SBE Notícias

Citation
SBE Notícias

Material Information

Title:
SBE Notícias
Series Title:
SBE Notícias
Alternate Title:
SBE Notícias: Boletím Eletrônico da Sociedade Brasileira de Espeleologia
Publisher:
Sociedade Brasileira de Espeleologia
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Genre:
serial ( sobekcm )

Notes

General Note:
Proposta de graduação de mapeamento da UIS - Bahia tem novo grupo de espeleologia - Palestra sobre a expedição Jurassic Cave 20009 (Bolívia) - Cimento com sobras de sisal - Novas dolinas aparecem em Vazante - FAPESP e Vale assinam acordo para investir em pesquisa mineral - Criado o Geoparque Bodoquena-Pantanal - Expedição Amigos de Terra Ronca - Maior morcego do mundo pode desaparecer da Malásia em seis anos - Morcego voa mais de mil km num mês - 4º ENME - Foto do Leitor: Gruta das Perdidas(MG-1140).
Restriction:
Open Access - Permission by Publisher
Original Version:
Vol. 5, no. 144 (2010)
General Note:
See Extended description for more information.

Record Information

Source Institution:
University of South Florida Library
Holding Location:
University of South Florida
Rights Management:
All applicable rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier:
K26-03525 ( USFLDC DOI )
k26.3525 ( USFLDC Handle )
8779 ( karstportal - original NodeID )
1809-3213 ( ISSN )

USFLDC Membership

Aggregations:
Added automatically
Karst Information Portal

Postcard Information

Format:
serial

Downloads

This item has the following downloads:


Full Text
Description
Proposta de graduao
de mapeamento da UIS Bahia tem novo grupo de espeleologia -
Palestra sobre a expedio Jurassic Cave 20009 (Bolvia) -
Cimento com sobras de sisal Novas dolinas aparecem em Vazante
- FAPESP e Vale assinam acordo para investir em pesquisa
mineral Criado o Geoparque Bodoquena-Pantanal Expedio
Amigos de Terra Ronca Maior morcego do mundo pode desaparecer
da Malsia em seis anos Morcego voa mais de mil km num ms -
4 ENME Foto do Leitor: Gruta das Perdidas(MG-1140).



