d a B e r g o 30 CONGRESSO BRASILEIRO DE ESPELEOLOGIA Montes Claros, MG 09 a 12 de Julho de 2009 UNIMONTES SEDIAR O 30CBE submisso de trabalhos dia 1 de maio com desconto at dia 30 de abril (2 Cir cular) A Comisso Or ganizadora do 30 Congr esso Brasileir o de Espeleologia CBE confirmou a par ceria com a Universidade Estadual de Montes Clar os Unimontes para a r ealizao do evento em suas dependncias. A Unimontes a maior instituio de ensino sup erior do norte do estado de Minas Gerais, constituda por mais de 13 mil alunos em 112 cursos. A r ealizao do Congr esso na Unimontes garantir maior conforto para os congr essistas, j que a instituio conta com uma ti ma infraestrutura, que inclui auditrios confortveis e bem r efrigerados; lanchonetes, laboratrios e amplas salas onde sero ministrados os mini-cursos. Outr o ponto positivo a localizao privilegiada do Campus Dar ci Ribeir o, na r egio central de Montes Clar os, ofer ecendo em seu entorno opes diversas de r estaurantes, bar es, lojas; alem de um Shopping Center O prazo final para As inscries podem ser feitas INFORMA'ES www .sbe.com.br/30cbe.asp Clique para assistir a matria da Rede Globo

PAGE 2

2 t s N o c ia t s N o c ia Clique aqui Projet o T erra de Lund para ver mais tirinhas de Paulo W erner do AUSTRALIANA CUIDA DE 500 MORCEGOS EM CLNICA NA PR"PRIA CASA Uma australiana que trabalha h 20 anos voluntariamente r esgatando mor cegos est cuidando de 500 filhotes na sua prpria casa. T rish W imberley possui uma clnica de mor cegos, como ela mesma chama, nos fundos da sua casa, na cidade costeira de Gold Coast, no Estado australiano de Que-ensland. L ela cuida de cer ca 200 mor cegos entr e setembr o e fever eir o, poca em que as fmeas do luz. “Mas neste ano, devido quantidade de tempestades que tivemos, estou com 500”, disse ela. CONT A T O HUMANO Geralmente os animais r esgatados por T rish possuem feridas visveis, pneumonia, infeco nos rins ou membr os fraturados. O grupo no qual T rish trabalha, W ildcar e A ustralia, avisado por telefone cada vez que algum encontra um mor cego agindo estranhamente. “No aconselhamos ningum a peglos e trazer para c. Apenas quem vacina-do contra raiva pode trabalhar r esgatando mor cegos na A ustrlia”, disse ela. "Eles so sempr e minha prioridade", diz T rish, que est 24 horas por dia e sete dias por semana com o celular ligado para qualquer emer gncia. Na clnica na sua casa, os filhotes encontrados desamparados ou machuca-dos geralmente ficam por 12 meses. Os r ecm-nascidos ficam algumas semanas em incubadoras. L eles so alimentados como bebs humanos. Na primeira semana, eles bebem leite a cada trs horas. Depois disso, a cada quatr o horas, at chegar em ao stimo ms de vida, quando eles comeam a se alimentar com o plen das flor es e frutas, explicou a especialista. Ao completar em um ano, os animais so estimulados a se tornar em independentes. Nesse perodo, o con-tato humano diminudo ao mximo. Os mor cegos s veem os tratador es na hora de ser em alimentados. Desta forma, segundo T rish, eles logo comeam a se comportar como selvagens at ser em liberados para voltar em ao seu habitat natural. O pr ocesso demora de uma a oito semanas, at eles parar em de voltar para r eceber comida, explicou ela. A paciente mais antiga, no entanto, uma fmea de 15 anos de idade que no pode mais voar “Estamos com ela h 14 anos”, disse T rish. Ela muito interativa com os tratador es, como um cozinho. Isso no algo rar o em um mor cego, segundo a especialista. Ela diz que os mor cegos podem ser domesticados e r etribur em o afeto que r ecebem. “Difer ente de outr os animais, eles imediatamente sabem se voc os est ajudando ou se um pr edador So criaturas muito inteligentes. Quem no gosta de mor cegos no sabe o suficiente sobr e eles.” Fonte: BBC Brasil 20/04 /2009. com mamadeiras, SNDROME AMEAA MORCEGOS NOS EUA Uma doena conhecida como Sndr ome do Nariz Branco, continua a matar mor cegos em cavernas do Canad e Estados Uni-dos (veja p.3). O pr oblema pode se transformar num desastr e ambiental, j que os mor cegos desempenham papel crucial no equilbrio ecolgico e os cientistas ainda no tm cla-r eza sobr e suas r eais causas. Fonte: CBS News 05/04/2009. SBE Notcias n104 PME DO VALE DO RIBEIRA TM BOLETIM Por Heros Lobo (SBE 1347) Convidamos os colegas visitar o hotsite dos Planos de Manejo Espeleolgico (PME) de 36 cavernas dos P ar ques Estaduais Inter vales, T urstico do Alto Ribeira e Mosaico de Jacupiranga, Estado de So P aulo. Os PMEs esto sendo elaborados por uma equipe de mais de cem tcnicos, uma experincia sem pr ecedentes mundiais de manejo simultneo de cavidades naturais e em to pouco tempo (14 meses). No site existe um frum, documentos para download, dossi fotogrfico de algu-mas cavernas, entr e outras informaes. T ambm est disponvel o com os r esultados das oficina de abertura para o planejamento participativo junto s comunidades locais. primeir o boletim www .ek osbrasil.or g/cavernas T rish administra a clnica de morcegos em sua casa Mamadeiras e incubadoras ajudam na recuperao B B C B B C Clique para assistir a matria da CBS (em ingls)

