Citation
SBE Notícias

Material Information

Title:
SBE Notícias
Series Title:
SBE Notícias
Alternate Title:
SBE Notícias: Boletím Eletrônico da Sociedade Brasileira de Espeleologia
Publisher:
Sociedade Brasileira de Espeleologia
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Genre:
serial ( sobekcm )

Notes

General Note:
SBE comemora seus 41 anos; - Artigo de 1937 abordava o bagre cego; - 1º SIGMA; - Cavernas de mármore Carrara; - Sexto Congresso Internacional de Cavernas Turísticas; - Conferência sobre paleoambientes; - Foto do Leitor: Dobsinska Ice Cave (Eslováquia).
Restriction:
Open Access - Permission by Publisher
Original Version:
Vol. 5, no. 174 (2010)
General Note:
See Extended description for more information.

Record Information

Source Institution:
University of South Florida Library
Holding Location:
University of South Florida
Rights Management:
All applicable rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier:
K26-03554 ( USFLDC DOI )
k26.3554 ( USFLDC Handle )
12642 ( karstportal - original NodeID )
1809-3213 ( ISSN )

USFLDC Membership

Aggregations:
Karst Information Portal

Postcard Information

Format:
Serial

Downloads

This item has the following downloads:


Full Text
Description
SBE comemora seus 41
anos; Artigo de 1937 abordava o bagre cego; 1 SIGMA; -
Cavernas de mrmore Carrara; Sexto Congresso Internacional de
Cavernas Tursticas; Conferncia sobre paleoambientes; Foto
do Leitor: Dobsinska Ice Cave (Eslovquia).