PAGE 1

SBE SBE ISSN 1809-3213 R SBE SBE c s N o t i a c s N o t i a c s N o t i a c s N o t i a Boletm Eletrnico da Sociedade Br asileir a de Espeleologia 1 t s N o c ia t s N o c ia Ano 5 N 144 01/01/2010 A partir destas consideraes a comisso deseja saber a opinio de todos os espelelogos sobr e o assunto e a comunidade espeleolgica brasileira tambm pode e deve participar A pr oposta base est disponvel pelo link no final desta matria e os inter essados podem avaliar a pr oposta e encaminhar suas sugestes para o delegado brasileir o no grupo de trabalho T opografia e Mapeamento da comisso de informtica da UIS, F abio Kok Geribello, pelo e-mail: A pr oposta da UIS criar uma padro que seja universal, facilitando a compr eeso e avaliao dos mapas topogrficos sub-terrneos. fabio@geribello.com.br Clique aqui para ler o esboo da pr oposta Durante o 15 Congr esso Internacional de Espeleologia, em 2009 na cidade de Kerr ville (EU A), o Grupo de T rabalho "T opografia e Mapeamento", da comisso de informtica da UIS, discutiu os sistemas de graduao de mapeamento britnico (BCR A) e australiano (ASF), o uso destes, suas limitaes e possveis melhorias para uso internacional pela UIS. A grande maioria dos pr esentes concor dou que o uso de um sistema de graduao no mapeamento espeleolgico neces-srio para informar ao usurio sobr e a acurcia esperada do mapa. Aps uma animada discusso, foi verificado que o sistema de graduao padro da ASF se apr o xima muito das expectativas do grupo e que este poderia ser comple-mentado para o uso pela UIS. PROPOSTA DE GRADUAO DE MAPEAMENTO DA UIS BAHIA TEM NOVO GRUPO DE ESPELEOLOGIA Por Fernando Andrade Silva Grupo Mundo Subterrneo de Espeleologia – GMSE (SBE G123) Em meados de 2009, comeamos a pensar na formao de um grupo a fim de criar alternativas plausveis para uma signi-ficativa pr oteo das cavernas existentes no municpio de P aripiranga, estado da Bahia. Da sur giu iniciativa, entr e estudantes, para criado o (GMSE). O GMSE vem r ealizando atividades com o objetivo de inventariar as paisagens crsticas de P aripiranga, r eunindo dados para futur os estudos de sustentabilidades no uso pblico e para construo de planos de manejo, alm disso, o grupo tem como misso contribuir para a conser vao das paisagens crsticas, atravs da pr omoo da educao ambiental, pesquisa, pr ojetos de sustentabilidade e desenvolvimento do espeleoturismo, colaborando para a melho-ria de vida das comunidades da r egio, pr omovendo sua auto -r ealizao e trazendo um novo pensar e r efletir junto natur eza. Desde a sua formao, o grupo j r ealizou diversas aes como a identificao, at o momento, de 13 feies crsticas, Grupo Mundo Subterrneo de Espeleologia mas o potencial da r egio, com dados compr ovados e visualizados, de apr o ximadamente 25 cavernas. P atrimnio conhecido pela per cepo da comunidade, mas ainda desconhecidas cientificamente. Em dezembr o GMSE filiou-se a SBE para fazer parte da comunidade espeleolo-gica brasileira e contribuir com o conheci-mento do grande acer vo de cavernas ainda no pesquisadas. F ica o convite toda comunidade espeleolgica para participar das atividades do GMSE, abrindo caminhos para esse mun-do de silncio, mistrios e beleza, um uni-verso aventur eir o de atividades legitimamente ecotursticas, com a finalidade de pr omover a sustentabilidade local e pr oteo do patrimnio cultural e natural. Dia 09 de Janeir o (sbado) a SBE r ealizar em sua sede o “40 SBE de P ortas Abertas” com a P alestra: Expedio Jurassic Cave 2009 – Espeleologia transversal ministrada por Soraya A yub (SBE 0528) e L or enzo Epis (SBE 0671), membr os da AK AK OR Geographical Exploring. A palestra tm como tema a Expedio Espeleolgica T rinacional (Itlia, Bolvia e Brasil) Jurassic Cave 2009, r ealizada pela associao AK AK OR Geographical Exploring (SBE G116) na r egio de T or otor o, na Bolvia, envolvendo trabalhos de explorao, mapeamento e investigao geolgica, alm da r ealizao de cursos e apoio ao III Congr esso Boliviano de Espeleologia. Mais informaes sobr e a JurassicCave 2009 no L ocal: P ar que T aquaral P orto 2 Campinas SPData: 09/01/2010 (Sbado)Horrio: 15 horasEntrada: gratuita Saiba mais sobr e o pr ojeto em: SBE Notcias n138 Sede da SBE www .sbe.com.br/aberta.asp PALESTRA SOBRE A EXPEDIO JURASSIC CAVE 2009 (BOLVIA) Caverna Mario Jardim T orotor o Bolvia Uma das cavernas exploradas pela expedio D a v i d e S c h i a v o n Unio Internacional de Espeleologia