PAGE 3

3 t s N o c ia t s N o c ia PARQUE DO SUMIDORO TER NOVA ESTRUTURA Minas Gerais da pedra lascada, como tambm conhecido o P ar que Estadual do Sumidour o, em uma r ea de 2.011 hectar es no limite de Lagoa Santa e P edr o L eopoldo, ganhar atraes e uma estrutura digna de sua importncia para o planeta. A r ea est na R egio Metr opolitana de Belo Horizonte e foi l que o dinamar qus P eter L und (1801-1880), considerado o pai da paleontologia no Brasil, fez diver-sas de suas descobertas. T ambm foi por aquelas bandas que pesquisador es desenterraram, na dcada de 1970, o crnio de L uzia, nome dado pelos cientistas mulher que viveu por ali h cer ca de 11,5 mil anos, o fssil humano mais antigo encontrado nas Amricas. Os pr ojetos e obras vo custar ao estado, por meio do Instituto Estadual de Flo-r estas (IEF) e de outr os r gos, R$ 35 milhes e a maior novidade ser a implantao de trs trilhas temticas. A primeira, chamada Cir cuito da Lapinha, ser uma visita parte externa e ao interior da famosa gru-ta, cuja extenso chega a 511 metr os e onde h sales que somam perto de 600 milhes de anos. “ O turista conhecer fauna e flora, alm da dinmica da formao da caver-na”, diz o ger ente do par que, R ogrio T avar es que est otimista. O segundo r oteir o, batizado de Cir cuito Sumidour o, ter dois quilmetr os e permitir ao visitante per corr er belas paisagens, como o par edo das milenar es pinturas rupestr es. O ltimo cir cuito ser uma travessia entr e a Gruta da Lapinha e a Lagoa do Sumidour o. So 3,5 quilmetr os de caminhada, incluindo um alojamento para at 10 pes-quisador es na antiga fazenda Sobrado. Fonte: UAI Minas 19/04/2009 IBAMA TENTA LIBERAR O TURISMO EM CAVERNAS DE SO TOM DAS LETRAS Um pr ojeto do Instituto Brasileir o do Meio Ambiente e dos R ecursos Naturais R enovveis (Ibama) em par ceria com o Instituto Chico Mendes de Conser vao da Biodiversidade tenta liberar a visitao nos principais pontos tursticos de So T om das L etras-MG. As grutas e as cavernas foram embar gadas pelo instituto e s voltaro a r eceber visitas depois que passar em por adequaes. Alm das belezas naturais encontradas facilmente na r egio, So T om das L etras tambm conhecida pelo potencial turstico em seu subsolo, com diversas gru-tas espalhadas pelo municpio. “ As grutas tm suas particularidades, com vrias lendas e histrias. Elas agr egam muito cidade, como um dos principais atrativos para visitao”, diz o guia de turismo Evaldo Medeir os. A gruta do Carimbado, por exemplo, formada por um estr eito corr edor r evestido por uma par ede ar