PAGE 1

SBE SBE ISSN 1809-3213 R SBE SBE c s N o t i a c s N o t i a c s N o t i a c s N o t i a Boletm Eletrnico da Sociedade Br asileir a de Espeleologia 1 t s N o c ia t s N o c ia Ano 5 N 174 01/12/2010 Por Marcelo Rasteiro (SBE 1089) No ltimo dia 20 de novembr o, estivemos r eunidos em nossa sede, no par que T aquaral Campinas SP para comemorao dos 41 anos de fundao da SBE. Estiveram pr esentes membr os de diversos grupos de espeleologia (SEE, EGB, EGMS, EGRIC, GESCAMP UPE, TRUPE, EGJ, GESMAR), scios individuais e outr os simpatizantes da entidade. Apesar de algumas atividades com mais contedo, como a apr esentao sobr e Cuba ou sobr e a r eformulao do Cadastr o de Cavernas, o encontr o foi bastante informal, uma r eunio entr e amigos para colocar a conversa em dia. 41 ANOS F undada em 1 de novembr o de 1969, durante o 4 Congr esso Nacional de Espeleologia, em Our o P r eto, a Sociedade Brasileira de Espeleologia comemora seus 41 anos de r ealizaes e se estrutura para enfr entar novos e cr escentes desafios. Alm de fomentar o avano da espeleologia em todas suas vertentes, hoje temos que atuar fortemente para r esolver o impasse criado pela edio do Decr eto 6.640 de 2008 e seus desdobramentos, tar efa her clea para uma entidade que ainda baseada no voluntariado, ainda mais quando o governo par ece ignorar nossos ar gumentos tcnicos e polticos. CONTINUAR CRESCENDO Apesar da complexidade dos pr oblemas enfr entar a soluo bastante simples. T emos que fortalecer nossa SBE. Em curto prazo pr ecisamos de mais associados. Hoje contamos quase que exclusivamente com a anuidade dos scios (individuais ou grupos) para tocar a SBE e se quisermos uma entidade minimamente independente, temos que garantir sua manuteno. J temos notado o cr escimento no nmer o d mportantes espelelogos, mas o nmer o de associados ainda est muito aqum do necessrio. Em mdio prazo temos que pr ofissionalizar a entidade. Apesar de termos bons scios que se empenham para manter os trabalhos da SBE, sempr e h o pr oblema de disponibilidade de tempo e r ecursos. Uma boa sada seria transformar a SBE em uma OSCIP (Or ganizao Civil de Inter esse e r e-filiaes de i Por Marcelo Rasteiro (SBE 1089) O P r of R enato R .C. Ramos (SBE 0908), Chefe do Departamento de Geologia e P aleontologia do Museu Nacional do Rio de Janeir o (UFRJ), doou para a biblioteca da SBE uma r evista de 1937 com um artigo sobr e o bagr e cego. O artigo “ Os bagrinhos sem olhos das grutas de Iporanga” do gelogo Othon Henr y L eonar ds, foi publicado na UIR A (v .1-n.1, 1937), r evista da Sociedade dos Amigos do Museu Nacional. De forma sucinta, a mat-ria apr esenta a importncia do Thyphlobagrus kr onei para o entendimento das teorias sobr e her editariedade e evolucionismo. Esta e outras pr eciosidades esto disponveis para consulta de qualquer inter essado na em Campinas SP Ao P r of R enato Ramos, nosso agradecimento por mais esta contribuio. biblioteca “Guy Christian Collet”, sede da SBE ARTIGO DE 1937 ABORDA O BAGRE CEGO R e a l i z a o Organizao 31 CONGRESSO BRASILEIRO DE ESPELEOLOGIA Espeleodiversidade: Ensino e Conservao Pont a Grossa PR (UEPG) 21 a 24 de julho de 201 1 www .sbe.com.br/31cbe.asp R Um dia p ara descontrair Neste ms de Novembr o a SBE completa 41 anos. Uma data to importante no poderia passar em branco e nada melhor do que r eunir os amigos para comemorar e jogar muita conversa fora. A comemorao ser dia 20 de Novembr o (Sbado) na sede da SBE e todos esto convidados. Estamos planejando um encontr o bem informal e apr oveitando a r eunio para algumas apr esentaes. PROGRAMAO 9h Incio.10h Apr esentao: Carste de Cuba. 12h Churrasco comunitrio. 13h Tcnicas verticais.15h R eunio da eBR e. Ve nha encontrar -se com os amigos, bater -papo e comemorar conos co! L ocal: P ar que T aquaral P orto 2 Campinas SPData: 20/11/2010 (Sbado)Horrio: a partir das 09 horasEntrada: gratuita Saiba mais em: Sede da SBE www .sbe.com.br/aberta.asp SBE 41 ANOS SBE 41 ANOS Ilustrao do artigo: bagre cego e mandi-tinga SBE COMEMORA SEUS 41 ANOS Churrasco SBE dcada de 1970 A vari Collet Martin A c e r v o S B E 1 SIGMA O Instituto Geolgico (IG) da Secr etaria do Meio Ambiente do Governo do Esta-do de So P aulo (SMA-SP) or ganiza este ano o 1 SIGMA – Simpsio Geocincias e Meio Ambiente nos dias 08 e 09 de dezem-br o, nas dependncias da SMA-SP Dia 08 est r eser vado para o II Seminrio “Estratgias para R eduo de Desastr es Naturais no Estado de So P aulo” e o dia 09 ter emos o I Seminrio “P r eser vando a Geodiversidade” com inter essantes paletras r elacionadas espeleologia e geoconser vao. Mais informaes e inscries: www .igeologico .sp.gov .br/ ler_noticia.asp?id=377 Pblico) e pr eparar pr ojetos para conseguir r ecursos pblicos ou privados. Em longo prazo, como sempr e, temos que investir em educao, somente com uma populao esclar ecida poder emos defender o patrimnio. P ases com maior tradio na espeleologia e com escolas de espeleologia bem estruturadas comumente conseguem milhar es de espelelogos ligados a entidades nacionais, alm de milhes de simpatizantes, algo ainda bem distante de nossa r ealidade. Nessa jornada pr ecisamos de toda ajuda possvel e se o que faltava era convite, a vai: Sua participao impr escindvel! (r e)filie-se agora mesmo! A famlia continua crescendo Heloisa, filha dos scios Ren e Fernanda D e l c i I s h i d a D e l c i I s h i d a