PAGE 2

2 t s N o c ia t s N o c ia CIMENTO COM SOBRAS DE SISAL As sobras da bucha de sisal, que geralmente so joga-das fora nos pr ocessos de fabricao de cor das, podem fornecer uma importante matria-prima para a indstria de materiais de cons-truo, aponta uma nova pesquisa. A equipe do pr ofessor Holmer Savastano Jnior da F aculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da Universidade de So P aulo (USP), desenvolveu um mtodo de obteno de fibras a partir da sobra r ejeitada da planta que pode gerar r enda e aprimorar a cadeia do sisal, que envolve hoje, no pas, mais de 700 mil pessoas em atividades dir etas e indir etas. Chamado de polpao or ganossolve, o pr ocesso consiste em dissolver a massa do sisal por meio da aplicao de pr esso, alta temperatura e de um r eagente, no caso, etanol. O objetivo quebrar a lignina que mantm as fibras unidas. Os pr ocessos convencionais para obteno de fibras ou celulose utilizam o mtodo kraft, que, alm de envolver um pr ocesso qumico mais agr essivo, vivel somente em lar ga escala. “Uma grande vantagem do or ganossolve ser adaptvel a plantas de pequeno porte, o que o torna adequado a pequenos pr odutor es”, contou Savastano. O fibr ocimento poder ser mais um brao da cadeia pr odutiva do sisal, planta que tem o Brasil como maior pr odutor mundial. O material obtido da planta do semirido, segundo a pesquisa, pode entrar na fabricao de telhas, divisrias, suportes de ar condicionado, caixas d’gua e demais estruturas que atualmente utilizam outr os tipos de fibras. Um dos desafios da equipe de Savastano r eduzir a degradao que o sisal sofr e em um pr oduto de construo a base de cimento. Como toda fibra natural, ela sofr e os efeitos da alcalinidade do cimento, decompondo -se com o passar do tempo. As peas de fibr ocimento desenvolvidas at o momento contm um por centual de fibras sintticas, como PV A (polivinil alcool) e PP (polipr opileno). “Quer emos agora aumentar o teor da fibra natural e r eduzir o de materiais sintticos”, disse. Alm do sisal, o grupo da USP comeou a pesquisar tambm a fibra de bambu como componente de fibr ocimento. A engenheira agrcola V iviane da Costa Corr ea, orientanda de Savastano, desenvolve em seu mestrado o pr ocesso or ganossolve aplicado ao bambu Fonte: Agncia F APESP 17/12/2009 Subprodut o do sisal pode ser aproveit ado NOVAS DOLINAS APARECEM EM VAZANTE As chuvas caem forte sobr e o Brasil central e fizeram apar ecer novas dolinas no castigado municpio de V azante, no nor oeste de Minas Gerais. Uma delas sur giu h poucos dias em um bairr o da cidade, causando queda de uma par ede e rachaduras na casa em construo de um auxiliar de ser vios gerais. O local foi inter ditado, conforme r eportagem da TV Integrao. R elatos da Associao V azantina de Ecologia (A VE) do conta de que pelo menos seis crateras j apar eceram na r egio este ano. Como o fenmeno das dolinas tpico de solos calcr eos, mas l tudo acelerado e amplificado pela minerao de zin-co da V otorantim, que dr ena enormes quantidades de gua subterr-nea para extrair o pr oduto. O caso se arrasta no Ministrio Pblico F ederal em P atos de Minas, onde aes civis pblicas pedem o fechamento da mina. "E a justia nada. Quem sabe no Brasil, por que V azante outra coisa, no est no Brasil", r eclamou R eginaldo Alves, da A VE. Fonte: O Eco 16/12/2009 mostr ou o portal O Eco em novembr o de 2008 A F undao de Ampar o P esquisa do Estado de So P aulo (F APESP) e a empr esa V ale S.A. assinaram um acor do, dia 23 de dezembr o, para o apoio pesquisa cientfica, tecnolgica ou de inovao a ser desen-volvida em r eas como minerao, ener gia, biodiversidade e pr odutos ferr osos para siderur gia. A pr eviso de investimentos de at R$ 40 milhes, sendo metade pr oveniente da F APESP e metade da V ale. Os temas contemplados no acor do, alguns bastante abrangentes, r efletem a complexidade das atividades da V ale e desafios que a companhia enfr enta. “Essa amplitude abr e mltiplas oportunidades para pesquisa em vrias r eas do conhecimento”, disse Carlos Henrique de Brito Cruz, dir etor cientfico da F APESP O acor do de cooperao F APESP V ale tem foco “no desenvolvimento de tecnolo-gias e pr ocessos capazes de mudar paradigmas dentr o de empr esa”, segundo L uiz Eugnio Mello, dir etor do Instituto T ecnolgico V ale (ITV), o brao de pesquisa da mineradora. Segundo ele, a V ale, que a maior empr esa privada do pas e a segunda maior mineradora do mundo, pr etende, com o acor do, apr o ximar -se de cientistas de instituies paulistas, a fim de desenvolver pesquisa de fr onteira em r eas consideradas estratgicas. REAS DE PESQUISA O acor do entr e a F APESP e a V ale engloba uma ampla gama de temas de pes-quisa, mas a lista tem um carter indicativo. Algumas das r eas contempladas, como a busca de novas r otas de biocombustveis e a contabilidade ambiental, so totalmente novas para a V ale. No campo da minerao, o acor do indica como r ea prioritria, por exemplo, a busca de mtodos de pr ospeco mineral por sensoriamento r emoto e estudos sobr e a formao geolgica de cavernas e sobr e as espcies que as habitam Segundo Mello, a assinatura dos convnios uma das decorrncias da cria-o do Instituto T ecnolgico V ale, “ A criao do instituto uma mudana de para-digma nas estratgias de pesquisa e desen-volvimento da V ale”, disse Fonte: Agncia F APESP 23/12/2009 FAPESP E VALE ASSINAM ACORDO PARA INVESTIR EM PESQUISA MINERAL Rebaixamento do lenol fretico a causa provavel do esburacamento O E c o D i v u l g a o