gilosa que grande fonte de pesquisas. “Ns viemos avaliar como est a situao da visitao turstica em So T om das L etras, nas grutas, e estabelecer r egras para que as visitas continuem acontecendo sem que haja risco para o visitante e para as cavi-dades”, afirma Flvio Gomes, analista ambi-ental do Ibama. T odos os aspectos sero analisados e depois ser criado um plano de manejo para ser implantado pela pr efeitura. “ As condies das grutas esto sendo avaliadas e ns acr editamos que as dir etrizes que for em passadas sero tomadas”, afirma o secr etrio municipal de turismo Evaldo dos R eis. Atualmente, nenhuma das grutas da cidade poderia r eceber visitantes, j que no possuem plano de manejo. “Se no hou-ver contr ole, ocorr e a degradao e a gruta deixa de ser um atrativo”, diz Gomes. Fonte: Bom Dia Minas 14/04 /2009. CIRCUITO DAS GRUTAS REALIZA CONFERNCIA EM MG A Associao do Cir cuito T urstico das Grutas r ealizar a Conferncia de Integrao Cir cuito das Grutas (CONCIG), no Aer oporto Internacional T ancr edo Neves, em Confins, no dia 28 de abril s 10 horas. O evento tem como objetivo sensibilizar os gestor es pblicos municipais como P r efeitos, Secr etrios de T urismo, Cultura e Meio Ambiente sobr e as perspectivas para o setor e os benefcios que o turismo pode tra-zer para a r egio. Alm de autoridades dos municpios que integram o cir cuito, a CONCIG contar com a pr esena do V iceGovernador Antnio A ugusto Junho Anastsia, que discorr er sobr e o P r ojeto Estruturador do governo na r egio, Linha L und e outr os pr ojetos. A Secr etria de Estado de T urismo, rica Campos Drumond, tambm estar pr esente abor dando a importncia e o papel dos cir cuitos tursticos na poltica de r egionalizao do turismo. Com a CONCIG, a Associao busca dar continuidade ao seu trabalho, fortale-cendo vnculos e tendo como prioridade a sensibilizao para o pr ocesso de r egionalizao do turismo em Minas Gerais. O obje-tivo do encontr o alinhar as informaes para que os gestor es pblicos municipais possam caminhar em conjunto com as dir etrizes do governo do Estado, apr oveitando ao mximo os investimentos de estrutura-o que esto por vir para a r egio. A pr oposta principal mobilizar os gestor es pblicos municipais em pr ol do Planejamento do T urismo em seus municpios de acor do com as oportunidades per cebidas durante as palestras. Informaes pelo e-mail: Fonte: ACTG 08/04/2009. cir cuitodasgrutas@ cir cuitodasgrutas.com.br Clique para assistir a matria da Rede Globo T rilhas suspensas e mirantes so par te das novidades Euler Junior/EM/D.A Press