PAGE 2

2 t s N o c ia t s N o c ia CAVERNAS DE MRMORE CARRARA Que tal visitar cavernas do mais legtimo mrmor e Carrara? P ois isso bem possivel para quem for Itlia Quem visita a cidade de Carrara, aos ps dos ver des Alpes Apuanos, no norte da T oscana, tem como fundo montanhas branquinhas, mas no se trata de gelo e sim do mais pur o mrmor e. F oi l que, durante o perodo do R enascimento, Michelangelo encontr ou o bloco da pedra branca que mais tar de foi transformada em seu famoso "David". Durante sculos, a economia da r egio se baseou na extrao de mrmor e e atualmente cer ca de 15 mil toneladas so r etiradas diariamente das montanhas, deixando grandes cavernas artificiais. Hoje, alm de visitar a cidade e comprar estatu-etas pr oduzidas na r egio, os turistas tambm podem se aventurar pelas cavernas Uma boa pedida nos dias de vero, quando a temperatura externa passa dos 30 graus Celcius. Fonte: O Globo 01/1 1/2010 publicada em br eve –, difer em em muito do que habitualmente feito l fora. Aos inte-r essados, a palestra pode ser acessada na ntegra Outras tendncias inter essantes foram: o uso de LEDs na iluminao fixa de cavernas tursticas; os estudos de r emoo de plantas geradas pela iluminao antiga; a capacidade de car ga como ferramenta de planejamento e gesto; a espeleoterapia, para tratamentos de doenas r espiratrias e at r eumatismo, muito comum na Eslovquia; o mark eting difer enciado nos pr odutos espeleotursticos. F oi uma experincia e tanto, a qual esper o r epetir em br eve, tanto no Encontr o da ISCA (2012, Grcia e T ur quia) quanto no 7 Congr esso da ISCA (2014, na A ustrlia). No posso deixar de mencionar o apoio financeir o que r ecebi da Unesp/Rio Clar o, bem como o incentivo e apoio de meus orientador es, pr of Dr Jos Alexandr e de Jesus P erinotto e pr of Dr P aulo Csar Boggiani (SBE 0093), sem os quais eu no teria, certamente, aceitado o convite de r epr esentar o Brasil no evento clicando aqui Congressist as na Demnovsk Ice Cave CONFERNCIA SOBRE PALEOAMBIENTES A Universidade de Birmingham, no R eino Unido, r ealizar de 26 a 29 de junho de 2011 a 6 Conferncia Interna-cional “Mudanas climticas e r egistr os do carste”. O foco principal o uso de espeleotemas e outr os depsitos de cavernas para interpr etar o clima e ambientes do passado, incluindo o trabalho sobr e novos pr ocessos de interpr etao do paleo ar quivos T rabalhos com base em abor dagens experimentais e de modelagem de simulao tambm so bem vindos. Os r esumos podem ser enviados at 14 de maro de 2011. www .kr6confer ence.or g Por Heros Lobo (SBE 1347) Coordenador da Seo de Espeleoturismo da SBE (SeT ur/SBE) R ealizou-se entr e os dias 17 e 24 de outubr o a sexta edio do Congr esso da uma entidade internacional que agr ega cavernas tursticas de mais de 30 pases do mundo. Apesar de termos muitas cavernas tursticas no Brasil, ainda no temos nenhuma delas associada na ISCA, sendo o Brasil r epr esentado por seus dois membr os associados: eu e o Jos A yrton Labegalini (SBE 0110). O evento foi r ealizado no Eslovquia, um pas com apr o ximadamente 2.700km de r eas crsticas e quase 5.800 cavernas j conhecidas. O evento foi abrigado em uma bela estao de esqui, na cidade de Lip-tovsk y Mik ulas, na r egio das montanhas T atra. T ratam-se de carbonatos do mdio trissico, com tpicas formas crsticas de r elevo, incluindo o sistema Demnovsk, com mais de 40km de extenso e 9 nveis de galerias sobr epostas. Associao Internacional de Cavernas T ursticas (ISCA) Na pr ogramao, tivemos a oportunidade de assistir palestras de colegas de mais de 20 pases, com destaque para cien-tistas de r enome internacional, como o francs Alain Mangin, o italiano Arrigo Cigna e o tcheco P avel Bosak. As visitas tcnicas eram feitas diariamente, entr e 16 e 20 horas, um modelo difer ente e inter essante de pr ogramao de evento. A grande novidade, no somente para mim, brasileir o, mas para muitos colegas de outr os lugar es do mundo, era a visita as cavernas com gelo permanente, como a Dobšinsk Ice Cave (vide “F oto do L eitor ” p.3). Sua temperatura ambiente varia entr e -6C e 2C, muito abaix o mesmo das cavernas mais frias do Brasil. A culinria tpica eslovaca foi outr o show a parte, embora se trate de uma comi-da muito pesada, com muita gor dura suna e de pato, em funo do frio constante. F ui convidado a r epr esentar o Brasil no evento, e fui muito bem r ecebido por todos. Grandes contatos foram estabeleci-dos com colegas dos EU A, T ur quia, ustria, A ustrlia, Coria do Sul, Bermudas, Alemanha, Itlia, F rana, Eslovquia, Eslovnia, R omnia e P olnia. A palestra, sobr e capacidade de car ga em cavernas no Brasil, r ecebeu muitos elogios e comentrios, sobr etudo pela forma difer enciada e inovadora com que o tema tem sido tratado no Brasil. F icou muito clar o que eles valorizam o pioneirismo, j que a abor dagem que usamos na capacidade de car ga nos bem como a que estou usando no doutorado –a ser planos de manejo das cavernas do V ale do Ribeira SEXTO CONGRESSO INTERNACIONAL DE CAVERNAS TURSTICAS Entrevist a TV nacional da Eslovquia A c e r v o H L o b o A c e r v o H L o b o As cavernas artificiais so atrao local D i v u l g a o