PAGE 3

3 t s N o c ia t s N o c ia CRIADO O GEOPARQUE BODOQUENA-PANTANAL O Governo do Estado (MS) assinou, dia 22 de dezembr o, o com o objetivo de conser var pr oteger e valorizar o patrimnio cultural e natural situado na r egio da Serra de Bodoquena e do P antanal. O Geopark tem uma r ea de 39.700 km2, abrangendo os territrios dos municpios de Bonito, Bodoquena, Ladrio, Corumb, Jar dim, Niaoque, Bela V ista, P orto Murtinho, Miranda, Aquidauana, Anastcio, Caracol e Guia L opes da Laguna. F azem parte do Geopar que 54 r eas denominadas geosstios, envolvendo fazendas, lagoas, grutas e nascentes de rios. Com o decr eto, o Estado passa a ter aparato legal para o r econhecimento pela Or ganizao das Naes Unidas para a Educao, a Cincia e a Cultura (Unesco) e inse-rida da “R ede Mundial de Geopar ques”. O documento formaliza diversas atividades j consolidadas, tanto nas escalas de pr eser vao e pesquisa, quanto nas r eas de turismo e desenvolvimento. Segundo a tcnica da Unidade de Conser vao do Instituto do Meio Ambiente de Mato Gr osso do Sul (Imasul), entr e os cer ca de 20 pr ojetos para a instituio de geopar ques no P as, Mato Gr osso do Sul o que est mais embasado e com condies de r eceber o selo da Unesco, o que deve ocorr er em 2010. decr eto que institui o Geopar que Bodoquena-P antanal A elevao categoria de geopar que, uma chancela oficial da Unesco, uma fer-ramenta de pr eser vao para r eas dotadas de importantes testemunhos geolgicos e paleontolgicos da evoluo da T erra, e tambm objetiva fomentar a educao, inclu-so social, divulgao cientfica e o turismo. Desde a criao do Global Networks of Nati-onal Geoparks, em 2004, a Unesco j chan-celou 57 geopar ques ao r edor do mundo, sendo apenas um nas trs Amricas o Geo-par que do Araripe, no Cear, em 2006. O conselho gestor do Geopark Bodoquena – P antanal, deve se r eunir no incio de fever eir o e ser formado por r epr esentantes do governo estadual (Imasul, F undtur e F undao de Cultura de Mato Gr osso do Sul); Iphan; Departamento Nacional de P r oduo Mineral; Companhia de P esquisa de R ecursos Minerais – Ser vio Geolgico do Brasil; Comando Militar do Oeste; e as pr efeituras dos 13 municpios envolvidos Fonte: Pant anal News 22/12/2009 Por Darcy Augusto Rgis V alente GCPE Grupo Carste de Pesquisas Espeleolgicas (SBE G122) A Expedio Amigos em T erra R onca ocorr er entr e os dias 03 a 17 de Janeir o de 2010, no P ar que Estadual de T erra R onca no municpio de So DomingosGO Na Expedio sero ministrados vrios cursos: Biologia subterrnea, Tcnicas V erticais, T opografia em Caverna, F otografia subterrnea, P rimeir os Socorr os em ambientes confinados, A uto Socorr o, Tcnicas de R esgates, Oficina de pr ojetos