PAGE 4

4 sbe@sbe.com.br : www .sbe.com.br SBE Notcias Comisso Editorial uma publicao eletrnica da SBE-Sociedade Brasileira de Espeleologia T elefone/fax. (19) 3296-5421 Contato: Marcelo A. R asteiro e Delci K.Ishida T odas as edies esto disponveis em A reproduo deste permitida, desde que citada a fonte. Antes de imprimir pense na suaresponsabilidadecom o meioambiente Apoio: Visite Campinas e conhea a Biblioteca Guy-Christian Collet Sede da SBE. Filie-se SBE S o c i e d a d e B r a s i l e i r a d e E s p e l e o l o g i a C l i q u e a q u i p a r a s a b e r c o m o s e t o r n a r s c i o d a S B E T e l ( 1 9 ) 3 2 9 6 5 4 2 1 Filiada t s N o c ia t s N o c ia R Unio Internacional de Espeleologia FEALC-Federao Espeleolgica da Amrica Latina e Caribe 25/04/2009 Mini-curso: T opografia de Cavernas Bsico Sede da SBE Campinas-SP www .sbe.com.br/aber ta.asp C A M P I N A S P R I M E I R O O S Q U E M A I S P R E C I S A M P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E VENHA P ARA O MUNDO D A S CA VERNA S VENHA P ARA O MUNDO D A S CA VERNA S P escaria... Data: 04/2009Autor: Marcelo Gonalves (Lagosta) UPE (SBE G079) Gruta da P escaria (SP -10) P roj.Hor .: 2.780 m.Desnvel 153 m. Apia-SP PET AR V ista da boca de baixo da gruta durante os trabalhos de fotografia para o Plano de Manejo Espeleolgico do P arque Estadual T urstico do Alto Ribeira PET AR Man de sua f oto com n ome data e local par a: sbe@sbe .com.br N ovas Aquisies Boletim The Journal os the Sydney Speleological Society N3, SSS: Mar/2009. Boletim eletrnico Informativo da Sociedade P araibana de Arqueolo gia N32, SP A: Mar/2009. Boletim eletrnico Espeleocol N5, Asociacin Espeleolgica Colombi ana: Jul/2008. MAR TINS, J.P (org.). P anorama do Meio Ambiente bacias dos rios Piracicaba, Capivari e Jundia Campinas: Ed. K omedi, 2005. As edies impressas esto disponveis para consulta na Biblioteca da SBE. Os arquivos eletrnicos podem ser solicitados via e-mail. 09 a 12/07/2009 30 CBE Congresso Brasileiro de Espeleologia Montes Claros-MG www .sbe.com.br/30cbe.asp 19 a 26/07/2009 15 ICS Congresso Internacional de Espeleologia K err ville, T exas USA www .ics2009.us M a r c e l o G o n a l v e s AVANO POPULACIONAL AMEAA O PATRIMNIO DE LAGOA SANTA A cidade, cuja origem atribuda descoberta da lagoa, h sculos, se emancipou em 1938 e somente agora atingiu os 45 mil morador es, mas pr efeitura estima que esse nmer o v dobrar em menos de 10 anos. A pr esso populacional j engoliu parte expr essiva da cobertura vegetal da cidade, como mostra o estudo (Re)or ganizao espacial do municpio de L agoa Santa /MG comparando dados do uso e ocupao do solo entr e 1977 e 2007 dissertao da gegrafa Mara P atrcia F ernandes Campolina, defendida na PUC Minas. Ela diz que o texto importante para auxiliar nas discusses sobr e o aumento da populao na r egio, principalmente em um momento no qual a pr esso urbana deve a cr escer a taxas nunca antes vistas. O chamado V etor Norte, no qual se inclui a cidade, tende a ser alvo da nova febr e de adensamento populacional na Grande BH, ameaando a pr eser vao do patrimnio natural da r egio. Clique na fonte e leia a matria completa Fonte: Uai Minas 20/04/2009


printinsert_linkshareget_appmore_horiz

Download Options

close
Choose Size
Choose file type
Cite this item close

APA

Cras ut cursus ante, a fringilla nunc. Mauris lorem nunc, cursus sit amet enim ac, vehicula vestibulum mi. Mauris viverra nisl vel enim faucibus porta. Praesent sit amet ornare diam, non finibus nulla.

MLA

Cras efficitur magna et sapien varius, luctus ullamcorper dolor convallis. Orci varius natoque penatibus et magnis dis parturient montes, nascetur ridiculus mus. Fusce sit amet justo ut erat laoreet congue sed a ante.

CHICAGO

Phasellus ornare in augue eu imperdiet. Donec malesuada sapien ante, at vehicula orci tempor molestie. Proin vitae urna elit. Pellentesque vitae nisi et diam euismod malesuada aliquet non erat.

WIKIPEDIA

Nunc fringilla dolor ut dictum placerat. Proin ac neque rutrum, consectetur ligula id, laoreet ligula. Nulla lorem massa, consectetur vitae consequat in, lobortis at dolor. Nunc sed leo odio.