PAGE 3

3 sbe@sbe.com.br : www .sbe.com.br SBE Notcias Comisso Editorial uma publicao eletrnica da SBE-Sociedade Brasileira de Espeleologia T elefone/fax. (19) 3296-5421 Contato: Marcelo A. R asteiro e Delci K.Ishida T odas as edies esto disponveis em A reproduo deste permitida, desde que citada a fonte. Antes de imprimir pense na suaresponsabilidadecom o meioambiente Apoio: V i s i t e C a m p i n a s e c o n h e a a B i b l i o t e c a G u y C h r i s t i a n C o l l e t S e d e d a S B E Filie-se SBE S o c i e d a d e B r a s i l e i r a d e E s p e l e o l o g i a C l i q u e a q u i p a r a s a b e r c o m o s e t o r n a r s c i o d a S B E T e l ( 1 9 ) 3 2 9 6 5 4 2 1 Filiada t s N o c ia t s N o c ia R Unio Internacional de Espeleologia FEALC-Federao Espeleolgica da Amrica Latina e Caribe C A M P I N A S P R I M E I R O O S Q U E M A I S P R E C I S A M P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E VENHA P ARA O MUNDO DAS CA VERNAS VENHA P ARA O MUNDO DAS CA VERNAS Cachecol tambm pode ser EPI... Data: 10/2010 Autor: Heros Augusto Santos Lobo (SBE 1347) Dobšinsk Ice Cave Desenvolvimento: 1.483 m. Desnvel 112 m. Dobšin (Eslovquia). V ide matria na pgina 2 deste boletim. Saiba mais sobre as cavernas de gelo eslovacas Man de sua f oto com n ome data e local par a: sbe@sbe .com.br As edies i m p r e s s a s esto disponveis para consulta na Biblioteca da SBE Os arquivos eletrnicos podem ser solicitados via e-mail. N ovas Aquisies Boletim UIRA N1, Sociedade dos Amigos do Museu Nacional: Out-Dez/1937. Boletim eletrnico Informativo da Sociedade P araibana de Arqueo logia N54, SP A: Out/2010. CARV ALHO J.N.C.; et al. Informa es sobre a jazida fossilfera ple istocnica do Lajedo da Escada, municpio de Mossor, Rio Grande do Nor te Mossor: Coleo Mos soroense, 1983. CARV ALHO J.N.C.; et al.. R elat rio preliminar das investigaes geopaleontolgicas na rea fossi lfera pleistocnica da fazenda Lagea F ormosa, municpio de So Rafael Mossor: Coleo Mosso roense, 1983. CARV ALHO J.N.C.; et al.. A pale ontologia no Rio Grande do Nor te Mossor: Coleo Mossoroense, 1983. CRADALL, R .. Geografia, geologia, suprimento d'gua, transpor tes e audagem nos estados orientais do nor te do Brasil: Cear, Rio Gran de do Nor te e P araba Mossor: Coleo Mossoroense, 1982. DAKE, C.L.; BROWN, J.S.. Inter pretation of T opographic and Gro logic Maps New Y ork: McgrawHill, 1925. DANA, J.D.; DANA, E.S.. Danas Manual of Mineralogy New Y ork: John W iley 1959. DUNBAR C.O .. Historical Geology London: John W iley 1957. 21 a 24/07/201 1 31 CBE Congresso Brasileiro de Espeleologia UEPG Pont a Grossa PR www .sbe.com.br/31cbe.asp Jan/201 1 10 Expedio SBE-T O Aurora T O www .sbe.com.br/campo.asp 2013 16 ICS Congresso Internacional de Espeleologia Brno Repblica Checa www .speleo2013.com Gostou do SBE Notcias? Ento junte-se a ns Coloque sua mar ca aqui O boletim enviado a mais de 5.000 contatos no Brasil e exterior um pblico seleto que vai pr estigiar sua mar ca. Informaes: (19) 3296-5421 ou sbe@sbe.com.br I n f o r m e P u b l i c i t r i o H e r o s L o b o