e outr os. Informaes: V aldecir Simo dos Santos (15) 9717-8611 Dar cy A ugusto R V alente (62) 9637-8405 Emerson Gomes P edr o (11) 7351-1000 naativa@hotmail.com grupocarste@hotmail.comgomes_espeleo_bec@yahoo.com.br Morcego nathusius: pipistrellus nathusii EXPEDIO AMIGOS EM TERRA RONCA MAIOR MORCEGO DO MUNDO PODE DESAPARECER DA MALSIA EM SEIS ANOS Com enver gadura de mais de 1,5 metr o, a grande raposa-voadora ( Pter opus vampyrus ) o maior mor cego do mundo. Mas seu tamanho no tem ajudado: tornou-se alvo de caa e muitos so mor-tos todos os anos, levando a espcie a ser ameaada de extin-o, de acor do com uma pesquisa r ecente. e o primeir o de seu gner o a examinar mor cegos frugvor os na sia. A grande raposa-voadora encontrada em pases como Indonsia, Malsia, Mianmar e Camboja. Somente na Malsia, 22 mil mor cegos so caados legalmente todo ano, e um nmer o ainda desconhecido morto de forma ilegal. Epstein declar ou que esse nvel de caa “ insustentvel para o nmer o de mor cegos no pas e vai dizimar essa espcie ecologicamente importante”. Sobr e essa importncia ecolgica, Epstein declar ou que os mor cegos “comem O estudo, liderado por Jonathan H. Epstein do W ildlife T rust, de Nova Y ork, foi publicado no Journal of Applied Ecology fruta e nctar e, ao fazer isso, espalham as sementes e polinizam as r vor es, sendo cruciais na pr opagao de plantas tr opicais”. A raposa-voadora est atualmente listada como “quase ameaada” pela Lista V ermelha de Espcies Ameaadas da Unio Internacional para a Conser vao da Natur eza (IUCN, na sigla em ingls). Epstein e sua equipe descobriram que os mor cegos viajam grandes distncias em busca de comida e atravessam centenas de quilmetr os entr e poleir os, o que muitas vezes os leva a cruzar fr onteiras nacionais. A espcie pr otegida na vizinha T ailndia, mas a caa permitida em pases prximos. Usando modelos de computador Epstein diz que a grande raposa-voadora pode ser extinta em seis anos. P ara salvar a espcie da extino na Malsia, Epstein e seus colegas esto pedindo uma pr oibio temporria da caa. Fonte: Scientifc American Brasil 17/12/2009 MORCEGO VOA MAIS DE MIL KM NUM MS Um mor cego de apenas oito gramas de peso per corr eu em 28 dias a longa distncia de 1.360 km entr e L etnia e Sua, estabelecendo um r ecor de que deix ou pasmos os estudiosos do diminuto mamfer o. O mor cego nathusius, capturado no canto suo de Soleur e, tinha um anel com a inscrio da data e do local da L etnia de onde havia partido, permitindo calcular que voou pelo menos 50 km por noite. Fonte: AFP 29/12/2009 t h i n k o h o l i c c o m Raposa-voadora: pteropus vampyrus P a m T h o m a s Rio P erdido: Parque Nacional Serr a da Bodoquena V i a R u r a l

PAGE 4

4 sbe@sbe.com.br : www .sbe.com.br SBE Notcias Comisso Editorial uma publicao eletrnica da SBE-Sociedade Brasileira de Espeleologia T elefone/fax. (19) 3296-5421 Contato: Marcelo A. R asteiro e Delci K.Ishida T odas as edies esto disponveis em A reproduo deste permitida, desde que citada a fonte. Antes de imprimir pense na suaresponsabilidadecom o meioambiente Apoio: V i s i t e C a m p i n a s e c o n h e a a B i b l i o t e c a G u y C h r i s t i a n C o l l e t S e d e d a S B E Filie-se SBE S o c i e d a d e B r a s i l e i r a d e E s p e l e o l o g i a C l i q u e a q u i p a r a s a b e r c o m o s e t o r n a r s c i o d a S B E T e l ( 1 9 ) 3 2 9 6 5 4 2 1 Filiada t s N o c ia t s N o c ia R Unio Internacional de Espeleologia FEALC-Federao Espeleolgica da Amrica Latina e Caribe C A M P I N A S P R I M E I R O O S Q U E M A I S P R E C I S A M P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E VENHA P ARA O MUNDO DAS CA VERNAS VENHA P ARA O MUNDO DAS CA VERNAS V oc no pode perder ... Data: 08/2009 Autor: P aulo Cesar R odrigues P eixoto Gruta das P erdidas (MG -1140) P rojeo Horizontal: 245 m. Desnvel: 19 m. Matozinhos MG.Na foto uma profuso de helectites. Man de sua f oto com n ome data e local par a: sbe@sbe .com.br As edies i m p r e s s a s esto disponveis para consulta na Biblioteca da SBE Os arquivos eletrnicos podem ser solicitados via e-mail. N ovas Aquisies Boletim NSS News N10, National Speleological Society : Out/2009. Boletim The Journal of the Sydney Speleological Society N11, SSS: Nov/2009. Boletim eletrnico Informativo da Sociedade P araibana de Arqueolo gia N41, SP A: Nov/2009. Boletim eletrnico El Explorador N68, GEDA/ Sociedad Espeleolo gica de Cuba: Dez/2009. 4 ENME O 4 Encontr o Norte Mineir o de Espeleologia tm o objetivo de r eunir os grupos de espeleologia da r egio, pr omovendo a tr oca de informaes e o desenvolvimento tcnico -cientfico dos participantes. Mais informaes na pgina: www .sbe.com.br/4enme.asp 04 a 08/08/2010 6 Congresso de Espeleologia da Amrica Latina e Caribe Mat anzas. Cuba www .atenas.inf.cu 09/01/2010 Palestra: Jurssic Cave 2009 Sede SBE Campinas SP www .sbe.com.br/abert a.asp 17 a 24/01/2010 9 Expedio SBE-T O Aurora do T ocantins T O www .sbe.com.br/campo.asp P a u l o C e s a r R o d r i g u e s P e i x o t o


printinsert_linkshareget_appmore_horiz

Download Options

close
Choose Size
Choose file type
Cite this item close

APA

Cras ut cursus ante, a fringilla nunc. Mauris lorem nunc, cursus sit amet enim ac, vehicula vestibulum mi. Mauris viverra nisl vel enim faucibus porta. Praesent sit amet ornare diam, non finibus nulla.

MLA

Cras efficitur magna et sapien varius, luctus ullamcorper dolor convallis. Orci varius natoque penatibus et magnis dis parturient montes, nascetur ridiculus mus. Fusce sit amet justo ut erat laoreet congue sed a ante.

CHICAGO

Phasellus ornare in augue eu imperdiet. Donec malesuada sapien ante, at vehicula orci tempor molestie. Proin vitae urna elit. Pellentesque vitae nisi et diam euismod malesuada aliquet non erat.

WIKIPEDIA

Nunc fringilla dolor ut dictum placerat. Proin ac neque rutrum, consectetur ligula id, laoreet ligula. Nulla lorem massa, consectetur vitae consequat in, lobortis at dolor. Nunc sed leo odio.